Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Complexo de Zé-Ninguém e a Educação em W. Reich

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v22n53p93-107

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/index 

downloadpdf

Luzia B. O. Silva1

 

Resumo: O artigo objetiva discutir e caracterizar, na obra de W. Reich Escute, Zé-Ninguém! O complexo de zé-ninguém, o homem médio e comum, que simboliza o curioso vulgar, o delator, o perseguidor, o homem torpe que recusa amor, conhecimento e autoconhecimento como forma de libertação de sua condição medíocre. O zé-ninguém revela empobrecimento intelectual e humano, é o ardiloso que se faz de ingênuo e defensor do povo, mas nunca arrisca a própria pele nem seus bens materiais ou espirituais pelo povo. Somente defende ideias que lhe parecem trazer retornos; é um sujeito frio, calculista, preconceituoso. Acredita, no entanto, que o Estado e a Lei podem lhe cobrir a máscara de covardia. O zé-ninguém pode ser o delator de todos os casos e histórias sociais, políticas, médicas, humanas, pode ser o embusteiro, o interesseiro, o hipócrita, o falso moralista, o político demagogo, o corrupto e o invejoso incorrigível. Para Reich, a falta de amor, trabalho e conhecimento revelam a má formação do zé-ninguém, a limitação de sua consciência, sua impraticabilidade ética e outras características.

Palavras-chave: educação; homem médio; zé-ninguém.

 

Abstract: This article aims at discussing and characterizing the little man (the John Doe) syndrome in the work of W. Reich Listen, Little Man! This is the common and ordinary man, the vulgar and curious guy, the informer, the persecutor, the base manwho refuses love, knowledge and self-knowledge as a means to find liberation from his mediocre condition. The little man reveals his human and intellectual impoverishment. He is the cunning guy that presents himself as naïve and a defender of people, but never risks his own skin nor his material or spiritual goods for the people. He only defends ideas that will seemly bring him profits. He is a cold, premeditator and prejudiced person. Nevertheless, he believes that the State and the Law may disguise his mask as a coward. John Doe can be the informer of all social, political, medical and human gossips and stories. He can be the trickster, the selfish, the hypocrite, the false moralist, the demagogue politician, the corrupt and the incorrigible envious guy. For Reich, John Doe’s lack of love, work and knowledge reveals his poor education, the limitation of his consciousness and ethical behavior and other characteristics.

Key words: syndrome; education; average man; little man.

 

1 Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) lubaos@gmail.com 

 

Literatura Citada

ALBERTINI, P. Reich: história das ideias e formulações para a educação. São Paulo: Ágora, 1994.

ADORNO, T. W. Prismas: crítica cultural e sociedade. Tradução de Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Ática, 1998.

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

ADORNO, T. W. Introdução à sociologia. Tradução de Wolfgang Leo Maar. São Paulo: UNES, 2008.

ADORNO, T. W. Mínima morália. Tradução de Gabriel Cohn. São Paulo: Ática, 1993.

ADORNO, T. W. palavras e sinais: modelos críticos 2. Tradução de Maria Helena Ruschel. Petrópolis: Vozes, 1995.

BACHELARD, G. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BENJAMIN W. Rua de mão única: obras escolhidas II. Tradução de R.R. Torres F. e J.C.M. Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 2000.

BENJAMIN W. Magia e técnica, arte e política. Tradução de S. P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BIQUINI CAVADÃO. Zé Ninguém (letra de música). Disponível em: <http://letras.terra.com.br/biquini-cavadao/44611/>. Acesso em: 10 nov. 2008.

BOBBIO, N. O cidadão não educado. In_____. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. 6. ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1986.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

CAPRA, F. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. 7 ed. São Paulo: Cultrix, 1988.

DAMÁSIO, A. R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Tradução de Dora Vicente, Georgina Segurado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Tradução Paulo César Lima de Souza. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

HORKHEIMER, M. ADORNO, T.W. Dialética do esclarecimento. Tradução de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

HORKHEIMER, M. ADORNO, T.W. Temas básicos de sociologia. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Editora Cultrix, 1973.

HORKHEIMER, M. ADORNO, T.W. ADORNO, T. W.; MARCUSE H. Cultura e sociedade. Tradução de Carlos Grifo. Lisboa: Editorial Presença, 1970.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Trad. Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Unimep, 2002.

LAJONQUIÈRE, L. (1999). Infância e ilusão (psico) pedagógica: escritos de psicanálise e educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

LASTÓRIA, L. A.; CALMON, N. Teórica crítica, ética e educação. Piracicaba/ Campinas: Editora UNIMEP / Editora Autores Associados, 2001.

LUCKESI, C. C. Educação, ludicidade e prevenção das neuroses futuras: uma proposta pedagógica a partir da biossíntese. In: _____. (Org.). Ludopedagogia - ensaios 1: Educação e Ludicidade. Salvador: Gepel, 2000. v. 1, p. 9-41.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Tradução de Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

MARCUSE, H. Eros e civilização. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.

MARCUSE, H. Industrialização e capitalismo na obra de Max Weber. In: _____. Cultura e sociedade. Traduçãode Wolfgang Leo Maar, Isabel Maria Loureiro, Robespierre de Oliveira. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1998. v. 2.

MATURANA, H. et al. (Org.). A ontologia da realidade. Tradução de Humberto Mariotti e Lia Diskin. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1997.

NIETZSCHE, F. Escritos sobre educação. Tradução de Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

PUCCI, B. (Org.). Teoria crítica e educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis/São Carlos: VOZES/Editora da UFSCar, 1995.

PUCCI, B.; COSTA, B. C. G. da; LASTÓRIA, L. A. C. N. (Orgs.). Teoria crítica, ética e educação. Campinas/ Piracicaba: Autores Associados/Editora da UNIMEP/FAPESP, 2001.

REICH, Wilhelm. Crianças do futuro. Tradução de Eleusa Maria Passos Tenório. Rio de Janeiro:
CIO Wilhelm Reich, [199-].

REICH, Wilhelm. A revolução sexual. Tradução de Ary Blaustein. Rio de Janeiro: Zahar, 1976

REICH, Wilhelm. Análise do caráter. Tradução de Maria Lizette Branco e Maria Manuela Pecegueiro. SãoPaulo: Martins Fontes, 1979.

REICH, Wilhelm. O combate sexual da juventude. Tradução A. Fontes. 2 ed. Lisboa: Antídoto, 1978.

REICH, Wilhelm. O assassinato de Cristo. Tradução de Carlos Ralph Lemos Viana, Cid Knipel Moreira. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

REICH, Wilhelm. Materialismo dialético e psicanálise. Tradução de Joaquim José Moura Ramos Lisboa: Presença, 1983

REICH, Wilhelm. A função do orgasmo. Tradução de Maria da Glória Novak. São Paulo: Brasiliense, 1984.

REICH, Wilhelm. O combate sexual da juventude. Tradução A. Fontes. São Paulo: Epopeia, 1986.

REICH, Wilhelm. Psicologia de massas do fascismo. Tradução de Maria da Graça Monteiro Macedo. São Paulo: Martins Fontes, 1988a

REICH, Wilhelm. As origens da moral sexual. Tradução de Ary Blaustein. Lisboa: Dom Quixote, 1988b.

REICH, Wilhelm. Análise do caráter. São Paulo: Martins Fontes: 2001.

REICH, Wilhelm. O éter, Deus e o diabo: a superposição cósmica. Tradução de Maya Hantower. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

REICH, Wilhelm. Escute, Zé-Ninguém! Tradução de Maria de Fátima Bivar. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

REICH, Wilhelm. Os jardins de infância na Rússia Soviética. In: CONSELHO CENTRAL DOS JARDINS DE INFÂNCIA

DE BERLIM. Schmidt, Vera, Reich William, Elementos para uma pedagogia anti-autoritária. Tradução de J. C. Dias, Antonio Sousa, Antonio Ribeiro, Maria C. Torres. Porto: Escorpião, 1975. P. 39-52 [19--]

TIBURI, M. Adorno e a impossibilidade da ética. In: LASTÓRIA, L. A.; CALMON, N. Teórica crítica, ética e educação. Piracicaba / Campinas: Editora UNIMEP / Editora Autores Associados, 2001.