Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Tanatologia Forense e Odontologia Legal: Interface e Importância na Rotina Pericial

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v19n37p15-23

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/O1/index 

downloadpdf

Livia M. L. Menon1, Mário M. Fernandes2, Luiz R. Paranhos3 & Ricardo H. A. da Silva4

 

Resumo: Introdução: o auxílio prestado pela Odontologia Legal no processo de identificação humana não se limita apenas ao reconhecimento de trabalhos odontológicos com a finalidade de determinar a identidade física de um cadáver irreconhecível ou esqueletizado. O singelo reconhecimento cedeu lugar ao complexo e científico processo de identificação odonto-legal, destacando-se nesse contexto a Tanatologia Forense como ramo das ciências forenses responsável pelo estudo dos fenômenos post-mortem, ajudando a determinar vários fatores como o mecanismo, a causa e o tempo de morte. Objetivo: revisar a literatura destacando a importância da interface entre a Tanatologia Forense e Odontologia Legal na rotina pericial. Conclusão: considerando as atividades criminais pertinentes a Odontologia Legal e a interface entre esta especialidade e a Tanatologia Forense, destacam-se na rotina pericial aspectos relacionados ao exame do cadáver no local dos fatos (perinecroscopia), busca do diagnóstico da realidade da morte (tanatognosia), investigação do tempo da morte (cronotanatognosia), bem como a necroscopia ou exame do corpo sem vida. Neste último, e ao encontro da Odontologia, constam a análise de lesões extra e intrabucais, com a identificação dos seus respectivos agentes produtores, escolha do melhor tipo de acesso a cavidade bucal (dependente do grau de rigidez cadavérica), presença de dentes rosáceos e outras alterações cromáticas, estudo das mordeduras, dentre outros, além da identificação do cadáver.

Palavras-chave: Odontologia Legal; Tanatologia Forense; Perícia Odontológica.

 

Abstract: Introduction: the aid provided by Forensic Dentistry in the process of identifying human is limited only to the recognition of work dental equipment with the purpose of determining the physical identity a unrecognizable corpse or skeletonized. The simple recognition given way to complex and scientific process of identifying dental-legal, especially in the context Forensic Thanatology as a branch of forensic science study of the phenomena responsible for post-mortem, several factors helping to determine how the mechanism, cause and time of death. Aim: to review the literature highlighting the importance of the interface between Forensic Thanatology and Forensic Dentistry in the routine examination. Conclusion: considering the criminal activities pertaining to Forensic Dentistry and the interface between the specialty and Forensic Thanatology stand out in routine forensic aspects related to the postmortem examination at the scene (perinecroscopic), search for a diagnosis of the reality of death (tanatognosis) research time of death (cronotanatognosis) as well as the examination or necroscopic lifeless body. In the latter, and the meeting of Dentistry, included the analysis of extra and intraoral lesions, with the identification of their respective agencies for, choosing the best type of access to the oral cavity (depending on the degree of rigor mortis), presence of teeth, and pinkish other color changes, study of bites, among others, in addition to identifying the corpse.

Key words: Forensic Dentistry; Forensic Thanatology; Dentistry Skill.

 

1 Aluna de Graduação, Bolsista Pibic/USP/CNPq, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto – USP
2 CD, Me, Coordenador do Curso de Especialização em Odontologia Legal, ABORS, Brasil
3 CD, Me, Dr, Professor Titular, Departamento de Ortodontia, Faculdade de Odontologia – UMESP
4 CD, Me, Dr, Professor, Área de Odontologia Legal, Departamento de Clínica Infantil, Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto – USP

 

Literatura Citada

1. Brasil. Lei nº 5.081 de 24 de agosto de 1966. Regula o exercício da Odontologia. Diário Oficial da União, 1966; Coluna 1, p. 9843.

2. Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia, aprovada pela Resolução CFO-63/2005, atualizada em 18 de maio de 2005. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasilia (DF); 2005 abr 19. Seção 1, p. 104.

3. Arbenz GO. Medicina Legal e Antropologia Forense. São Paulo: Atheneu; 1988.

4. Gomes H. Medicina Legal. 20ª ed. Rio de Janeiro: Editora Freitas Bastos; 1980.

5. Oliveira RN, Daruge E, Galvão LCC, Tumang AJ. Contribuição da Odontologia Legal para a identificação “post-mortem”. Rev Bras Odontol 1998; 55(2):117-22.

6. Souza-Lima J. A vida e obra de Luiz Lustosa Silva (considerado o “criador” da Odontologia Legal). Rio de janeiro; Conselho Federal de Odontologia; 1996.

7. Simas-Alves E. Medicina Legal e Deontologia. Curitiba; 1965.

8. Silva M da, Travassos DV, Gonçalves ACS. Campos de atuação do odontologista. RPG rev. pos-grad 1999; 6(1):60-5.

9. Santos A. Medicina Legal: Tanatologia Forense (online). Disponível em URL:http://medicina.med.up.pt/legal/tanatologiaf.pdf (2003).

10. Miyajima F, Daruge E, Daruge-Júnior E. A importância da Odontologia na identificação humana: relato de um caso pericial. Arq Odontol 2001; 37(2):133-42.

11. Silveira EMSZSF. Odontologia Legal: a importância do DNA para as perícias e peritos. Saúde Ética Just 2006; 11(1/2):8-12. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v11i1-2p12-18

12. Rissech C, García M, Malgosa A. Sex and age diagnosis by ischium morphometric analysis. Forensic Sci Int 2003;135(3):188-96. https://doi.org/10.1016/S0379-0738(03)00215-9

13. Duffy JB, Skinner MF, Waterfield JD. Rates putrefaction of dental pulp in the Northwest Coast environment. Forensic Sci Int 1991; 36(5):1492-502. https://doi.org/10.1520/jfs13169j

14. Oliveira RN, Silva SFS, Uchoa DP, Mesquita RA, Nunes FD. Presença de fungos na dentina humana: implicações arqueológicas e forenses. Cienc Odontol Bras 2004; 7(3):87-90.

15. Bender K, Farfán MJ, Schneider PM. Preparation of degraded human DNA under controlled conditions. Forensic Sci Int 2004; 139:135-40. https://doi.org/10.1016/j.forsciint.2003.10.003

16. Gruber J, Kameyama MM. O papel da Radiologia em Odontologia Legal. Pesqu Odontol Bras 2001; 15(3):263-8. https://doi.org/10.1590/s1517-74912001000300014

17. Ferreira RA. Reconhecendo pela boca. Rev Assoc Paul Cir Dent 1996; 50(6):464-73.

18. França GV. Tanatologia médico-legal. In: _______. Medicina Legal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1991.

19. Vanrell JP. Odontologia Legal e Antropologia Forense. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

20. Silva M. Compêndio de Odontologia Legal. São Paulo: Medsi; 1997.

21. Linhares AX. Entomologia forense: a utilização de artrópodes para a determinação do tempo, local, causa e circunstância da morte – Memórias póstumas: insetos em cadáveres contêm informação que ajuda a elucidar mortes misteriosas. Rev Pesqu Fapesp 2007; 139:54-7.

22. Nedel F, Nedel AP, Silva RHA, Lund RG. Evaluation of identification cases involving forensic dentistry in the city of Pelotas, RS, Brazil, 2004-2006. Braz J Oral Sci 2009; 8(1):55-8.

23. Almeida CAP. Os dentes rosados após a morte e sua importância pericial [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Faculdade de Odontologia de Piracicaba/UNICAMP; 1992.

24. Whittaker DK, MacDonald DG. A color atlas of forensic dentistry. London: Wolfe Medical Publ; 1989.

25. Brondum N, Simonsen J. Postmortem red coloration of teeth: a retrospective investigation of 26 cases. Am J Forensic Med Pathol 1987; 8(2):127-30. https://doi.org/10.1097/00000433-198708020-00008

26. Gustafson G. Forensic Odontology. London: Staples Pr; 1966.

27. Whittaker DK, Thomas VC, Thomas RIM. Post-mortem pigmentation of teeth. Br Dent J 1976; 140(3):100-2. https://doi.org/10.1038/sj.bdj.4803706

28. Souza ACB. Análise histológica de dentes decíduos rosados após a morte [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Faculdade de Odontologia de Piracicaba/UNICAMP; 2002.

29. Costa LRS. Estimativa do tempo decorrido de morte através da análise do esfriamento corporal [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Faculdade de Odontologia de Piracicaba/UNICAMP; 1998.

30. Brasil. Lei 11.690, de 9 de junho de 2008. Altera os dispositivos do CCP relativos à prova e dá outras providências. Diário Oficial da União, 10 jun 2008.

31. Brasil. Lei 12.030, de 17 de setembro de 2009. Dispõem sobre as perícias oficiais e dá outras providências. Diário Oficial da União, 18 set 2009.

32. Sales-Peres A, Silva RHA, Lopes-Júnior C, Carvalho SPM. Forensic Tanatology: biological and legal aspects. Braz J Oral Sci 2006; 5(19):1198-202.