crosscheckdeposited

Second Life: Vida e Cidadania Além da Realidade Virtual?

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v28n47p13-27

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Francisco J. P. Pimenta1 & Júlia P. Varges2

 

Resumo: Esta comunicação descreve uma etapa da pesquisa de campo dirigida ao estudo de duas plataformas de entretenimento eletrônico, a já tradicional The Sims e a mais recente Second Life, a partir de questões sobre as inter-relações entre vivências no cotidiano físico, concreto, e as novas possibilidades de relacionamentos humanos em cenários digitais imersivos como base para a participação política. Como conclusão parcial, sugere que a instância das trocas digitais não está apta a e nem deve substituir os encontros pessoais, especialmente quando estão em jogo questões relacionadas à sociedade, à política e à cidadania.

Palavras-chave: Cidadania – Movimentos sociais – Imersão digital.

 

Abstract: This communication is an attempt to describe one stage of a field research done on two platforms of eletronic entertainment, the already traditional The Sims and the recent Second Life, on the basis of the interelation between experiences in the physical, concrete world and the new possibilities of human relationships in digital immersive interfaces as a base for political participation. As a partial conclusion, it suggests that the scenes of digital exchanges are not able to and must not substitute the personal contact, especially when concerning subjects related to the society, politics and citizenship.

Key words: Citizenship – Social movements – Digital immersion.

 

1 Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC/SP - TSOA/NYU), é professoradjunto IV da Facom/UFJF.
2 Graduada em Comunicação pela Facom/UFJF, é bolsista de Iniciação Científica da mesma instituição.

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FICÇÃO CIENTÍFICA E FANTÁSTICO. Second Life: a Matrix a nosso alcance. 2006. Disponível em <http://www.simetria.org/visual1layout1article197.html>.

DEBÓRD, Guy. Methods of détournement. In: Les Lèvres Nues #8, 1956.

DEBÓRD, Guy. Relatório sobre a construção de situações e sobre as condições de organização e de ação da tendência situacionista internacional. In: JACQUES, Paola (org.). Apologia da deriva. Rio: Casa da Palavra, 2003.

FERRARA, Lucrecia. Design em espaços: São Paulo: Rosari, 2002.

FERRARA, Lucrecia. Cidade: fixos e fluxos. In: SIMPÓSIO INTERFACES DAS REPRESENTAÇÕES URBANAS EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO, Bauru (SP), 2005. Anais... Bauru: Sesc-SP, FAAC, AGB, 2005.

GIBSON, William Neuromancer. São Paulo: Aleph, 2003.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1971.

JUSTIÇA, Maria Paula. A internet no contexto escolar. 2003. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php?html2=justica-paula-Internet-contexto-escolar.html>.

LINDEN LAB. Second Life.exe para Windows XP. São Francisco, 2002. 21 megabytes. [Pesquisa de campo].

McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1979.

MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. SãoPaulo: Itaú Cultural / Unesp, 2003.

PEIRCE, Charles Sanders. Collected papers. 8 vols. Cambridge: Harvard University Press, 1931 1958.

PIMENTA, Francisco J. P. Hipermídia e ativismo global. Rio: Sotese, 2006a.

PIMENTA, Francisco J. P. Pragmatismo: referência epistemológica para ciberativistas? In: XV COMPÓS, Bauru (SP), 2006. Anais... Bauru: Unesp, 2006b.

SECOND LIFE. <http://secondlife.com>. Último acesso em: 19 maio 2006.

VARGES, Julia. RPGs online como desvio do ideário situacionista. In: III ENRECOM, Juiz de Fora (MG), 2005. Anais... Juiz de Fora: Facom/UFJF, 2005. 1 cd.

WIKIPEDIA. <http://www.wikipedia.org>. Último acesso em 19 maio 2005.