Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Subsídios para o Estudo do Conceito de Relações Públicas no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v24n39p127-154

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Fábio França1

 

Resumo: Este artigo estuda as origens do conceito de relações públicas no Brasil: como se formou, fatores e movimentos que influenciaram o seu desenvolvimento e levaram à regulamentação legal da atividade. Analisa as definições de comumente aceitas pelas escolas e pelos docentes da disciplina. Questiona se houve ou não a adaptação da atividade à cultura brasileira e a falta de um grupo de especialistas que tivesse autoridade e apoio da categoria para conduzir, conceitual e operacionalmente, relações públicas no País. Estuda também as opiniões de autores que apresentam outras visões de relações públicas, além das tradicionais. Uma discussão de perspectivas não-institucionais é apresentada no final do artigo.

Palavras-chave: Produção científica – Relações públicas – Conceito de relações públicas – Regulamentação legal – ABRP – Cultura brasileira.

 

Abstract: The article traces the evolution of the public relations concept in Brazil, its historical origins, the issues and the contributing forces that were influential in its development, and the circumstances which led to the regulation of the public relations profession. It analyses definitions, which are commonly accepted by public relations researchers and academics. The issue of whether imported definitions were adopted to create a national character of public relations in Brazil is challenged. The absence of a group of public relations specialists capable of leading, both the theoretical bases and applied research for application of public relations in Brazil, is also discussed. The article closes with an analysis of non-institutional perspectives.

Key words: Scientific production – Public relations – Concept of public relations – Legal regulation – ABRP – Brazilian culture.

 

1 Professor-pesquisador do Curso de Relações Públicas da Universidade Metodista de São Paulo, é graduado em Filosofia e Psicologia. Fez especialização em Relações Públicas na PUC/RJ e mestrado e doutorado em Ciências da Comunicação na ECA-USP, onde apresentou a dissertação Comunicação institucional na era da qualidade total e defendeu a tese Estratégia de relacionamentos com públicos específicos. É co-autor, com Sidinéia Gomes Freitas, do livro Manual de qualidade em projetos de comunicação. E.mail: ffranca@uol.com.br.

 

Literatura Citada

ALBUQUERQUE, Adão Eunes. Planejamento das relações públicas. Porto Alegre: Acadêmica, 1981.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Dicionário profissional de relações públicas e comunicação. São Paulo: Summus, 1996.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Para entender relações públicas. São Paulo: Loyola, 1993.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Administração de relações públicas no governo. São Paulo: Loyola, 1982.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Curso de relações públicas. 3a. ed. São Paulo: Atlas, 1980.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Psicossociologia das relações públicas. Petrópolis: Vozes, 1975.

ANDRADE, C. Teobaldo de Souza. Panorama histórico de relações públicas. São Paulo: ECA-USP, 1972.

BAUS, Herbert M. Relações públicas: dinâmica e prática. Trad.de Carlos Peixoto de Castro. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

CANFIELD, Bertrand R. Relações públicas: casos e problemas. 2 v. Trad. de Olívia Krahenbuhl. São Paulo: Pioneira, 1961.

CARLSON, Eric. Relações públicas. Revista Idort. São Paulo: Idort, nn. 262/ 3/4, 1953.

CHILDS, Harwood L.. Relações públicas, propaganda e opinião pública. Rio de Janeiro: FGV, 1964.

CONFERP. Conclusões do Parlamento Nacional de Relações Públicas. Brasília: Conferp, 1998.

EVANGELISTA, Marcos F. Relações públicas: fundamentos e legislação. 2a. ed. Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1977.

EVANGELISTA, Marcos F. Planejamento de relações públicas. Rio de Janeiro, Tecnoprint, 1983.

FERRARI, Maria Aparecida. Introdução. In: TEIXEIRA, João Evangelista. Relações públicas na Umesp: 30 anos de história. São Bernardo do Campo: Editora da Umesp, 2002. 

FORTES, Waldyr Gutiérrez. Relações públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. 2a. ed. ampliada. São Paulo: Summus, 2003.

FORTES, Waldyr Gutiérrez. Transmarketing: estratégias avançadas de relações públicas no campo de marketing. São Paulo: Summus, 1999.

FORTES, Waldyr Gutiérrez. Pesquisa institucional: diagnóstico organizacional para relações públicas. São Paulo: Loyola, 1990.

FRANÇA, Fábio. Relações públicas: estratégia de relacionamentos com públicos específicos. São Paulo, 2002. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – ECA-USP.

FRANÇA, Fábio. Relações públicas: visão 2000. In: KUNSCH, Margarida M. Krohling (org.). Obtendo resultados com relações públicas. São Paulo: Pioneira, 1997b. p. 3-17.

GURGEL, J. B. Serra e. Cronologia da evolução histórica das relações públicas. 3a. ed. Brasília: Linha Gráfica e Editora, 1985.

GRUNIG, James E. Public relations techniques. New York: Harcourt Brace College Publishers, 1994.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, 1997a. (org.). Obtendo resultados com relações públicas. São Paulo: Pioneira, 1997b.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Universidade e comunicação na edificação da sociedade. São Paulo: Loyola, 1992.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. São Paulo: Summus, 1986.

MARQUES DE MELO, José. Relações públicas: essência e aparência. In: PERUZZO, Cicilia M Krohling. Relações públicas no modo de produção capitalista. 2a. ed. São Paulo: Summus, 1986. p. 15-16.

MORA, J. Ferrante. Dicionário de filosofia. São Paulo: Loyola, 2001.

OLIVEIRA, José Xavier. Usos e abusos de relações públicas. Rio de Janeiro: Agir, 1970.

PENTEADO, José R. W. Relações públicas nas empresas modernas. I2a. ed. São Paulo: Pioneira, 1971.

PERUZZO, Cicilia M Krohling. Relações públicas no modo de produção capitalista. 2a. ed. São Paulo: Summus, 1986. [1a. ed. – 1982].

PINHO, J. B. Comunicação institucional: usos e funções de propaganda em relações públicas. São Paulo: Summus, 1990.

POYARES Walter Ramos. Comunicação social e relações públicas. Rio de Janeiro: Agir, 1974.

REILLY, William. Sucesso na relações humanas. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1960.

SARAIVA, F. R. dos Santos. Novíssimo diccionário latino-portuguez. 8a. ed. Rio de Janeiro/Paris: Livraria Garnier, 1927. [Verbete “transcendente”, p.1216].

SIMON, Raymond et al. (orgs.). Relações públicas: perspectivas de comunicação. Trad. de Augusto Reis. São Paulo: Atlas, 1972.

SIMÕES, Roberto Porto. Relações públicas: função política. 3a. ed. São Paulo: Summus, 1995.

SIMÕES, Roberto Porto. Relações públicas e micropolítica. São Paulo: Summus, 2001.

TEIXEIRA, João Evangelista. Relações públicas na Umesp: 30 anos de história. São Bernardo do Campo: Editora da Umesp, 2002.

THOMAZI, Maria Stella. Contribuição da Associação Brasileira de Relações Públicas para a profissão de relações públicas no Brasil. São Bernardo do Campo, 1986. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Instituo Metodista de Ensino Superior.

WEY, Hebe. O processo de relações públicas. São Paulo: Summus, 1983.

ZAPATA, Júlio. Começando, trinta anos depois do início! O Parlamento Nacional de Relações Públicas como fonte para determinar incertezas e problemas da profissão. São Paulo, 1998. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – ECA-USP.