Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Terapêutica com Plantas Medicinais: Percepção de Profissionais da Estratégia de Saúde da Família de um Município do Agreste Pernambucano

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v20n39p111-122

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/O1/index 

downloadpdf

Valdenice A. de Menezes1, Ana G. P. dos Anjos2, Mayara R. D. Pereira2, Angéllica F. Leite3 & Ana F. G. Garcia4

 

Resumo: Objetivo: verificar a percepção de médicos, cirurgiões-dentistas e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família do Município de Caruaru, PE, Brasil, sobre a importância, utilização e indicações de plantas medicinais. Metodologia: trata-se de um estudo transversal e exploratório com 82 profissionais de saúde (médicos, cirurgiões-dentistas e enfermeiros), locados em 45 unidades básicas de Saúde do Município de Caruaru. Os profissionais foram entrevistados, utilizando-se um formulário estruturado e validado pelo método da face. Os dados foram analisados por técnicas estatísticas descritivas por meio de distribuições absolutas, percentuais de medidas e pelo teste do Qui-quadrado de Pearson ou Exato de Fisher. Resultados: a maioria dos participantes tinha acima de 41 anos de idade (37,8%), era do  sexo feminino (86,6%), graduados há menos de 10 anos (37,8%), em instituição particular (54,9%). O Curso com maior frequência de participação foi Enfermagem (41,5%). Os profissionais de Odontologia foram os que menos prescrevem fitoterápicos na ESF em que atuam (19,4%) e os que menos sabem orientar os pacientes sobre a forma de utilização das ervas medicinais (41,9%), com diferença significativa (p<0,05). A prescrição de plantas medicinais nas unidades de saúde é feita por poucos profissionais (47,6%) sendo as mais citadas: hortelã (Mentha spicata) (51,3%) e camomila (Matricaria chamomilla) (46,1%) com as respectivas indicações de expectorante (54,3%) e ansiolítico (42,8%). Conclusão: de maneira geral, os profissionais da ESF do Município de Caruaru não utilizam com frequência os fitoterápicos na rede pública, porém, acreditam na importância da implantação de medicamentos alternativos na atenção básica, tendo em vista seu baixo custo, eficácia e fácil acesso da população.

Palavras-chave: Fitoterapia. Plantas Medicinais. Programa Saúde da Família.

 

Abstract: Aim: to verify the perception of doctors, dentists and nurses of the Strategy of Health of the Family of the city of Caruaru, PE, Brasil, on the importance, use and indications of medicinal plants. Methodology: transversal study was done with 82 professionals of health had participated (doctors, dentists and nurses), leased in 45 basic units of Health of the city of Caruaru. The professionals had been interviewed, using a form structuralized and validated for the method of the face. The data had been analyzed by descriptive statistical techniques through absolute, percentile distributions of measures and for the test of the Qui-square of Pearson or Exato de Fisher. Results: the majority of the participants had above of 41 years of age (37.8%), was of the feminine sex (86.6%), and graduated has less than 10 years (37.8%), in particular institution (54.9%). The course with bigger frequency of participation was nursing (41.5%). The dentists had been the ones that less prescribe herbal medicines in the ESF where the ones act (19.4%) and that less they know to guide the patients on the form of use of the medicinal grass (41.9%) with significant difference (p<0,05). The lapsing of medicinal plants in the units of health is made by few professionals (47.6%) being the most cited the mint (Mentha spicata) (51,3%) and chamomile (Matricaria chamomilla) (46.1%) and its respective indications as expectorants (54.3%) and anxiolytic (42.8%). Conclusion: the professionals of the ESF of the Caruaru city frequently do not use the herbal medicines in the public net, however they believe the importance of the alternative medicine implantation in the basic attention, in view of its low cost, effectiveness and easy access of the population.

Key words: Phytotherapy. Plants, Medicinal. Family Health Program.

 

1 CD, Me, Dr, Professora Adjunta, Disciplina de Odontopediatria, Faculdade ASCES - Associação Caruaruense de Ensino Superior, Caruaru, PE, Brasil.
2 Alunas do Curso de Odontologia, Faculdade ASCES - Associação Caruaruense de Ensino Superior, Caruaru, PE, Brasil.
3 CD, Me, Dr, Professora Auxiliar, Disciplina de Odontopediatria, Faculdade ASCES - Associação Caruaruense de Ensino Superior, Caruaru, PE, Brasil.
4 CD, Me, Dr, Professora Titular, Curso de Odontologia, Universidade Estadual da Paraíba, Cidade, Estado, Brasil.

 

Literatura Citada

1.Veiga VFJ. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev Bras Farmacogn 2008; 18(2): 308-13. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000200027

2. Lima JFJ, Dimesntein M. A fitoterapia na saúde pública: visão do odontólogo. Saúde Rev 2006; 8(19): 37-44.

3.Rezende HA, Cocco MIM. A utilização de fitoterapia no cotidiano de uma população rural. Rev Esc Enferm USP 2002; 36(2): 282-88. https://doi.org/10.1590/S0080-62342002000300011

4. Santos EB, Dantas GS, Santos HB, Diniz MFFM, Sampaio FC. Estudo etnobotânico de plantas medicinais para problemas bucais no Município de João Pessoa, Brasil. Rev Bras Farmacogn 2009; 19(1): 466-76. https://doi.org/10.1590/s0102-695x2009000200024

5. Silva MIG, Gondim APS, Nunes FS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas Unidades de Atenção à Saúde da Família no Município de Maracanaú/CE. Rev Bras Farmacogn 2006; 16(4): 455-62. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2006000400003

6. Külkamp IC, Burin GD, Souza MHM, Silva P, Piovezan AP. Aceitação de práticas não- -convencionais em saúde por estudantes de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina. Rev Bras de Educ Médica 2007; 31(3): 229-35. https://doi.org/10.1590/s0100-55022007000300005

7. ANVISA. Resolução - RDC Nº 14, de 31 de março de 2010: Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/rdc/103507-14.html, acessado em: 15 de setembro de 2010.

8. Lima JFJ, Vieira LB, Leite MJVF, Lima KC. O uso de fitoterápicos e a saúde bucal. Saúde Rev 2005; 7(16): 11-7.

9. BRASIL, Ministério da Saúde. Programa Nacional de plantas medicinais e fitoterápicos.. Série C. Projetos, Programas e Relatórios, Brasília/DF. 2009.

10. Ferrari BT, Fitoterápicos: uma tendência natural. Rev. Bras Med. 2002; 59(9): 637- 44.

11. Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Rev Bras Farmacogn 2008; 18(4): 618-26. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000400021

12. Matos FJA. Farmácias vivas. 4ª ed: Editora da Universidade Federal do Ceará; 2002.

13.Ogava SEN. Implantação do programa de fitoterapia “Verde-viva” na Secretaria de Saúde de Maringá. Rev Bras Farmacogn 2003; 13: 58-62. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2003000300022

14. Frankfort-Nachmias C, Nachmias D. Research methods in the social sciences. 4th ed. London: Edward Arnold, 1992.

15. Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no Programa de Saúde da Família. Revista Bras. Farmacogn. 2008; 44(4): 625-29.

16. Miguel MD, Miguel OG. Desenvolvimento de fitoterápicos. São Paulo: Editora Robe; 2004.

17. Fontanella F, Speck FP, Piovezan AP, Kulkamp IC. Conhecimento, acesso e aceitação das práticas integrativas e complementares em saúde por uma comunidade usuária do Sistema Único de Saúde na cidade de Tubarão/SC. Rev Catarinense de Medicina 2007; 36(2): 69-74.

18. Clement YN et al. Perceived efficacy of herbal remedies by users accessing primary health care in Trinidad. BMC complementary and alternative medicine 2007; 7(4): 1-9.

19. Nuñez HMF, Ciosak SI. Terapias alternativas/complementares: o saber e o fazer das enfermeiras do distrito administrativo 71- Santo Amaro- São Paulo. Rev Esc Enferm 2003; 37(3): 8-11.

20. Tôrres AR, Oliveira RAG, Diniz MFFM, Araújo EC. Estudo sobre o uso de plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos e benefícios. Rev Bras Farmacogn 2005; 15(4): 373-80. https://doi.org/10.1590/S0102-695X2005000400019

21. França ISX, Souza JA, Baptista RS, Britto VRS. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev Bras Enferm 2008; 61(2): 201-8. https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000200009

22. França WFA, Marques MMMR, Lira KDL, Higino ME. Terapêutica com plantas medicinais nas doenças bucais: a percepção dos profissionais mo Programa de Saúde da Família do Recife. Odontologia Clín-científ 2007; 6(3): 233-37.