Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Meio Ambiente e Televisão: Um Perfil da Programação Regional Aberta no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v34n1p57-81

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Verônica D. Meneses1

 

Resumo: O presente artigo traça um panorama da programação regional/local da televisão aberta no Brasil com o objetivo de destacar as relações entre as identidades culturais e as questões relativas ao meio ambiente e a informação ecológica na produção televisiva regional. Buscamos perceber de que forma se configuram essa regionalização e a presença dos programas e temas ambientais na programação, levantando conceitos como o de fluxo e gêneros televisivos. A análise atenta ainda para os processos de diferenciação cultural ligados às questões ambientais, aos quais os produtores devem estar atentos diante das novas configurações do setor audiovisual.

Palavras-chave: Televisão Aberta. Meio Ambiente. Regionalização. Identidades Culturais

 

Abstract: This article brings an overview of the local/regional open-broadcast programming in Brazil, in order to show the relationships between cultural identities and environmental issues as well as ecological information and the regional television production. We seek to understand how this regionalization and the presence of environmental subjects on the broadcast programming are configured raising concepts such as flow and television genre. The analysis also addresses the cultural differentiation processes linked to environmental issues that should be considered by producers in view of the audio-visual sector’s new configurations.

Key words: Open TV. Environment. Regionalization. Cultural Identities

 

1 Doutora em Comunicação, professora do curso de comunicação social/jornalismo da Universidade Federal do Tocantins. Palmas, TO, Brasil. E-mail: veronica@uft.edu.br

 

Literatura Citada

ARAÚJO, A. P. Responsabilidade social e desenvolvimento do jornalismo ambiental no Tocantins. 2009. 74 p. Monografia (Graduação em Comunicação Social – Jornalismo) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2009.

ARONCHI DE SOUZA, J. C. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

BARROSO, F. L. A. A hora do povo na TV. Análise do discurso de uma experiência “popular” de televisão. 1996. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande, 1996.

BAYMA, I. F. C. A concentração da propriedade de meios de comunicação e o coronelismo eletrônico no Brasil. Revista de Economia Política das Tecnologias da Informação e Comunicação, v. III, n. 3, Set.- -Dez 2001. Disponível em: <http://www.eptic.he.com.br> p. 140-171. Acesso em: 28/01/2011.

BAZI, R. E.R. TV Regional: trajetória e perspectivas. Campinas: Alínea, 2001.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Trad. de Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor, 1997.

BRASIL. Constituição, 1988.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31de agosto de 1981.

BRASIL. Lei no 9.472, de 16de julho de 1997.

BRITTOS, V. C. (Org.). Comunicação na fase da multiplicidade da oferta. Porto Alegre: Nova Prova, 2006.

BUENO, W. C. Comunicação, jornalismo e meio ambiente: teoria e pesquisa. São Paulo: Mojoara, 2007.

CAMPONEZ, C. Jornalismo de proximidade: rituais de comunicação na imprensa regional. Coimbra: Minerva, 2002.

CAPPARELLI, S.; LIMA, V. A. Comunicação e televisão: desafios da pós-globalização. São Paulo: Hacker, 2004.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, C. (coord.) Cartografia Audiovisual Brasileira de 2005. Um estudo quali-quantitativo de TV e cinema. São Leopoldo/RS: Fundação Padre Urbano Thiesen, 2006.

CERTEAU, M. A invenção docotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1.

COSTA, H. Divisor de águas.Tela Viva News, ano 17, n. 182, p. 46-48, mai. 2008.

DUARTE, E. B. Televisão: ensaios metodológicos. Porto Alegre/RS: Sulina, 2004.

FISKE, J. Television culture.London: Routledge, 1987.

HELLER, A.; FEHÉR, F. A condição política pós-moderna. Trad. Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. São Paulo: Senac, 2005.

MONTORO, T. A La violencia como noticia: un análisis de los telediarios de mayor audiencia en Brasil. Tese (Doutorado) - Facultad de Ciencias de la Comunicación, Universidad Autónoma de Barcelona, Bellaterra, 2001.

MONTORO, T. A construção do imaginário feminino no cinema espanhol contemporâneo. In: MONTORO, T.; CALDAS, R. (Orgs.). De olho na imagem. Brasília: Fundação Astrogildo Pereira/Abaré, 2006.

OROZCO GÓMEZ, G. Televisión, audiencias y educación. Colombia: Norma, 2001.

SILVA, C. P. Programa regional de televisão: uma perspectiva de definição dos emissores das mensagens televisivas no Espírito Santo. CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 25., 2002, Salvador. Anais… Salvador: Set. 2002.

SOUZA, J. C. P. V. B. Comunicação e movimento ambientalista: bactéria verde dentro do organismo global. CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 26. 2005, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: 2005.

TRIGUEIRO, A. Meio ambiente na idade mídia. In: TRIGUEIRO, A. (Org.). Meio Ambiente no Século 21: especialistas falam da questão nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.