crosscheckdeposited

Hipervisualização e Territorialização: Questões da Cultura Visual

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v13n22p19-31

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Raimundo Martins1

 

Resumo: Tomando como referência a ‘virada imagética’ e seus desdobramentos, este texto tem como foco uma discussão sobre arte e imagem como processos culturais destacando os conceitos de ‘hipervisualização’ e ‘territorialização visual’. Ressalta, também, o modo como a experiência visual envolve e influencia os indivíduos facilitando links com seus repertórios imagéticos e podendo ganhar força como expressão subjetiva e simbólica. Analisa vínculos entre cultura visual e educação examinando os conceitos de interpretação, poder, crítica e agência e suas inter-relações como princípios que fundamentam a educação da cultura visual.

Palavras-chavearte; imagem; cultura; educação

 

Abstract: Taking the ‘pictorial turn’ and its consequences as reference, this text focus on a discussion about art and image as cultural processes, emphasizing the concepts of ‘hyper visualization’ and ‘visual territorialization’. It also underlines the way visual experience involves and influences individuals creating links with their images repertoire and gaining force as symbolic and subjective expression. It analyses links between visual culture and education examining the concepts of interpretation, power, critic and agency and its interrelations as principles that support visual culture education.

Key words: art; image; culture; education

 

1 É Doutor em Educação/Artes pela Universidade de Southern Illinois (EUA), pósdoutor pela Universidade de Londres (Inglaterra) e pela Universidade de Barcelona (Espanha), onde também foi professor visitante. É Professor Titular e Diretor da Faculdade de Artes Visuais, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual – Mestrado/Doutorado, da Universidade Federal de Goiás.

 

Literatura Citada

BREA, J. L. Los Estudios Visuales: Por Una Epistemología Política de la Visualidad. In: __________ (Ed.), Estudios Visuales – La epistemología de la visualidad en la era de la globalización. Madrid: Ediciones AKAL, 2005, p. 5-14.

DARRAS, B. Os valores da Antiguidade Occidental são responsáveis pela crise que afeta a educação artística e o ensino de arte? Palíndromo – Ensino de Arte. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UDESC. Março – junho 2009 / no 1, p. 9 – 29.

DIAS, Belidson. O I/Mundo da Educação em Cultura Visual. Brasilia: Programa de Pós-Graduação em Arte da UNB, 2011.

EFLAND, A. Educación artística y cognición. Barcelona: Octaedro, 2004.

FREEDMAN, K. Enseñar la Cultura Visual – Curriculum, estética y la vida social del arte. Barcelona:Octaedro, 2006.

JAMESON, F. As Sementes do Tempo. São Paulo: Ática, 1997.

KEHL, M. R. O Espetáculo como Meio de Subjetivação. In: BUCCI, EUGENIO e KEHL, MARIA RITA, Videologias. São Paulo: Boitempo, 2005, p. 42-62.

PINEDA, Dailza. Operação Ensaio: Por uma estética da resistência. Revista Transformações em Psicologia - Instituto de Psicologia da USP, julho 2009, p. 1-7. In: http://www.ip.usp.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1922:v3n1a04-operacao-ensaio-por-uma-estetica-daresistencia&catid=340:revista-transformacoes&Itemid=91 . Acesso em: 27 fev. 2011.

SAVAN, L. The Sponsored Life, Ads, TV, and American Culture. Temple: Temple University Press, 1994.

SENNETT, R. A corrosão do caráter. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SHOHAT, Ella e STAM, R. Crítica da Imagem Eurocêntrica. São Paulo: Cosacnaify, 2006.

SOUZA, Elizeu C. O conhecimento de si – Estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A/UNEB, 2006.

TAVIN, K. Opening re-marks. Critical antecedents of visual culture in art education. Studies in Art Education, n. 47 (I), 2005, p. 5-22.

TOMM, Karl. Narrative Therapy. London: Sage, 1993.