Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Paulo Freire e a Imagem

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v13n22p77-97

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

José E. Romão1

 

Resumo: O texto inicia-se apresentando uma ontogênese da imagem, tomando como referência o trabalho de Régis Debray, Vida e morte da imagem. Parte das pinturas rupestres, passa pelos pintores da modernidade, chega à fotografia e ao cinema contemporâneo sem deixar de abordar aspectos da imagem relativamente ao universo religioso. A seguir, ainda com base em Debray, apresenta a relação entre as formações sociais e as imagens a partir das três grandes eras definidas por este autor: a logosfera, a grafosfera e a videosfera. Faz, então, uma exploração do termo imagem em obras fundamentais de Paulo Freire para concluir que se percebe, no conjunto da obra deste autor, uma profunda convicção da superioridade da forma de conhecer dos(as) oprimidos(as) por causa da incorporação da razão figurativa, ou seja, daquela forma de apreensão do mundo que, para ser crítica, tem de incorporar racionalidade e sensibilidade. Conclui afirmando que em um mundo dominado pelas imagens, é importante a promoção de pesquisas sobre a imagem, para que a educação contemporânea se desenvolva enquanto instrumento de conscientização e de libertação e que simplesmente rejeitar a imagem, porque ela é manipulada pelos grupos hegemônicos, é abandonar os instrumentos e mecanismos da leitura crítica do mundo.

Palavras-chaveImagem; Régis Debray; Paulo Freire, Razão figurativa; Oprimidos(as)

 

Abstract: The text begins by presenting an ontogeny of image, taking as reference Regis Debray’s work: Life and death of image. It starts with cave paintings, moving on to modern time painters and reaching photography and contemporary cinema while addressing aspects of image for the religious universe. Still based in Debray, it then shows the relation between social formations and images from the three major eras defined by the author: logosphere, graphosphere and videosphere. It goes on to explore the term “image” in major works of Paulo Freire and concludes that in the author’s work one may see a deep conviction of the superiority of the oppressed’s way of knowing due to the incorporation of the figurative reasoning, that is, that way of apprehending the world that, in order to be critical, must incorporate rationality and sensitivity. It concludes by affirming that in a world dominated by images, it is important to promote researches on image, so that contemporary education is developed as an instrument of awareness and liberation, and that the simple rejection of the image because it is manipulated by hegemonic groups is to abandon the instruments and mechanisms of the critical reading of the world.

Key words: Image; Régis Debray; Paulo Freire; Figurative reason; The oppressed

 

1 Diretor do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da Universidade Nove de Julho (Uninove), de São Paulo; Diretor Fundador do Instituto Paulo Freire.

 

Literatura Citada

ACEVEDO, Juan. Como fazer histórias em quadrinhos. Tradução Sílvio Neves Ferreira, São Paulo: Global, 1990.

BAZIN, André. Qu’est-ce que c’est le Cinéma? Paris: du Cerf, 1958, v. 1.

DEBRAY, Régis. Vie et mort de l´image: une histoire du regard en Occident. Paris: Gallimard, 1992.

FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. Tradução Mary Amazonas Leite de Barros, São Paulo: Perspectiva, 1973.

HAUSSEN, Doris Fagundes (org.). Mídia, imagem e cultura. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000 (Coleção Comunicação, 8).

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. 13. ed. Tradução Marina Appenzeller, Campinas: Papirus, 1996 (Coleção Ofício de Arte e Forma).

RAMA, Angela; VERGUEIRO, Waldomiro (org.). Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. 3. ed. 3. reimp. São Paulo: Contexto, 2009 (Coleção Como Usar na Sala de Aula).

RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2009 (Coleção Linguagem e Ensino).

VERGUEIRO, Waldomiro; RAMOS, Paulo (org.). Quadrinhos na educação: da rejeição à prática. São Paulo: Contexto, 2009.