Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Impacto dos Estudos de Gênero sobre a Construção do Pensamento Social1

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v13n21p189-207

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Márcia O. V. Ferreira2

 

Resumo: O artigo discute as transformações sofridas pela ciência a partir da utilização do gênero como categoria de análise. Para tanto, primeiramente fala-se sobre as origens das investigações sobre gênero; em segundo lugar, indicam-se duas das formas pelas quais o gênero pode invocar uma reflexão sobre as ciências: a produção de conhecimentos gendrada (ou generificada); e a categoria gênero no âmbito específico do pensamento social, com especial atenção às contribuições de Joan Scott. No caso do pensamento social, exemplifica-se a importância do gênero para a análise de fenômenos com estudos sobre trabalho e trabalho docente. Por fim, alerta-se para limitações no uso do conceito de gênero, dentre as quais o próprio questionamento do sujeito do feminismo a partir das teorias e dos movimentos da diferença.

Palavras-chave: relações de gênero; trabalho docente, ciências humanas; epistemologia feminista

 

Abstract: The present paper aims at discussing the transformations suffered by the science due to the usage of gender as an analysis category. In order to do so, it firstly focuses on gender investigation origins; secondly, two forms by which the gender may invoke a reflection on sciences are indicated: the “gendered” knowledge production; and the gender category in the social thought specific setting, with special attention to the contributions by Joan Scott. Concerning social thought, it is exemplified the importance of gender for the analysis of phenomena with studies concerning work and teachers’ work. Finally, it calls attention for the limitations in the usage of gender concept, among which the feminism subject’s own questioning based on theories and the difference movements.

Key words: gender; teachers’ work, human sciences; feminist epistemology

 

1 Uma primeira versão desse texto foi apresentada oralmente no V Ciclo de Estudos Educação e Filosofia: tem jogo nesse campo? (22/24 set. 2009, UFPel/IFSUL, Pelotas). Agradeço ao CNPq pelo financiamento desse estudo.
2 Doutora em Sociologia, professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação/UFPel. Pesquisa e orienta nas temáticas “relações de gênero” e “trabalho docente”.

 

Literatura Citada

AGUIAR, Neuma. Gênero e ciências humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1997.

ALMEIDA, Jane S. de. Gênero e educação: algumas possibilidades investigativas. Cenários, Araraquara, n. 1, p. 35-58, 1999.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980. 2v.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BOURDIEU, Pierre. Compreender. In: (coord.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes,1997. p. 693-732. BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, jan./jun. 2006. BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 64, p. 4-13, fev. 1988.

BRUSCHINI, Cristina; PINTO, Céli R. Introdução. In: (org.) Tempos e lugares de gênero. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/Editora 34, 2001. p. 7-13.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FERREIRA, Márcia Ondina Vieira. Desconforto e invisibilidade: representações sobre relações de gênero entre sindicalistas docentes. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 47, p. 15-40, jun. 2008.

FERREIRA, Márcia Ondina Vieira. Mulheres e homens em sindicato docente: um estudo de caso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 391-410, 2004.

FEYERABEND, Paul K. Contra el método: esquema de una teoría anarquista del conocimiento. 2. ed. Barcelona: Orbis, [1974?].

HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, Campinas, n. 22, p. 201-246, jan./jun. 2004.

LENGERMANN, Patrícia; NIEBRUGGE-BRANTLEY, Jill. Teoría feminista contemporanea. In: RITZER, George. Teoría sociológica contemporânea. México: McGrawn-Hill, 2000. p. 353-409.

LOPES, Maria Margaret. Gênero e história das ciências: iniciando uma reflexão no Brasil. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (orgs.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007. p. 339-354.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. 2. ed. Petrópolis: Vozes/CNTE, 1998.

LÖWY, Ilana. A ciência como trabalho: as contribuições de uma história das ciências feminista. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (orgs.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007. p. 315-338.

PARKER, Richard. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In: LOURO, Guacira (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 125-150.

REVERTER BAÑÓN, Sonia. La perspectiva de género en la filosofía. Feminismo/s, Alicante, n. 1, p. 33-50, jun. 2003.

ROSEMBERG, Fúlvia; AMADO, Tina. Mulheres na escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 80, p. 62-74, fev. 1992.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez. 1990.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2005000100002

SENNETT, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SOUZA-LOBO, Elisabeth. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1991.

STEPAN, Nancy Leys. Raça e gênero: o papel da analogia na ciência. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 72-96.

TAVARES, Isabel. A participação feminina na pesquisa: presença das mulheres nas áreas do conhecimento. In: RISTOFF, Dilvo et alii. Simpósio Gênero e Indicadores da Educação Superior Brasileira. Brasília: INEP, 2008. p. 31-62.

VIANNA, Claudia. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17/18, p. 81-103, 2001/02.