Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Revista Nova Escola enquanto Propulsora de Posturas Docentes Inovadoras

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v16n1p89-103

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Marcos Silva1 & Lucineia S. Feitosa2

 

Resumo: O artigo visa demonstrar o papel desempenhado pela revista Nova Escola na história da educação brasileira e sua influência cultural na reforma educacional implementada no país, durante a década de 1990. Seguindo uma metodologia baseada na História Cultural, mostra que essa revista refletiu, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, a influência de fatores culturais como condicionantes de sua atuação. Em função disso, este estudo adota como hipótese central a ideia de que a Nova Escola assumiu a tarefa de fornecer insumo a uma nova cultura docente no Brasil. A partir daí, os autores se esforçam por conceituar cultura docente, além de relacionar alguns aspectos da nova prática professoral defendidos pela revista. Conclui, defendendo a necessidade de perquirir a representação docente sobre a atuação do periódico educacional analisado e demonstrando a importância da reação docente na determinação do sucesso ou fracasso das reformas educacionais.

Palavras-chave: Reforma educacional – cultura docente – revista nova Escola

 

Abstract: The article aims to demonstrate the role played by the Nova Escola Magazine in the history of Brazilian education and its cultural influence in the Educational Reform implemented in the country in the 1990s. Adopting as central hypothesis the idea that the Nova Escola Magazine assumed the task of implementing a new educational culture in Brazil, we discuss some aspects of the new professorial practices defended by the magazine.

Key words: Educational Reform – Teaching Culture – Nova Escola Magazine

 

1 Universidade Federal de Sergipe (UFS) silva.marcos@uol.com.br
2 Universidade Federal de Sergipe (UFS) neyali@hotmail.com

 

Literatura Citada

ABRIL. Disponível em: http://www.abril.com.br/br/conhecendo/conteudo_43901.shtml. Acesso em: 3 mar. 2006.

ASSMANN, H. Metáforas novas para reencantar a educação: epistemologia e didática. Piracicaba: Editora Unimep, 1996.

BARROS, J. D’A.. A história cultural francesa: caminhos de investigação. Revista de História e Estudos Culturais. out./ nov./ dez. de 2005. Vol. 2, Ano II, n. 4. Disponível em: http://www.revistafenix.pro.br. Acesso em: 15 mar. 2006.

BURKE, P. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

BURKE, P. Cultura popular na idade moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CARDOSO, C. F. Uma introdução à história. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CASASSUS, J. Areforma cultural na América Latina no contexto de globalização. Cadernos de Pesquisas, n. 114, nov. de 2001.

CATANI, A. M. Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Organizado por Afrânio Mendes Catani e Romualdo Portela de Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

Censo Escolar. Sinopse estatística da Educação Básica – 2004. – Ministério da Educação – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília, setembro de 2005. Disponível em: http://www.inep.gov.br/basica/censo/Escolar/Sinopse/sinopse.asp. Acesso em: 3 mar. 2006.

NOGUEIRA, M. A.; CATANI A. (Organizadores). Escritos de educação.2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. – (Ciências Sociais da educação).

FALCON, F. J. C. História cultural: uma visão sobre a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

FARIA, G. G. G. de. A Revista Nova Escola: um projeto político-pedagógico em andamento (1986-2000). Disponível em: http://www.anped.org.br/25/ginaglaydesfariat05.rtf. Acesso em: 27 fev. 2006.

FRAGO, A. V. Historia de la educación y historia cultural: posibilidades,problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação. set/out/nov/dez. 1995. n. 0. ANPED. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação.

FREIRE, V. T. O Intelectual da Discordância. Folha de S. Paulo. São Paulo: 3 de dez., 1995. Caderno Mais.

FREITAS, L. C. de A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 86, p. 33-170, abril 2004 Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 10 mar. 2006.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 82, p. 93-130, abril 2003. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 27 fev. 2006.

GATTI JÚNIOR, D.; PESSANHA, E. C.. História da Educação, Instituições e Cultura Escolar: conceitos, categorias e materiais históricos. In: História da educação em perspectiva: ensino, pesquisa, produção e novas investigações/Décio Gatti Júnior, Geraldo Inácio Filho (orgs.) – Campinas, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU, 2005. (Coleção Memória da Educação).

GENTILE, P.; BENCINI, R. Para aprender e desenvolver competências. Nova Escola: a revista do professor. São Paulo. setembro de 2000.

GOMES, C. A. Alocação de recursos para a educação em tempo de crise: razões que a razão desconhece. Revista Iberoamericana de Educación. n. 14. Financiación de la Educación. mayo-agosto 1997. Biblioteca Digital da OEI. Organización de Estados Iberoamericanos Para la Educación, la Ciencia y la Cultura. Disponível em: http://www.campus-oei.org/oeivirt/rie14a03.htm. Acesso em: 10 mar. 2006.

GONZÁLES, J. M. Globalização, neoliberalismo, educação e diversidadecultural. In: Narrativas da Pós-modernidade na pesquisa histórica. Sandra de Cássia Araújo Pelegrini, Silvia Helena Zanirato (orgs.). Maringá: Eduem, 2005.

SAVIANI, D.; LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. (Organizadores) História e história da educação. CamPinas: Autores Associados: HISTEDBR, 1998. – (Coleção Educação Contemporânea).

MARTINS, A. M. A descentralização como eixo das reformas do ensino:uma discussão da literatura. Educação & Sociedade, ano XXII, n. 77, dezembro/2001.

MEC Assessoria de Comunicação Social. Disponível em: http://mecsrv04.mec.gov.br/acs/asp/noticias/noticiasId.asp?Id=4163. Acesso em: 8 set. 2008.

NEVES, L. M. W.. (Org.) Educação e política no limiar do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2000. (Coleção Educação Contemporânea).

NUNES, C. História da Educação Brasileira: novas abordagens de velhos objetos. Disponível em: http://www.prossiga.br/anisioteixeira/index.html. Acesso em: 31 mar. 2002.

NUNES; C. CARVALHO, M. M. C. de. Historiografia da educação e fontes. Texto encomendado para a XV Reunião Anual da ANPED, Caxambu, 1992.

OLIVEIRA, R. P. de. Reformas educativas no Brasil na década de 90. In: CATANI, A. M. Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Organizado por Afrânio Mendes Catani e Romualdo Portelade Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PASTORE, A. C.; PINOTTI, M. C. A capacidade de crescer e as políticas macroeconômicas. XIV Fórum Nacional. Rio de Janeiro, Maio de 2002. Disponível em: http://forumnacional.org.br. Acesso em: 10 mar. 2006.

PEDROSO, L. A. A Revista Nova Escola: política educacional na “nova república”. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1999. Tese de Doutorado.

PEQUENO DICIONÁRIO FILOSÓFICO. São Paulo: Hemus, 1977. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PNUD Brasil. Disponível em: http://www.undp.org.br. Acesso em: 10 mar. 2006.

RAMOS, M. E. T. A “alma do negócio”: o ensino de qualidade total nos parâmetros curriculares nacionais. Disponível em: http://www.anpuh.uepg.br/historia-hoje/vol1n2/almadonegocio.htm. Acesso em: 28 fev. 2006.

REVISTA NOVA ESCOLA. São Paulo. Fundação Victor Civita, 1986- 2002. Revista Nova Escola, março de 2006. Edição 190.

RICCI, R. Vinte anos de reformas educacionais. Revista Iberoamericana de Educación. n. 31. (2003). Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura. Disponível em: http://www.oeibrpt.org/. Acesso em: 10 mar. 2006.

SILVA, T. T. da. Sociologia da Educação e Pedagogia Crítica em Tempos Pós-Modernos. In: _____. Teoria Educacional Crítica em Tempos Pós-Modernos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

VIÑAO, A. ¿Fracasan las reformas educativas? la respuesta de um historiador. In: Educação no Brasil: história e historiografia. Sociedade Brasileira de História da Educação. (Organizadora) – Campinas: Autores Associados: São Paulo: SBHE, 2001. (Coleção memória da educação).