Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Condutas do Cirurgião-Dentista Frente a Acidentes Biológicos

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v18n35p37-44

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/O1/index 

downloadpdf

Daniel P. P. de Bragança1, Mário M. Fernandes2, Carlos Sassi1, Luiz Francesquini Júnior3 & Eduardo Daruge Júnior4

 

Resumo: Objetivo: revisar as condutas a serem adotadas em casos de acidente com material biológico contaminado, propondo um fluxograma de encaminhamento aos setores de competência, além de pesquisar junto aos profissionais de Odontologia o conhecimento dos mesmos a respeito das condutas frente aos referidos acidentes. Outro objetivo foiavaliar os aspectos éticos e legais envolvidos com a questão. Material e métodos: a pesquisa foi realizada por meio do envio de questionários distribuídos de forma aleatória à cirurgiões dentistas da cidade de Macaé-RJ. Posteriormente os dados foram tabulados e analisados por estatística simples. Resultados: dentre os pesquisados, 95,2% disseram conhecer os riscos biológicos presentes na atividade clínica diária e 38,1% responderam que já sofreram algum tipo de acidente biológico, sendo que metade dos participantes declararam conhecer as condutas a serem tomadas nessas situações. Conclusões: foi possível propor um fluxograma de fácil entendimento para os interessados. Há um conhecimento incipiente dos profissionais questionados sobre o protocolo a ser seguido em caso de acidente com contaminação biológica, bem como a inobservância de importantes aspectos éticos e legais que norteiam a profissão.

Palavras-chave: Condutas na Prática dos Dentistas; Contaminação Biológica; Exposição Ocupacional; Ética Odontológica; Odontologia Legal.

 

Abstract: Aim: review the measures to be adopted in cases of accidents with biological material contaminated by proposing a flow chart for referral to the areas of jurisdiction, and research from the professionals of Dentistry of the same knowledge about the behavior front to such accidents, as well as the ethical and legal issues involved with the issue.Material and methods: the study was conducted by sending questionnaires distributed randomly to dentists in the city of Macaé. Subsequently, data were tabulated and analyzed by simple statistics.  Results: among those surveyed, 95.2% said they were aware of biological hazardspresent in daily practice and 38.1% said they had experienced some kind of biological accident, half of the participants said they knew the conduct to be taken in these situations. Conclusions: it was possible to propose a flow chart easy to understand for those interested. There is an incipient knowledge of the professionals were asked about the protocol to be followed in case of accidents with biological contamination and the failure of important ethical and legal issues that guide the profession.

Key words: Dentist’s Practice Patterns; Biological Contamination; Occupational Exposure; Ethics, Dental; Forensic Dentistry.

 

1 Mestrando em Biologia Buco Dental Área de Odontologia Legal e Deontologia da FOP/UNICAMP.
2 Odontólogo do Ministério Público/RS. Mestrando em Biologia Buco Dental Área de Odontologia Legal e Deontologia da FOP/UNICAMP
3 Livre Docente em Odontologia pela FOP/UNICAMP.
4 Livre Docente em Odontologia, Professor Coordenador do Curso de Especialização em Odontologia Legal da FOP/UNICAMP.

 

Literatura Citada

1. BOLYARD, E.A.; TABLAN, O.C.; WILLIAMS, W.W.; PEARSON, M.L. Guideline for infection control in healthcare personnel. Infection control and Hospital Epidemiology,v.19, n.6, p.407-63, 1998.

2. BRASIL. Ministério da Saúde. Dispõe sobre a vinculação, competência e composição da CTNBio - Comissão Técnica de Biossegurança, normalizando a política nacional de biossegurança em todo o território nacional. Decreto 1.752/95 de 20 de dezembro de 1995. Diário Oficial da União 20/12/1995, p.73 Seção 2.

3. BRASIL. Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil Brasileiro. Diário Oficial da União 11/01/2002.

4. BRASIL. Ministério do Trabalho. Dispõe sobre a responsabilidade na compra, manutenção, distribuição, higienização e treinamento pelo uso correto dos equipamentos de proteção individual - EPIs e equipamentos de proteção coletiva- EPCs. Portaria n. 17, de 12 de julho de 2002. Diário Oficial da União 13/07/2002, p.81 Seção 1.

5. Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia, aprovada pela Resolução CFO-63/2005, atualizada em 18 de maio de 2005. Diário Oficial da União, Brasília (DF); Abril de 2005 19. Seção 1, p. 104.

6. Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Revoga o Código de Ética Odontológica aprovado pela Resolução CFO-179/91 e aprova outro em substituição. Resolução 42/2003, de 20 de maio de 2003 alterada pela Resolução nº071, de 06 de junho de 2006. Diário Oficial da União, Brasília (DF); Maio de 2003; Seção 1.

7. Brasil. Decreto Lei nº 5.452 de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). Presidência da República. Diário Oficial da União de 09/08/1943.

8. Brasil . Decreto- Lei n. 2848 de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficialda União, Poder Executivo, 1940; 1940 dez 31. Coluna 2, p. 23911.

9. Brasil . Lei ordinária n. 8078 de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo; Setembro de 1990. Coluna 1 p. 1.

10. Brasil . Lei ordinária n. 5.081 de 24 de agosto de 1966. Regula o exercício da Odontologia. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, 1966; Coluna 01, p. 9843.

11. Brasil . Portaria N.° 485, de 11 de Novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora n. 32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde). Ministério do Trabalho e Emprego. Diário Oficial da União, 16/11/05–Seção 1.

12. BREVIDELLI, M.M. Exposição ocupacional ao vírus da AIDS e da hepatite B: Análises da influência das crenças sobre a prática de re-encape de agulhas. São Paulo, 1997. Dissertação (mestrado) - Escola de Enfermagem – Universidade de São Paulo.

13. COSTA, M.A.D. Qualidade em biossegurança. Rio de Janeiro: Quality; 2000.

14. COSTA, M.A.F.. Biossegurança: ambientes hospitalares e odontológicos. São Paulo: Santos; 2000.

15. GALVÃO, M.F.. Biossegurança e suas repercussões legais. Disponível em: URL: http://ibemol.com.br [2009 Agos 02].

16. GONÇALVES, P.M.G., Controle da infecção cruzada na prática odontológica. Revista do CRO-MG, v.3, n.1, p. 17-22, 1997.

17. SAMARANAYAKE, L.P.; SCHEUTZ, F.; COTTONE, JA Controle da infecção para a equipe odontológica. Traduzido por Terezinha Oppido. 2º ed., São Paulo, Ed. Santos, 1995, p.146.

18. SOUZA, M.M. Biossegurança em Laboratório Clínico. Rio de Janeiro: Eventos; 1999.