Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Métodos de Avaliação da Capacidade Física e Qualidade de Vida dos Idosos: Revisão de Literatura

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v12n32p41-48

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/saude/index 

downloadpdf

Ana C. Nunciato1, Barbara C. Pereira2 & Audrey B. Silva3

 

Resumo: O envelhecimento populacional ocorrido nas últimas décadas provocou um aumento do número de doenças crônicas, além da diminuição do desempenho motor dos idosos na realização das suas atividades diárias. Nesse contexto, o estudo da relação entre o envelhecimento e a capacidade funcional e da qualidade de vida assume grande importância. O objetivo desta revisão foi reunir os principais testes utilizados para avaliação da capacidade funcional e qualidade de vida dos idosos, a qual incluiu a análise das principais evidências científicas sobre os métodos empregados nessas avaliações, nas bases de dados SciELO, LILACS e PubMed. A proposta da presente revisão busca obter melhor entendimento da importância dos testes para avaliação funcional e da qualidade de vida da população idosa. Assim, esses métodos tornam-se ferramenta indispensável na determinação de níveis de morbidade e mortalidade.

Palavras-chave: senescência, funcionalidade, qualidade de vida.

 

Abstract: The aging population in last decades increased the prevalence of chronic diseases in addition to decrease motor performance of elderly during the execution of daily life activities (DLA). In this context, the study of relationship between elderly and the functional capacity as well as quality of life assumes great importance. The objective of this review was made to gather the main tests used to assess functional capacity and quality of life, which included the analysis of the main scientific evidences in the databases, SciELO, Lilacs and Medline about the methods applied in these assessment . The proposal of the present review seek to obtain better understanding of the importance of testing for functional assessment and quality of life for the elderly. Thus, these methods become an indispensable tool in determing levels of morbidity and mortality.

Key words: senescence, functionality and quality of life. 

 

1 Universidade Federal de São Carlos - UFSCar E-mail: ananunciato@gmail.com
2 Instituição Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
3 Universidade Federal de São Carlos - UFSCar E-mail: audrey@ufscar.br

 

Literatura Citada

Kalache A. Population aging and health information from the National Household Sample Survey: contemporary demands and challenges. Postscript. Cad. Saúde Pública 2007 out; 23(10): 2503-05.

Idoso no mundo: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/25072002pidoso.shtm. Acesso: julho/2007.

Engelhardt E, Laks J, Rozenthal M, Marinho VM. Idosos institucionalizados: rastreamento cognitivo. Rev. psiquiatr. clín. 1998; 25(2): 74-9.

Matsudo SMM, Matsudo VKR, Araújo TL. Perfil do nível de atividade física e capacidade funcional de mulheres maiores de 50 anos de idade de acordo com a idade cronológica. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2001; 6(1): 12-24.

Rebelatto JR, Morelli JGS. Fisioterapia Geriátrica: a Prática da Assistência ao Idoso. 2ª edição ampliada. São Paulo: Manole, 2007.

Cordeiro RC, Dias RC, Dias JMD, Perracini M, Ramos LR. Concordância entre observadores de um protocolo de avaliação fisioterapêutica em idosas institucionalizadas. Rev de Fisioter 2002 jul/dez; 9(2): 69-77.

Del Duca GF, Silva MC, Hallal PC. Incapacidade funcional para atividades básicas e instrumentais da vida diária em idosos. Rev Saúde Pública 2009; 43(5): 796-805.

Nóbrega AC, Freitas EV, Oliveira MAB, Leitão MB, Lazzoli JK, Nahas RM, et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: Atividade Física e Saúde no Idoso. Rev Bras Med Esporte 1999 nov/dez; 5(6): 207-211.

Tribess S, Virtuoso Jr, JS. Artigo revisão: prescrição de exercícios físicos para idosos. Rev.Saúde Com. 2005; 1(2): 163-172.

Passarelli MCG. O processo de envelhecimento em uma perspectiva geriátrica / The aging process in a Geriatric Perspective 1997 jul/ago; 21(4) 208-12.

Matsudo SM, Matsudo VKR. Neto TLB. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev. Bras. Ciên e Mov 2000 set; 8(4): 21-32.

Williams GN, Higgins MJ, Lewek MD. Aging skeletal muscle: physiologic changes and the effects of training. Phys Ther 2002 jan; 82(1): 62-8.

Chodzko-Zajko WJ, David N, Singh MAF, Minson CT, Nigg CR, Salem GJ, et al. Exercise and physical activity for older adults. Medicine & Science in Sports & Exercise 2009; 41(7): 1510- 1530.

Bassey EJ, Bendall MJ, Pearson M. Muscle strength in the triceps surae and objectively measured customary walking activity in men and women over 65 years of age. Clin Sci 1988 jan; 74(1): 85-9.

Benedetti, T.B., Petroski E.L. Idosos asilados e a prática de atividade física. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano 1999; 1(1): 108 5-16.

Meireles AE, Pereira LMS, Oliveira TG, Christofoletti G, Fonseca AL. Alterações neurológicas fisiológicas ao envelhecimento afetam o sistema mantenedor do equilíbrio dos idosos. Rev Neurocienc 2010; 18(1): 103-108.

Shephard.RJ. Independence: a new reason for recommending regular exercise to your patients. The Physician and SportsMedicine 2009 abr; 37 (1): 115-8. 18. Andreotti RA, Okuma SS. Validação de uma bateria de testes de atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Rev paul Educ Fís 1999 jan/jun; 13(1): 46-66.

Hamilton BB, Laughlin JA, Fiedler RC, Granger CV. Interrater agreement of the seven-level functional independence measure (FIM). Scand J Rehabil Med 1991 sep; 26 (3): 115-9.

Riberto M, Miyazaki MH, Filho DJ, Sakamoto H, Battistella LR. Reprodutibilidade da versão brasileira da medida de independência funcional. Acta Fisiátrica 2001; 8(1): 45-52.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev bras reumatol 1999 mai/jun; 39(3): 143-50.

Paixão Jr. CM, Reichenheim ME. Uma revisão sobre instrumentos de avaliação do estado funcional do idoso. Cad Saúde Pública 2005 jan/fev; 21(1): 7-19.

Miyamoto ST, Junior IL, Berg KO, Ramos LR, Natour J. Brazilian version of the Berg balance scale. Braz J Med Biol Res 2004; 37(9): 1411-21.

Silva A, Almeida GJM, Cassilhas RC, Cohen M, Peccin MS, Tufik S, et al. Equilíbrio, coordenação e agilidade de idosos submetidos à prática de exercícios físicos resistidos. Rev Bras Med Esporte 2008 mar/abr; 14(2): 88-93.

Podsiadlo D, Richardson S. The timed “up & go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am Geriatr Soc 1991 feb; 39(2): 142-8.

Jones CJ, Rikli RE, Beam WC. A 30-s chair-stand test as a measure of lower body strength in community-residing older adults. Res Q Exerc Sport 1999 jun; 70(2): 113-9.

Camara FM, Gerez AG, Miranda MLJ, Velardi M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta Fisiatr 2008; 15(4): 249-256.

Rosa FW, Camelier A, Mayer A, Jardim JR. Avaliação da capacidade de exercício em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica: comparação do teste de caminhada com carga progressiva com o teste de caminhada com acompanhamento. J Bras Pneumol 2006 mar/abr; 32(2): 106-113.

Enright PL. The six-minute walk test. Respiratory Care. 2003 48(8): 783-5.

Pires SR, Oliveira AC, Parreira VF, Britto RR. Teste de caminhada de seis minutos em diferentes faixas etárias e índices de massa corporal. Rev Bras Fisioter 2007 mar/abr; 11(2): 147-151.