Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Violência Simbólica em Escolas de Fronteira: Em Questão as Diferenças Étnico-Culturais

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v14n23-24p45-56

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Jacira H. V. Pereira1

 

Resumo: O estudo apresenta algumas reflexões sobre as relações que ocorrem entre crianças e adolescentes em escolas de fronteira internacional, isto é, nos relacionamentos entre diferentes grupos culturais, quando opera um arbitrário cultural que coloca o ser e o estar brasileiros como superior às demais culturas presentes na escola. Enfim, busca-se problematizar as formas de violência simbólica presentes em escolas de fronteira, que repercutem na coletividade.

Palavras-chave: Fronteira – diversidade cultura – violência simbólica.

 

Abstract: This study brings some reflections on the relations that occur among children and teenagers in international border schools, that is, in relationships between different cultural groups when a cultural arbitrary is in action, identifying Brazilians as superior to other cultural groups found within the school. Finally, we seek to discuss the forms of symbolic violence found in border schools that impact the community.

Key words: Border – cultural diversity – symbolic violence.

 

1 Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Migração e Memória (GEPEMM/UFMS) e Centro de Análise e Difusão do Espaço Fronteiriço (CADEF/UFMS).

 

Literatura Citada

ANACHE, A. A. Em questão: o apelido. Recriação, Campo Grande, v. 2, n. 1, p. 29-36, 1997.

BORDIEU, P. O poder simbólico. São Paulo: Perspectiva, 1997.

BORDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. 7. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

CANDAU, V. M. Sociedade multicultural e educação: tensões e desafios. In: CANDAU, V. M. (Org.). Cultura(s) e educação: entre o crítico e o pós-crítico. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 13-35.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. 2. ed. São Paulo: Verus, 2005.

FORQUIN, J.-C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

MELLO, S. L. A identidade uma tentativa de aproximação. In: I ENCONTRO INTERDISCIPLINAR SOBRE IDENTIDADE, 1. 1983, São Paulo. Anais… Boletim do Grupo de Pesquisa sobre Identidade Social, 1983.

OLIVEIRA, R. C. de. Os (des) caminhos da identidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 42, p. 7-21, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092000000100001

PEREIRA, J. H. V. Escolas de fronteira: espaços de trocas, diálogos e aproximações. In: OSÓRIO, A. C. N.; PEREIRA, J. H. V.; OLIVEIRA, T. C. M. (Org.). América Platina: textos escolhidos. Campo Grande: UFMS, 2007. v. II.

SANTOMÉ; Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no Currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Alienígenas na sala de aula. Um a introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SANTOMÉ, J. T. O curriculum oculto. Porto: Porto, 2001.

THOMSON, O. A assustadora história da maldade. São Paulo: Ediouro, 2002.

VALENTE, A. L. E. F. Educação e diversidade cultural: um desafio da atualidade. São Paulo: Moderna. 1999. (Coleção Paradoxos).