Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Ensino Superior a Distância no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v12n19p17-35

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

José M. Moran1

 

Resumo: Somente depois da LDB de 1996 o Brasil implantou efetivamente cursos superiores a distância. Passamos de uma fase mais experimental – aprendendo e testando alguns modelos diferentes – à fase atual de consolidação e de maior regulação por parte do Ministério da Educação. Os modelos predominantessão os de teleaula, videoaula e WEB, com maior ou menor apoio local. Temos instituições particulares e públicas atuando na graduação e pós-graduação. As públicas se articulam na Universidade Aberta do Brasil (UAB) – uma articulação entre universidades estaduais, federais e institutos federais de educação, ciência e tecnologia (Ifets), com centenas de cursos superiores a distância de licenciatura, bacharelado, tecnológicos, especialização e extensão. A legislação atual no Brasil privilegia o modelo semipresencial, com acompanhamento dos alunos perto de onde moram (em polos) e mostra desconfiança pelo modelo de acompanhamento on-line, principalmente em cursos de graduação. A educação a distância está se transformando de uma modalidade complementar ou especial para situações específicas em referência importante para uma mudança profunda do ensino superior como um todo. O ensino superior utilizará cada vez mais metodologias semipresenciais, flexibilizando a necessidade de presença física, reorganizando os espaços e tempos de ensino e aprendizagem.

Palavras-chave: Educação a distância – Ensino superior – Modelos EAD – UAB

 

Abstract: Brazil has effectively implemented distance learning courses only after the promulgation of the Directives and Bases for National Education Law (LDB) of 1996. We moved from a more experimental phase – learning and testing some different models – to the present phase of consolidation and greater regulation by the Ministry of Education. The predominant models are teleclasses, video classes and WEB, with a greater or lesser local support. There are private and public institutions acting in undergraduate and postgraduate programs. The public ones articulate themselves in the UAB (Open University of Brazil) – an articulation among state and federal universities, federal institutes of education, science, and technology (Ifets), with hundreds of distance learning programs in major, bachelor, technical, specialization or extension courses. The present laws in Brazil privilege the semi-presence courses, with the students studying near their homes (in poles) and shows some distrust of the on-line model, mainly in the undergraduate courses. The distance learning system is becoming an important reference for a deep change in higher education, moving from a complementary or special modality to specific situations. The distance learning system shall use more the semi-presence methodologies, flexibilizing the need for the physical presence, reorganizing the spaces and the time for teaching and learning.

Key words: Distance learning – graduation – EAD model – UAB

 

1 Professor de Novas Tecnologias na USP (aposentado) e diretor acadêmico da Faculdade Sumaré, SP

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Maria Elizabeth. As teorias principais de andragogia e heutagogia. In: LITTO, Fredric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. p. 105-111.

ALVES, João Roberto. A história do EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. p. 9-13.

CORTELAZZO, Iolanda et al. Cursos de graduação a distância: inclusão e qualidade. Trabalho apresentado no Congresso Internacional da ABED. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/82200724656PM.pdf>. Acesso em: 10 out. 2008.

GATTI, Bernardette. A formação de professores a distância: critérios de qualidade. Disponível em: <http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2002/ead/eadtxt1b.htm>. Acesso em: 3 ago. 2008.

LITTO, Fredric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

MEC-SEED. Referenciais de qualidade para Educação Superior a Distância. Brasília, ago. 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2009.

MEC-SEED. Desafios da educação a distância na formação de professores. Brasília: Secretaria de Educação a Distância, 2006.

MORAN, José Manuel. A educação a distância e os modelos educacionais na formação dos professores. In: BONIN, Iara et al. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: políticas e tecnologias. Porto Alegre: Edipucrs, 2008. p. 245- 259. (XIV Endipe).

NASCIMENTO, Francisco; CARNIELLI, Beatrice L. Educação a distância no ensino superior: expansão com qualidade? Etd – Educação Temática Digital. Campinas, v. 9, n. 1, p. 84-98, nov. 2007.

OLIVEIRA, Teresinha Zélia; OLIVEIRA, Paulo Cezar. Perspectivas sociais e políticas da EAD no brasil: uma visão panorâmica com foco na produção científica para o setor. Disponível em: <http://twiki.im.ufba.br/pub/Main/PauloCezarOliveira/artigo_ead_pctz.doc>. Acesso em: 25 fev.2009.

SANCHEZ, Fábio. Anuário brasileiro estatístico de educação aberta e a distância. São Paulo: Instituto Monitor/ABED, 2008.

SILVA, Angela; SILVA, Christina. Avaliação da aprendizagem em ambientes virtuais: rompendo as barreiras da legislação. Trabalho apresentado no Congresso da ABED. Santos, 2008. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2008/tc/510200863228PM.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2009.

SILVA, Marcos (Org.). Educação on-line: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2003.

VALENTE, José Armando. Aprendizagem por computador sem ligação à rede. In: LITTO, Predric; FORMIGA, Marcos (Orgs.). O estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. p. 65-71.

VIANNEY, João. A ameaça de um modelo único para a EaD no Brasil. Colabor@ – Revista Digital da CVA-RICESU. v. 5, n. 17, jul. 2008. Disponível em: <http://www.ricesu.com.br/colabora/n17/index1.htm> Acesso em: 16 fev. 2009.