Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Representações Míticas Guarani Mbya: A Palavra como Fundamento da Educação

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v14n23-24p120-145

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Marivaldo A. Carvalho1 & Marília G. G. Godoy2

 

Resumo: O texto tem como objetivo discutir as representações míticas da cultura guarani mbya como referenciais de uma educação tradicional. Refere-se aos contextos míticos como instrumentos para ordenar o conhecimento e a aprendizagem dos indígenas no universo simbólico tradicional. O tempo cíclico, característico da cultura mítica, exprime acontecimentos e rituais que mantêm os sujeitos coesos e comprometidos com a vida social em suas várias dimensões de compreensão.

Palavras-chave: Guarani mbya – educação tradicional – mito – palavras míticas – aprendizagens míticas.

 

Abstract: The aim of this text is to discuss the mythical representations of the guarani mbya culture as the references of a traditional education. It refers to the mythical contexts as tools to ordain the Indians’ knowledge and learning in the traditional symbolic universe. The cyclical time, which characterizes the mythical culture, expresses events and rituals that hold the subjects together and committed to the social life in its several dimensions of understanding.

Key words: Guarani mbya – traditional education – myth – mythical words – mythical apprenticeship.

 

1 Sociólogo Uneps-Araraquara/SP, docente da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde/Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).
2 Mestre em Antropologia Social (USP), doutora em Psicologia Social (PUC-SP), professora do Mestrado em Educação, Administração e Comunicação da Universidade São Marcos.

 

Literatura Citada

BERGAMASCHI, M. A. Por que querem e por que não querem escola os guarani? Tellus, Campo Grande, UCDB, ano 4, n. 7, p. 107-120, 2004.

BORGES, L. C. Os Guarani. Mbyá e a categoria de tempo. Tellus, ano 2, n. 2, p. 105-122, abr. 2002.

CADOGAN, L. Ayvu Rapita. Textos míticos de los Mbyá-Guarani del Guaíra. São Paulo: USP/FFLCH. 1959. Boletim 227. (Antropologia, 5).

CARVALHO, M. A. Passos que não deixam marcas na terra; os m’byá guarani e a imprescindível leveza do ser. 2001. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

CARVALHO, M. Introdução à práxis indígena: “gente humana” ou “gente natureza”. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.

CARVALHO, S. M. S. Jurupari: estudos de mitologia brasileira. São Paulo: Ática, 1978.

CARVALHO, S. M. S. Quando o tempo se torna linear. Perspectiva, São Paulo, v. 9/10, 1986/87.

CARVALHO, S. M. S. A cólera divina e o castigo da humanidade. In: LÊVÉQUE, P. et al. A cólera e o sagrado: pesquisas franco-brasileiras. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

CASSIRER, E. Linguagem e mito. São Paulo: Perspectiva, 1972.

CHAMORRO, G. A espiritualidade Guarani: uma teologia ameríndia da palavra. São Leopoldo: Sinodal, 1998.

CLASTRES, H. Terra-sem-mal: o profetismo tupi-guarani. São Paulo: Brasiliense, 1978.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado: pesquisa de antropologia política. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

DESCOLA, F. La nature domestique: symbolisme et praxis dans l’écologie des Achuar. Paris: Maison des Sciences de l’Homme, 1986.

DESCOLA, F. Estrutura ou sentimento: A relação com o animal na Amazônia. Mana, Rio Janeiro, v. 4, n. 1, 1998.

DESCOLA, F. Ecologia e cosmologia. In: CASTRO, E.; PINTON, F. Faces do trópico úmido. Belém: Cejup, 1997.

DIAS DA SILVA, R. L. O Estado brasileiro e a educação indígena: um olhar sobre o plano nacional de educação. Revista Eletrônica Tipiti, out. 2003.

ELIADE, M. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 2004.

FERNANDES, F. Aspectos da educação na sociedade Tupinambá. In: SCHADEN, E. (Org.). Leituras de etnologia brasileira. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1976. p. 63-86.

FREIRE, J. R. B. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. In: Educação escolar indígena em Terra Brasilis: tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, 2004.

GODOY, M. G. G. O misticismo guarani mbya na era do sofrimento da imperfeição. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

GODOY, M. G. G.; MARCONDES, M. A. Opa Mba’ete: a realidade de todas as coisas. Uma visão cósmica da natureza entre os guaranis mbya. In: CANTON, K. (Org.). Poéticas da Natureza. São Paulo: PGEHA/Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, 2009. p. 217-222.

GODOY, M. G. G.; ALMEIDA, M. C. B.; GUAZZI, S. E. A cerimônia da erva-mate entre os guaranis mbya das aldeias de São Paulo: tempo e renovação. In: América, Américas, arte e memória. São Paulo: MAC/USP, 2007. p. 435-440.

GOW, P. Of mixed blood: kinship and history in Peruvian Amazonia. New York: Oxford University Press, 1991.

GRUPIONI, L. D. B. Um território ainda a conquistar. In: Educação escolar indígena em Terra Brasilis: tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, 2004.

HOWELL, S. Nature in culture or culture in nature? Chewong ideas of “humans” and other species. In: DESCOLA, P. H.; PALSSON, G. (Orgs.). Nature and society: anthropological perspectives. London: Routledge, 1996. p. 127-144.

LADEIRA, M. I. O caminhar sob a luz: o território mbya à beira do oceano. 1992. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

LADEIRA, M. I. O espaço geográfico guarani-mbya: significado, constituição e uso. 2001. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

LADEIRA, M. I.; WERÁ TUPÃ, L. Condições ambientais do território guarani: implicações no modo de vida. Tellus, Campo Grande, UCDB, ano 4, n. 6. p. 51-63, abr. 2004.

LARAIA, R. B. Tupi: índios do Brasil atual. São Paulo: FFLCH/USP, 1986. (Série Antropologia, n. 11).

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. (Mitológicas, v. 1).

LITAIFF, A. Os filhos do Sol: mitos e práticas dos índios mbya-guarani do litoral brasileiro. Tellus, Campo Grande, UCDB, ano 4, n. 6. p. 15-30, 2004.

LOPES, A. L. S. Uma antropologia da educação no Brasil a partir da escolarização indígena. In: LOPES, A. S.; LEAL FERREIRA, M. K. (Orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.

MELIÀ, B. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

MELIÀ, B. A experiência religiosa guarani. In: MARZAL, M. M. et al. O rosto índio de Deus. São Paulo: Vozes, 1989. p. 293-357.

MELIÀ, B. A terra-sem-mal dos guarani. Economia e profecia. Revista de Antropologia, São Paulo, p. 33-46. 1990.

MELIÀ, B. Mito y educación. Estudos Leopoldinenses, Série Educação, v. L, n. l, p. 27-34, 1997.

MELIÀ, B. Bilinguismo e escrita. In: D’ANGELIS, W.; VEIGA, J. (Orgs.). Leitura e escrita em escolas indígenas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1997.

MELIÀ, B. El pueblo guaraní: unidad y fragmentos. Tellus, Campo Grande, UCDB, ano 4, n. 6, p. 151-162, 2004.

NIMUENDAJU, C. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos apapocúva-guarani. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1987.

SCHADEN, E. Educação indígena. Problemas brasileiros, São Paulo, ano XIV, n. 152, 1976.

SCHADEN, E. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1962.

TASSINARI, A. M. I. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In: LOPES, A. S. & LEAL FERREIRA, M. K. (Orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Proposta para um II Encontro Tupi. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 27-28, p. 403-407, 1984-85,

VIVEIROS DE CASTRO, E. Nimuendaju e os guarani. In: NIMUENDAJU, C. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos apapocúva-guarani. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1987. p. XVII-XXXVIII.

VIVEIROS DE CASTRO, E. O nativo relativo. Maná, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 113-148, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.