Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Entre o Medo e a Ousadia: Educando-se na Prática da Prostituição

DOI: http://dx.doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v18n1p61-68

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis 

downloadpdf

Fabiana R. de Sousa1

 

Resumo: Este artigo é fruto de investigações desenvolvidas em diálogo com mulheres prostitutas de casas noturnas da cidade de São Carlos e com prostitutas que participam de associações da categoria, nas cidades de Belo Horizonte, Campina Grande, João Pessoa e Recife. As reflexões, ora apresentadas, foram formuladas durante o desenvolvimento de pesquisas de doutoramento e pós-doutoramento em educação, com o objetivo de descortinar e compreender processos educativos consolidados na prática da prostituição. Os referenciais da Educação Popular e da Fenomenologia configuraram-se como aporte teórico-metodológico para o levantamento e análise dos dados obtidos a partir do convívio com mulheres que prestam serviços sexuais. A metodologia adotada possibilitou a suspensão de preconceitos e o desvelamento de autoimagens positivas criadas pelas participantes da pesquisa que favorecem a percepção dessas mulheres no processo de busca por ser mais, em contraposição ao imaginário social que tende a retratá-las como vítimas destituídas de agência.

Palavras-chave: Prostituição. Educação Popular. Fenomenologia. Processos educativos

 

Abstract: This article is based on researches conducted in the dialogue with prostitutes of nightclubs in São Carlos and prostitutes who participate in associations of the category, in the cities of Belo Horizonte, Campina Grande, João Pessoa and Recife. The reflections presented here were formulated during the researches development with intent to uncover and understand educational processes consolidated in prostitution. The references of Popular Education and Phenomenology were used in the process of collecting and analyzing the data obtained. The methodology enabled the suspension of biases and the unveiling of positive images created by research participants who favor the perception of these women in the search process to be more, as opposed to the social imagination that tends to portray them as victims devoid of agency.

Key words: Prostitution. Popular Education. Phenomenology. Educacional processes

 

1 Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (UNISAL). Americana – SP/Brasil. E-mail: fabiana.sante@am.unisal.br.

 

Literatura Citada

BAUMAN, Zygmunt. (2009). Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CASTILHO, Ela. (2008). “A criminalização do tráfico de mulheres: proteção das mulheres ou reforço da violência de gênero?”. In: Cadernos Pagu, n.31, pp. 101-123, jul/ dez.

FONSECA, Cláudia. (2004). “A morte de um gigolô: fronteiras da transgressão e sexualidade nos dias atuais”. In: PISCITELLI, A.; GREGORI, M. F.; CARRARA, S. (orgs). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond. pp. 257-282.

FREIRE, Paulo.(1970). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, Paulo.(1981). Ação cultural para a liberdade. 5ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, Paulo (2003). Política e educação: ensaios. 7ª ed. São Paulo: Cortez. GIDDENS, Anthony. (2009). A constituição da sociedade. 3ª. ed. São Paulo: Martins Fontes.

LARROSA-BONDÍA, Jorge. (2002). “Notas sobre a experiência e o saber da experiência”. In: Revista Brasileira de Educação, n.19, pp. 20-28, jan./abr.

LEITE, Gabriela. (2009). Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta. Rio de Janeiro: Objetiva.

LEITE, Gabriela. (2009b). Entrevista cedida ao programa Roda Viva. TV Cultura, Jun./2009. Disponível em: <http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/723/entrevistados/gabriela_leite_2009.htm>. Acesso em: 13/dez./2009. LIPSZYC, Cecilia. (2003). Prostitución o esclavitud sexual?. Lima: CLADEM.

MARTIN, Denise. (2003). Riscos na prostituição: um olhar antropológico. São Paulo: Humanitas/ FFLCH/ USP: Fapesp.

MERLEAU-PONTY,Maurice. (2006). Fenomenologia da percepção. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

MORAES, AparecidaFonseca. (1995). Mulheres da Vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis: Vozes.

OLIVAR, José MiguelNieto. (2010). Guerras, trânsitos e apropriações: políticas da prostituição feminina a partir das experiências de quatro mulheres militantes em Porto Alegre. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

OLIVAR, José MiguelNieto. (2011). “Banquete de homens: sexualidade, parentesco e predação na prática da prostituição feminina”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 75, v. 26, pp. 89-101, fev.

OLIVAR, José MiguelNieto. (2013). Devir puta: políticas da prostituição de rua na experiência de quatro mulheres militantes. Rio de Janeiro: EdUERJ.

OLIVEIRA, Maria Waldenez et al. (2014). “Processos educativos em práticas sociais: reflexões teóricas e metodológicas sobre pesquisa educacional em espaços sociais”. In: OLIVEIRA, Maria Waldenez; SOUSA, Fabiana Rodrigues (orgs). Processos educativos em práticassociais: pesquisas em educação. São Carlos: EdUFSCar, pp. 29-46.

PASINI, Elisiane. (2005).Os homens da vila: um estudo sobre relações de gênero num universo de prostituição feminina. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

PATEMAN, Carole. (1993). O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

PISCITELLI, Adriana. (2004). “Entre a praia de Iracema e a União Europeia: turismo sexual internacional e migração feminina”. In: PISCITELLI, A.; GREGORI, M. F.; CARRARA, S. (orgs). Sexualidades e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, pp. 283-318.

PISCITELLI, Adriana. (2005). Dossiê gênero no mercado do sexo. In: Cadernos Pagu, n. 25, Campinas, pp. 7-23, jul./dez.

PISCITELLI, Adriana (2006). Sujeição ou subversão: migrantes brasileiras na indústria do sexo na Espanha. In: História e Perspectivas, Uberlândia, n. 35, pp. 13-55, jul./dez.

PISCITELLI, Adriana. (2007). Corporalidade em confronto: brasileiras na indústria do sexo na Espanha. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 64, pp. 17-32, jun.

PISCITELLI, Adriana. (2008). Entreas máfias e a ajuda: a construção de conhecimento sobre tráfico de pessoas. In: Cadernos Pagu, n. 31, pp. 29-63, dez.

PISCITELLI, Adriana. (2013). Trânsitos: brasileiras nos mercados transnacionais do sexo. Rio de Janeiro: EdUERJ.

SIMÕES, Soraya Silveira. (2010). Vila Mimosa: etnografia da cidade cenográfica da prostituição carioca. Niterói: EdUFF, 2010.

SOUSA, Fabiana Rodrigues. (2012). A noite também educa: compreensões e significados atribuídos por prostitutas à prática da prostituição. Tese (Doutorado) - Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

SOUSA, Fabiana Rodrigues. (2007). Saberes da vida na noite: percepções de mulheres que prestam serviços sexuais sobre o educar-se nas relações com seus clientes. Dissertação (Mestrado) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

SWAIN, Tânia. (2004). “Banalizar e naturalizar a prostituição: violência social e histórica”. In: Revista Unimontes Científica. Montes Claros, v. 6, n. 2, pp. 23-28, jul/dez.