Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Narrar na Escola Inclusiva: Interação e Modos de Significação

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v17n2p79-91

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Ana P. Freitas1, Dálethy Moreno2 & Letícia G. Oliveira3

 

Resumo: Este estudo fundamentou-se na teoria histórico-cultural do desenvolvimento humano e na perspectiva enunciativo-discursiva da linguagem. O objetivo foi compreender as possibilidades de desenvolvimento da linguagem narrativa em uma criança com necessidades educacionais especiais no espaço educacional. A pesquisa foi realizada em uma escola municipal de educação infantil, tendo como foco uma aluna de cinco anos que apresenta atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Para a coleta de dados, foram feitas filmagens semanais das atividades ocorridas na sala de aula durante o primeiro semestre de 2008. Os dados selecionados para a análise privilegiaram as interações da aluna com a professora ou com a monitora durante a atividade de leitura de histórias infantis. Os resultados indicam que a professora realiza a leitura para os alunos, mas não há proposta de reconto como possibilidade de desenvolvimento do narrar. A aluna usa gestos e vocalizações com intenção comunicativa. Todavia, ocasionalmente, é atribuído um intuito discursivo a essas esferas de linguagem, e suas possibilidades de linguagem não estão sendo significadas no espaço escolar. Considera-se necessária a ressignificação por parte dos educadores sobre os modos de significação da linguagem da criança e as possibilidades de a escola oferecer situações interacionais significativas para a ocorrência da constituição da linguagem narrativa.

Palavras-chave: narrativa; necessidades educacionais especiais; educação

 

Abstract: This study was based on the historical-cultural theory of human development and on the declarative-discursive perspective of language. The aim was to understand the possibilities of development of a narrative language in a child with special educational needs in a school environment. The research was carried out at a local elementary school and focused on a five-year old student with neuropsychomotor delay. The classroom activities were filmed weekly during the first semester of 2008. The data collected for analysis privileged the student’s interactions with the teacher or monitor during storytelling activities. Results show that the teacher reads to the students but there is no story retelling activity with the aim of developing narration. The student uses gestures and vocal sounds to communicate. However, a discursive intent is occasionally attributed to these language modes and the child’s language possibilities are not given meaning in the school. Educators should, therefore, give new significance to the child’s modes of language and the school should offer meaningful interactive situations in order to develop the narrative language.

Key words: Storytelling; special educational needs; education

 

1 Doutora em Educação, Docente do Programa de Mestrado em Educação do Centro Universitário Moura Lacerda ana.freitas@mouralacerda.edu.br
2 Fonoaudióloga Fonoaudióloga Corporativa – Raizen Energia S/A moreno.fono@gmail.com
3 Fonoaudióloga Prefeitura Municipal de Limeira e Núcleo de Valorização Humana: Nova Vida legondo@gmail.com

 

Literatura Citada

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96.Brasília, 1996. Disponível em http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/ldb.pdf >. Acesso em: 08 maio 2011.

BRASIL. Plano Nacional de Educação, Ministério da Educação e Cultura, Brasília, 2000. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/pne.pdf >. Acesso em: 26 maio 2011.

DAINEZ, D. A inclusão escolar de crianças com deficiência mental: focalizando a noção de compensação na abordagem histórico-cultural. Dissertação (Mestrado em Educação) – PPGE em Educação da Faculdade de Ciências Humanas. Piracicaba: Universidade Metodista de Piracicaba, 2009.

FEDOSSE, E.; DAL POZZO, I.M.P. O processo de avaliação/acompanhamentofonoaudiológico orientado por teorias sócio-interacionistas-um estudo de caso. In : LACERDA, C.B.F.; PANHOCA, I. (Org.). Tempo de Fonoaudiologia III. Taubaté: Cabral Editora Universitária, p. 43-54, 2002.

FERREIRA, M.C.C.; FERREIRA, J.R. Sobre inclusão, políticas públicas e práticas pedagógicas. In: GÓES, M.C.R.; LAPLANE, A.L.F. de (Org.). Políticas e Práticas de Educação Inclusiva. Campinas: Autores Associados, p. 21-48, 2004.

FERREIRA, M. C. C. Os movimentos possíveis e necessários para que uma escola faça a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R; VICTOR, S. L. (Org.) Pesquisa e Educação Especial: Mapeando Produções. Vitória: Edufes, 2006. p. 139-154.

FREITAS; A.P. de.; MONTEIRO, M. I. B. (In)apropriações das práticas pedagógicas na educação de alunos com necessidades educacionais especiais. 33ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED. Caxambu, MG, p. 1-14, 2010. Anais... Meio Digital: ISSN 2175-8484 Disponível em http://www.anped.org.br/33encontro/internas/ver/trabalhos-gt15. Acesso em: 26 maio 2011.

GÓES, M.C.R. de. Desafios da inclusão de alunos especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In: GÓES, M.C.R. de; LAPLANE, A.L.F. de (Org.). Políticas e Práticas de Educação Inclusiva. Campinas: Autores Associados, p. 69-92, 2004.

LAPLANE, A.L.F. de. Notas para uma análise dos discursos sobre inclusão escolar. In: GÓES, M.C.R. de; LAPLANE, A.L.F. de (Org.). Políticas e Práticas de Educação Inclusiva. Campinas: Autores Associados, p. 5-20, 2004.

MASSI, G.A.A. Linguagem e paralisia cerebral: Um estudo de caso do desenvolvimento da narrativa. Curitiba: Editora Maio, 2001.

OLIVEIRA, G. L; CAMARGO, E. A. A. Linguagem narrativa e inclusão no espaço educacional. Universidade Federal de São Carlos: PÓS-CONGRESSO IV CBMEE, 2009 (no prelo).

PANHOCA, I. O grupo terapêutico-fonoaudiológico e a leitura infantil – Constituindo um Saber. Distúrbios da Comunicação, São Paulo: EDUC, v. 11, n.1, p. 29-57, 1999.

PANHOCA, I. et al. O Grupo Terapêutico-Fonoaudiológico e o Processo de Construção da Identidade e da Subjetividade. Fonoatual. São Paulo, ano 8, n. 31, p. 53-59, jan./mar. 2005.

PEROTINO, S. O estatuto da narrativa oral no desenvolvimento da linguagem de crianças no contexto patológico sob uma perspectiva discursiva. Cadernos de Estudos Lingüísticos: lingüística e cognição. Campinas, n. 45, p. 69-77, 2003.

PERRONI, M.C. O desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

SMOLKA, A.L.B. Conhecimento e produção de sentidos na escola: a linguagemem foco. Cadernos CEDES: Implicações pedagógicas do modelo histórico-cultural. Campinas, ano XX, n. 35, p. 50-61, Jul/ 2000.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VIGOTSKI,L.S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L.S. Fundamentos de Defectologia. Obras Completas. Tomo 5. Playa, Ciudad de La Habana: Editorial Pueblo y Educacion,1989.