Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Jogos Didáticos: Um Estudo de Representações Sociais1

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v12n19p201-218

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Lúcia P. S. V. Bôas2

 

Resumo: Elaborado com base na teoria geral das representações sociais, este artigo apresenta os dados de uma pesquisa desenvolvida com um grupo de graduandos do curso de História de uma instituição de ensino superior da Grande São Paulo com o objetivo de identificar os elementos que constituem o universo semântico do jogo didático na interface com aspectos cognitivos, afetivos e demandas do cotidiano, questionando a polarização entre cognição e emoção. Para isso, faz uso de instrumentos baseados em métodos de compilação, de organização de conteúdo e interrogativos. Os resultados obtidos demonstraram a existência de uma organização complexa e instável em torno de elementos que, operando por meio de uma lógica contraditória, mas não excludente, compõem o universo semântico do jogo didático.

Palavras-chave: Representações sociais – Jogos didáticos

 

Abstract: The present article, drawing on the general theory of social representations, is based on a research developed with a group of undergraduates of a History course at a private University in São Paulo. It was the research’s basic intention to identify the constitutive elements of the didactic game’s semantic universe in the interface between cognitive and affective aspects of social representations with the daily needs by questioning the polarization between cognition and emotion. In order to approach such semantic universe, instruments based on methods of compilation, organization, and interrogation were used. Results showed the existence of a complex and unstable organization, operating by means of a contradictory logic (which, although, was not an excluding one), composing the semantic universe of the didactic game.

Key wordsSocial representations – Didactic games

 

1 Uma versão deste artigo foi apresentada no XIV Endipe - Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino ocorrido entre 27 e 30 de abril de 2008 em Porto Alegre/RS.
2 Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela PUC-SP. Pesquisadora do Centro Internacional de Estudos em Representações Sociais e Subjetividade – Educação do Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas.

 

Literatura Citada

ABRIC, Jean-Claude. L’étude expérimentale des représentations sociales. In: JODELET, Denise (Dir.). Les représentations sociales. 4. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1994. p. 187-203. (Sociologie d’Aujourd’hui).

ABRIC, Jean-Claude. Méthodologie de recueil des représentations sociales. In: ABRIC, Jean- Claude (Dir.) Pratiques sociales e représentations. Paris: Presses Universitaires de France, 1994a. p. 59-82.

ALMEIDA, Paulo N. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1998.

AYESTARAN, S.; DE ROSA, A.; PÁEZ, D. Representación social, procesos cognitivos y desarrollo de la cognición social. In: PÁEZ, Darío et al. Pensamiento, individuo y sociedad: cognición y representación social. Madrid:Fundamentos, 1987. p. 16-70. (Psicología Básica y Clínica).

BORJA SOLÉ, María. Aproximación a los conceptos ‘juego’ y ‘juguete’. In: BORJA, SOLÉ, María et al. Las ludotecas: instrucciones del juego. Barcelona: Octaedro, 2000. p. 13-74.

BRASIL, 1999. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 1999.

BROUGÈRE, Gilles. Jogo e educação. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

CARITA, Ana. O professor e sua representação do aluno. Colóquio Educação e Sociedade, Lisboa, n. 4, p. 41-95, dez. 1993.

CARNEIRO, Maria Ângela B. O jogo: uma sugestão de trabalho para o curso noturno. Ideias, São Paulo, n. 25, p. 91-107, 1995.

CARNEIRO, Maria Ângela B. Jogando, descobrindo, aprendendo… (depoimentos de professores e alunos do terceiro grau). Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

GARFELLA ESTEBAN, Pedro R.; LÓPEZ MARTÍN, Ramón. El juego como recurso educativo. 2. ed. Valencia: Tirant Lo Blanch, 1999.

GILLY, Michel. Les représentations sociales dans le champ éducatif. In: JODELET, Denise (Dir.). Les représentations sociales . Paris: Presses Universitaires de France, 1994. p. 363-386. (Sociologie d’Aujourd’hui).

GIRÃO, Regina R. O lúdico e as múltiplas linguagens na construção de conceitos: uma reflexão psicopedagógica na disciplina de Biologia do Ensino Médio. Monografia (Especialização em Psicopedagogia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2000.

IBÁÑEZ GRACIA, Tomás. Representaciones sociales: teoría y método. In: IBÁÑEZ GRACIA, Tomás (Coord.). Ideologías de la vida cotidiana. Barcelona: Sendai, 1988. p. 13-90.

KISHIMOTO, Tizuko M. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO, Tizuko M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000. p. 13-43.

KISHIMOTO, Tizuko M. O jogo e a educação infantil. 1. ed. 2. impr. São Paulo: Pioneira, 1998. (Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais, A pré-escola brasileira).

MARTÍNEZ CRIADO, Gerardo. El juego y el desarrollo infantil. Barcelona: Octaedro, 1998. (Colección Recursos n. 23).

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. 1. reimp. Trad. e org.: Cristina Magro e Victor Paredes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001. (Humanitas). Dolmen Ediciones/Granica, 1997.

MATURANA, Humberto. VERDEN-ZÖLLER, Gerda. Amor y juego: fundamentos olvidados de lo humano desde el patriarcado a la democracia. Santiago de Chile: Instituto de Terapia Cognitiva, 1993. (Experiencia Humana).

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SÁ, Celso P. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

SANTOS, Santa M. P. Espaços lúdicos: brinquedoteca. In: SANTOS, Santa M. P. (Org.). Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 157-167.

SPINK, Mary J. P. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, Pedrinho;

JOVCHELOVITCH, Sandra. (Orgs.) Textos em representações sociais. 2. ed.Petrópolis: Vozes, 1995. p. 117-145.

VILLAS BÔAS, Lúcia P. S. Teoria das representações sociais e o conceito de emoção: diálogos possíveis entre Serge Moscovici e Humberto Maturana. Psicologia da Educação: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação da PUCSP, v. 19, p. 143-166, dez. 2004.

VILLAS BÔAS, Lúcia P. S. Jogo didático : um estudo de representações sociais. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

WAGNER, Wolfgang. Sócio-gênese e características das representações sociais. In: MOREIRA, Antonia S. P.; OLIVEIRA, Denize C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p. 3-25.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na pré-escola. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.