Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Seguir as Tradições: Dilemas da educação Escolar entre os Guarani Mbya

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1043/el.v10n15p250-268

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/index 

downloadpdf

Marília G. G. Godoy1 & Marivaldo A. Carvalho2

 

Resumo: O artigo retrata as políticas públicas educacionais com os indígenas, particularmente no estado de São Paulo. Diante de um caráter emancipatório das leis e de ordenação do espaço social da escolaridade, cria-se um campo de batalha para a sobrevivência das tradições indígenas, e dos saberes pedagógicos dos Guarani Mbya. Ao descrever a educação tradicional desses indígenas, tendo por base uma pedagogia própria, o artigo reflete sobre a inserção do letramento e suas representações no conhecimento nativo.

Palavras-chave: interculturalidade; educação indígena; tradição; etnicidade

 

Abstract: This article depicts the educational public politics towards the indians, particularly in the state of São Paulo. Before the emancipatory character and the organization of the scholastic social space it is created a battlefield for the survival of the indian traditions and the Guarani Mbya’s pedagogical knowledge. By describing the traditional education of these indians, based on a pedagogical theory of its own, this article reflects about the insertion of literacy and its representations in the native knowledge.

Key words: interculturality; indian education; tradition; ethnicity

 

1 Mestre em Antropologia Social (USP). Professora de Mestrado Interdisciplinar em Educação, Administração e Comunicação da Universidade São Marcos.
2 Doutor e Mestre em Sociologia pela Unesp/Araraquara. Professor da Universidade Federal dos Vales de Jequitinhonha e Macuri.

 

Literatura Citada

Diretrizes Curriculares Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas. Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Básica.

Lei de Diretrizes e Bases – 9434, 30/12/1996.

O governo brasileiro e a educação escolar indígena 1995-2002. Brasília, MEC/EF, 2002. Edição bilíngüe português/francês.

Plano Nacional de Educação: Lei 10172/2001, cap. 9, Educação Indígena.

Referenciais para a Formação de Professores Indígenas, Brasília, MEC, junho de 2002 (Versão anterior: Referenciais para implantação de programas de formação de professores indígenas nos sistemas estaduais de ensino – versão preliminar de nov 2000, versão dez 2001, MEC SEF CGAEI).

Resolução CEB n. 3, de 10 de novembro de 1999 – Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das escolas indígenas e dá outras providências (Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação).

ARANHA, Maria Lúcia de. História da Educação. São Paulo: Moderna, 1996.

AZEVEDO, M.; KAHN, M. O que está em jogo no desafio da escolarização indígena. In: Educação escolar indígena em Terra Brasilis. Tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: IBASE, p. 57-86, 2004.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. Por que querem e porque não querem escola os guarani? Revista Tellus. Campo Grande: UCDB, ano 4, n. 7, p. 107-120, 2004.

CADOGAN, Leon. Ayvu rapyta: textos míticos de los Mbyá-Guarani del Guairá

Revista de Antropologia. São Paulo: USP, n. 5, 1959.

CAPACLA, Marta Valéria. O debate sobre a educação indígena no Brasil (1975-1995). Resenha de Teses e Livros. Brasília: MEC/MARI – São Paulo: USP, 1995.

CARVALHO, Marivaldo Aparecido. Passos que não deixam marcas na terra os Mbya guarani e a imprescindível leveza do ser. Araraquara: Unesp, Dissertação de mestrado, 2001 (mimeo).

CARVALHO, Marivaldo Aparecido.Palavra e terra: princípios de uma pedagogia Guarani. Tese de doutoramento. Araraquara: Unesp, 2006.

CLASTRES, Hélene. Terra sem mal: o profetismo Tupi-Guarani. São Paulo: Brasiliense, 1978.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisa de antropologia política. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1988.

DIAS DA SILVA, Rosa Helena. O estado brasileiro e a educação indígena: um olhar sobre o plano nacional de educação. Revista eletrônica Tipiti, outubro de 2003.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

FERNANDES, Florestan. Aspectos da educação na sociedade tupinambá. In: SCHADEN, E. (org.). Leituras de etnologia brasileira. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, p. 63-86, 1976.

FERREIRA, Mariana Kawall Leal. Da origem dos homens à conquista da escrita: um estudo sobre povos indígenas e educação escolar no Brasil. São Paulo: USP, Dissertação de mestrado, 1992 (mimeo).

FERREIRA NETO, Waldemar. Os índios e a alfabetização. São Paulo: USP, Tese de doutorado, 1994 (mimeo).

FREIRE, José Ribamar B. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. In: Educação Escolar Indígena em Terra Brasilis. Tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: IBASE, p. 11-31, 2004.

GODOY, Marília G. Ghizzi. Nande Reko Arandu – Música e Tradição Cultural Arte e Ciência – Descoberta/Descobrimentos. São Paulo: ECA-USP, 1999, ano 2 n. 2, p. 276-289.

GODOY, Marília G. Ghizzi. O misticismo guarani Mbya na era do sofrimento da imperfeição. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

GROHS-PAUL, Waltraud. A propósito do dilema da socialização escolar de minorias étnicas e culturais: o exemplo dos índios warao da Venezuela. In: HARTMANN, Thekla; COELHO, Vera Penteado (org.). Contribuições à antropologia em homenagem ao professor Egon Schaden. São Paulo: USP, Coleção Museu Paulista, Série Ensaios, vol. 4, p. 85-92, 1981.

GRUPIONI, Luis Donisete B. Um território ainda a conquistar. Educação escolar indígena em Terra Brasilis, tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, p. 33-56, 2004.

GUSMÃO, Neuza. Antropologia, processo educativo e oralidade: um ensaio reflexivo. Rev. Pro-Posições. Campinas: FE-UNICAMP, n. 37, p. 197-213, janeiro/ abril de 2002.

ILLICHI, Ivan. Sociedade sem escolas. Petrópolis: Vozes, 1988.

LOPES, A. L. S. Uma “antropologia da educação” no Brasil a partir da escolarização indígena”. In: LOPES Aracy S. ; LEAL FERREIRA, M. K. (orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, p. 29-43, 2001.

MAZZOLENI, Gilberto. O planeta cultural: para uma antropologia histórica. São Paulo: EDUSP, 1992.

MELIÀ, Bartomeu. A terra sem mal dos guarani, economia e profecia. Revista de Antropologia. São Paulo: USP, v. 33, p. 33-46, 1990.

MELIÀ, Bartomeu. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

MELIÀ, Bartomeu. A experiência religiosa guarani. In: MELIÀ Bartomeu et al. O rosto índio de Deus. Coleção Ecologia e Libertação. Rio de Janeiro: Vozes, p. 293-353, 1989.

PICONEZ, S. B. A habitação específica de 2º grau para o magistério: expectativas e necessidades de sua clientela. São Paulo: Faculdade de Educação da USP, Dissertação de Mestrado, 1988 (mimeo).

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FERNART, Jocelyne. Teorias da Etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

SCHADEN, Egon. Educação indígena. Problemas brasileiros. São Paulo, ano XIV, n. 152, 1976.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo Ameríndio. Rio de Janeiro: Mana, 2(2) p. 115-144, 1996. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131996000200005

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo O nativo relativo. Rio de Janeiro: Mana, 8 (1), p. 113-148, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132002000100005