Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Pertinência do Conceito de Violência Curricular para a Compreensão da Violência Escolar

DOI: http://dx.doi.org/10.15599/0104-4834/cogeime.v23n45p33-47

https://www.redemetodista.edu.br/revistas/revistas-cogeime/index.php/COGEIME/index 

downloadpdf

Valter M. Giovedi1

 

Resumo: Este trabalho é fruto de parte da tese de doutorado, defendida em dezembro de 2012 na PUC – SP, intitulada O currículo crítico-libertador como forma de resistência e de superação da violência curricular. Seu objetivo é demonstrar que o conceito de violência curricular nos permite captar de modo mais preciso e abrangente as várias faces da violência exercida pela escola e pelo sistema educacional sobre os seus sujeitos. Para tanto, busca estabelecer distinções entre conceitos aproximados, tais como: violência escolar, violência na escola, violência à escola, violência da escola, violência simbólica e, finalmente, violência curricular. A expectativa é que a compreensão do currículo hegemônico a partir da categoria da violência curricular possa inaugurar um ponto de vista novo para as pesquisas que procuram compreender as várias formas pelas quais o currículo se exerce de modo violento no dia a dia da instituição escolar.

Palavras-chave: Currículo; Currículo hegemônico; Violência escolar; Violência curricular.

 

Abstract: This article is a result of part a doctoral thesis, defended in December 2012, at PUC/SP, entitled: The critical-liberating curriculum as a form of resistance and overcoming curricular violence. It’s goal is to demonstrate that the concept of curriculum violence allows us to capture more accurately and comprehensively the many faces of violence exercised by the school and by the educational system on their subjects. To this end, it seeks to establish distinctions between approximate concepts, such as: school violence, violence in the school, violence against the school, violence of the school, symbolic violence and ultimately, curricular violence. The expectative is that the understanding of the hegemonic curriculum, starting from the category of the curricular violence, could inaugurate a new point of view for studies that seek to understand the various ways in which the curriculum is exercised violently in the everyday life of the school.

Key words: Curriculum; Hegemonic curriculum; school violence; curricular violence.

 

1 Doutor em Educação pela PUC-SP e professor de Filosofia da rede pública estadual de São Paulo. E-mail: giovedival@ig.com.br

 

Literatura Citada

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Trad. Reynaldo Bairão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. In: Sociologias. Porto Alegre, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002.

CHAUI, Marilena. Uma ideologia perversa. In: Folha de S. Paulo, Caderno Mais, 14 de março de 1999.

DUSSEL, Enrique. Ética da Libertação na idade da globalização e da exclusão. 2. ed. trad. Ephraim F. Alves, Jaime A. Clasen e Lúcia M. E. Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FREITAS, Luis Carlos de. Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo: Moderna, 2003.

FREITAS, Luis Carlos de. Violência curricular na escola pública: conceito e manifestações. Revista Teias: Dossiê Especial. Rio de Janeiro: UFRJ, v. 14, n. 33, p. 121-137, dezembro 2013. Acesso em 05/03/2014.

RIGAL, Luis. A escola crítico-democrática: uma matéria pendente no limiar do século XXI. In: IBERNÓN, Francisco. A educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Trad. Ernani Rosa. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAUL, Ana Maria A. Currículo. In: STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime J. (orgs.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.