Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Licenciatura x Bacharelado: O Currículo da Educação Física como uma Arena de Luta

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v21n51p97-108

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/index 

downloadpdf

Cláudio L. Mendes1 & Paola L. G. Prudente2

 

Resumo: Como os cursos de Educação Física interpretam as Diretrizes Curriculares Nacionais? Quais práticas discursivas dão base para a elaboração dos currículos dos cursos de licenciatura e bacharelado? Essas são as duas perguntas que orientaram a problematização deste trabalho, e com base nelas foram investigadas cinco instituições privadas na região Centro-Oeste de Minas Gerais que oferecem o referido curso. Levamos em conta que todo currículo deve ser analisado como um espaço perpassado por relações de poder. Além disso, discutimos como as interpretações das Diretrizes são pautadas por relações de poder que dão forma aos currículos, forma adquirida em uma arena social de luta. Para a coleta de dados, utilizamos de pesquisa bibliográfica e entrevistas semiestruturadas e, para problematizar as Diretrizes, trabalhamos com análise documental. Analiticamente falando, na medida em que pesquisamos os históricos das reformas nos cursos de Educação Física, percebemos certa ênfase na estabilidade e na harmonia, não exatamente na mudança. As instituições pesquisadas optaram por manter uma estrutura curricular mais abrangente, sem se definirem claramente por uma das diplomações possíveis: licenciatura e bacharelado (em primeiro momento) e licenciatura e graduação (em segundo momento), não fazendo, assim, alterações e mudanças consideráveis em seus currículos.

Palavras-chave: bacharelado; currículo; educação física; licenciatura.

 

Abstract: How do the Physical Education courses interpret the National Curriculum Guidelines? What discursive practices underlie the curricula development for the bachelor and associated degrees? These are the two questions that guided this work, and based on them five private institutions in the Midwest region of Minas Gerais were investigated. We take into account that the whole curriculum should be seen as a space permeated by power relations. In addition, we discuss how the Guidelines’s interpretations are underpinned by power relations that shape the curriculum, as acquired in a social arena of struggle. The data collection was performed through literature review and semi-structured interviews and, to discuss the Guidelines, we worked with document analysis. Analytically speaking, while researching the history of educational reforms in Physical Education courses, we noticed a certain emphasis on stability and harmony, not exactly in change. The surveyed institutions have chosen to maintain a more comprehensive curriculum structure, without clearly choosing one of the possible degrees, thus not making considerable changes in their curricula.

Key wordsbachelor’s degree; curriculum; Physical E ducation; Associated degree.

 

1 Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) claudio.ufop@yahoo.com.br
2 Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) paolag@ymail.com 

 

Literatura Citada

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.

BORGES, C. M. F. Formação e prática pedagógica do professor de educação física: a construção do saber docente. Belo Horizonte, p. 187, 1995. Dissertação (Mestrado Educação) – Faculdade de Educação/UFMG, 1995.

BORGES, C. M. F. Formação e prática pedagógica: a construção do saber docente. In: Anais da ANPED, XIX Reunião Anual, Caxambú-MG, set./1996, p. 1-16.

BRUGNEROTTO, F.; SIMÕES, R. Caracterização dos currículos de formação profissional em Educação Física: um enfoque sobre saúde. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 37-49, 2009.

CAMPENHOUDT, R. Q. L. V. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1998.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CONFEF -CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. O papel do profissional de educação física. Revista E. F., Rio de Janeiro, n. 34, p. 12-19, dez./2009.

FARIA JR., A. G. de. Professor de educação física, licenciado ou generalista. In: MARINHO, V. M. de. (Org.). Fundamentos pedagógicos: educação física 2. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1987, p. 38-57.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1997.

FOUCAULT, M. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GONÇALVES JUNIOR, L.; RAMOS, G. N. S.; MACHADO, D. F. V. Formação profissional em educaçãofísica no Brasil: o velho problema do currículo e o caso da UFSCar. In: Anais do VI Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores: Formação de Educadores - Desafios e Perspectivas para o Século XXI, 2001, Águas de Lindóia, 2001, p. 1-10.

LÜDORF, S. M. A. Corpo e formação de professores de educação física. Interface, Botucatu, v.13,n.28, p. 99-110, jan./mar. 2009.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACEDO, E.; ARAÚJO, F. M. B. Notas para uma agenda de pesquisa sobre as arenas burocráticas nas políticas curriculares. Currículo sem Fronteiras, online, v. 9, n. 2, pp. 51-67, jul./dez. 2009.

MENDES, C. L. A reforma curricular do curso de educação física da UFMG: relações de poder,atores e seus discursos. Belo Horizonte, p. 146, 1999. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação/UFMG, 1999.

MENDES, C. L. O campo do currículo e a produção curricular na educação física nos anos 90. Arquivos em movimento. Rio de janeiro, v. 1, n. 2, p. 39-48, jul./dez. 2005.

MENDES, C. L. Educare UFOP. In: BUARQUE, Virgínia A. C. (Org.). Histórias na cabeça e câmera na mão: uma experiência de ensino através das identidades locais. Ouro Preto: Editora UFOP, 2010, p. 21-32.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

POPKEWITZ, T. S. Reforma educacional: uma política sociológica – poder e conhecimento emeducação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

POPKEWITZ, T. S.; PEREYRA, M. A. Práticas de reforma na formação de professores em oito países: esboço de uma problemática. In: NÓVOA, A.; POPKEWITZ, T. S. (Org.). Reformas Educativas e Formação de Professores. Lisboa: Educa, 1992, p. 67-102.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, T. T. O Currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo horizonte: Autêntica, 2001.

SOUSA, Eustáquia S. et ali. O curso de graduação em educação física: avaliando a formação/ação profissional na UFMG. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, 1995. (Mimeo.).

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.