Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Análise da Competitividade de Arranjos Produtivos Locais por Meio do Modelo Diamante: Uma Revisão Teórica

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1252/rct.v16n32p85-100

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/cienciatecnologia/index 

downloadpdf

Dalila A. Corrêa1 & Osvaldo Gastaldon2

 

Resumo: A noção de aglomerados de empresas está amplamente associada à ideia de competitividade. Um Arranjo Produtivo Local remete às aglomerações de empresas localizadas num mesmo espaço territorial, que apresentam especialização produtiva e mantêm algum vínculo de interação, articulação e cooperação entre si e com outros agentes, como governo, associações, instituições de pesquisa e ensino. Tais características, combinadas com as condições locais, criam novos padrões de produção, que de forma isolada, é impossível alcançá-los. Logo, a concentração geográfica das empresas e demais condições locais geram competitividade e vantagens competitivas sobre as empresas concorrentes isoladas. Estudar a competitividade em Arranjos Produtivos Locais é de grande importância para compreender o papel que os aglomerados de empresas geram para a economia local e regional. Neste trabalho apresenta-se o modelo de análise da competitividade denominado Diamante de Porter, o qual abrange quatro amplas categorias, quais sejam: condições dos fatores; condições da demanda; estratégia, estrutura e rivalidade da empresa; e setores correlatos e de apoio. Esse modelo identifica as bases que sustentam a estratégia de competitividade e apresenta-se como uma solução esquemática na forma de um diamante lapidado que une os quatro determinantes responsáveis pela criação de vantagens competitivas para uma indústria, uma nação ou uma região.

Palavras-chave: competitividade; arranjo produtivo local; competitividade em arranjos produtivos locais; diamante de porter

 

Abstract: The concept of company clusters is widely associated with the notion of competition. A Local Productive Arrangement refers to a cluster of companies located in a same territorial space, with productive specialization and maintaining some kind of interaction, coordination, and cooperation between themselves and other agents, such as government, business associations, research and teaching institutions. These features, combined with local conditions, create new patterns of production that are impossible to be reached. So the geographic concentration of companies and other local conditions generate competition and competitive advantages over isolated competitors. To study competition in Local Productive Arrangements is important to understand the role that company clusters play in local and regional economies. This paper presents the model of competition analysis called Porter’s Diamond, which has four comprehensive categories: factor conditions; demand conditions; firm strategy, structure and rivalry and related supporting industries. It has been adopted as a model of competition analysis. This model identifies the foundations that support the competition strategy and presents itself as a schematic solution in the form of a cut diamond that links the four determinants responsible for creating competitive advantage for an industry, a nation or a region.

Key words: competition; local productive arrangements; competitiveness in local productive arrangements; Porter’s diamond

 

1 Universidade Metodista de Piracicaba/SP dacorrea@unimep.br
2 Centro Universitário de Votuporanga (Unifev) osvaldo@fev.edu.br

 

Literatura Citada

ALBAGLI, S. Informação, territorialização e inteligência local. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais: Belo Horizonte, ECI/UFMG, n. 5, 2003. In CDROM.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2008.

BELUSSI, F.; GOTTARDI, G. Revolutionary Patterns of Local Industrial Systems: towards a cognitive approach to the industrial district. Brookfield (USA): Ashgate, 2000.

BRUNETTI, G. Piccole e medie imprese e politiche di facilitazione. Milano: Egea, 1997.

CAPORALI, R.; VOLKER, P. (Orgs.). Metodologia de desenvolvimento de arranjos produtivos locais: Projeto Promos - Sebrae - BID. Versão 2.0. Brasília, 2004.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos locais e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2003. p. 21-34.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO,M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena Empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2003. p. 35-50.

CORRÊA, D. A. Conhecimento e aprendizagem em contextos organizacionais: mecanismos de criação, aquisição, utilização, apropriação, transferência e gestão. Relatório final. Piracicaba: UNIMEP, 2009.

COUTINHO, L. G.; FERRAZ, J. C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus, 1994.

CAPORALI, R.; VOLKER, P. (Orgs.). Metodologia de desenvolvimento de arranjos produtivos locais: Projeto Promos - Sebrae - BID. Versão 2.0. Brasília, 2004.

FORJAZ, M. Psecology: Ou um passo não científico na evolução de Maslow. Revista Impactus Empresa Sustentável, Lisboa, Portugal, nº 14, fevereiro de 2009. p. 12-13

FUSCO, J. P.; SACOMANO, J. B. Alianças em redes de empresas. São Paulo: Arte e Ciência, 2009.

HADDAD, P. Cultura local e associativismo. Seminário BNDS sobre Arranjos Produtivos Locais. Rio de Janeiro, 2004.

HAGUENAUER, L; FERRAZ, J. C.; KUPFER, D. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

HOFFMANN, V. E.; MOLINA-MORALES, F. X.; MARTÍNEZ-FERNÁNDEZ, M. T. Redes de empresas: uma proposta de tipologia para sua classificação. ENAMPAD, 2006.

HOFSTEDE, G. Culturas e organizações: compreender nossa programação mental. Lisboa: Sílabo, 1997.

KWASNICKA, E. L. Em direção a uma teoria sobre redes de negócios. In: BOAVENTURA, J. M. G. (Org.). Redes de negócios: tópicos em estratégia. São Paulo: Saint Paul, 2006. p. 23-31
KIELSON, D. C. A new paradigm for competition. The Futurist. v. 29, n. 3, nov./dez. 1994. p. 13-21

MACHADO, SOLANGE A. Dinâmica de arranjos produtivos locais: um estudo de caso em Santa Gertrudes, a nova capital da cerâmica brasileira. São Paulo: Tese de Doutorado em Engenharia da Produção, FEA, USP, 2003. p.145

MOTTA, R. A Busca da competitividade nas empresas. FGV-RAE, v. 35, n. 3, 1995. p. 12-16

NATÁRIO NETO, J. R. O diamante de Porter em estudo exploratório multicaso no setor pesqueiro exportador de Santos. (Dissertação de mestrado em Gestão de Negócios) Universidade Católica de Santos. Santos, 2006. p.102

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e de concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 1986.

PORTER.On competition. Boston: Harvard Business Review Book, 1998

PORTER. The competitive advantage of nations. New York: Free Press, 1990.

PRAHALAD, C. K.; RAMASWAMY, V. O futuro da competição. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2004.

REDESIST - Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. 4. ed. Rio de Janeiro: UFRJ/Instituto de Economia, 2004.

SANTOS, J. A. et al. Competitividade em arranjos produtivos locais: uma análise do arranjo produtivo local de software da cidade de João Pessoa-PB. UFPR: Ponta Grossa. Revista Gestão Industrial, v. 5, n. 4, 2009. p. 42-58

SEBRAE. Termo de referência para atuação do sistema Sebrae em arranjos produtivos locais. Brasília: Sebrae, 2003.

SEBRAE. Plano de desenvolvimento preliminar. APL de móveis de Votuporanga e região. 2007.

SILVA, G. S. Geração e difusão de conhecimento em sistemas locais de produção. São Paulo: Tese de Doutorado em Engenharia da Produção, FEA, USP, 2006. p.252

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: a trilha além dos números. Conjuntura & Planejamento, Salvador, nº 159, 2008. p. 24-27

VENZKE, C. S. O ecodesign no setor moveleiro do Rio Grande do Sul. REAd, Edição Especial, v. 8, n. 6, 2002. p. 69-84

WOOD,JR. T.; CALDAS, M. Empresas brasileiras e o desafio da competitividade. FGV-RAE, v. 47, n. 3, 2007. p. 66-78

ZACCARELLI, S.B. et al. Clusters e redes de negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.

ZAIRI, M. O verdadeiro significado da competição. HSM Management, Ano 1, n. 3, 1997. p. 86-94.