Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Relações Públicas e Folkcomunicação: Reflexões à Luz da Teoria da Ação Comunicativa

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v22n34p129-144

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Antonio T. Barros1

 

Resumo: Analisa algumas possibilidades de atuação do profissional de relações públicas no universo da folkcomunicação. Toma como base a teoria da ação comunicativa, de Jürgen Habermas. Considera que as atividades de relações públicas se desenvolveram e se consolidaram no âmbito do mundo sistêmico, relegando a segundo plano o mundo vivido. Diante dessa constatação, alerta para o fato de que as empresas modernas, no contexto da sociedade globalizada, bem como as organizações não-governamentais (ONGs), têm se voltado também para os aspectos social e comunitário. Essa nova tendência constitui, assim, uma janela de oportunidades para a atuação do profissional de relações públicas no universo do que Habermas denomina de mundo vivido, uma vez que este conceito incorpora, inclusive, elementos da comunicação popular, festas e celebrações populares, que são manifestações típicas do campo da folkcomunicação.

Palavras-chave: Relações Públicas, folkcomunicação, teoria da ação comunicativa, Habermas.

 

Abstract: This paper analyses some possibilities of action of the public relations professional in the universe of folkcommunication. It takes as a basis the communicative action theory, by Jürgen Habermas, which considers the public relations activities have gotten developed and consolidated within the systemic world, relegating to background the live’s world. Before such realization, it attempts to the fact that the modern companies, in the context of the globalized society, as well as non-governmental organizations (NGOs), have also been facing social and communitarian aspects. This new trend so constitutes an opportunity window to the actuation of the public relations professional in the universe named for Habermas live’s world, once such concept incorporates, inclusively, elements of popular communication, parties and popular celebrations, which are typical of the folkcommunication.

Key words: Public Relations, folkcommunication, communicative action theory, Habermas.

 

1 Doutor em Sociologia e mestre em Comunicação, é proofessor do Curso de Comunicação Social do Centro Universitário de Brasília. E.mail: teixeira@mre.gov.br.

 

Literatura Citada

BARROS, Antonio T. de. Esfera pública, mídia e cidadania. Veritas. Porto Alegre, v. 40, n. 157, p. 87-111, mar. 1995.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação. In: ERBOLATO, Mário. Dicionário de propaganda e jornalismo. Campinas: Papirus, 1985, p.154.

CASCUDO, Luis da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.

D’AZEVEDO, Martha Alves. Visão contingencial das relações públicas: paradigma funcionalista. Revista de Biblioteconomia & Comunicação. Porto Alegre, n.6, p.67-79, jan./dez. 1994.

CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.

Da MATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

DURKHEIM, E. Lições de sociologia: a moral, o direito e o estado. São Paulo: Queiroz, 1983.

FONSECA, Ana Maria Eiroa da. As relações públicas segundo o paradigma humanista radical. Revista de Biblioteconomia & Comunicação. Porto Alegre, n.6, p.80-92, jan./dez. 1994.

INGRAM, David. Habermas e a dialética da razão. 2a. ed. Brasília: EdUnB, 1994.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1987.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, 1997.

LUCENA FILHO, Severino Alves de. O azulão do Bandepi: uma estratégia de comunicação organizacional. Recife, 1998.

PERUZZO, Cicília M. Krohling. Relações públicas no modo de produção capitalista. 3a. ed. São Paulo: Summus, 1986.

SIMÕES, Roberto Porto. Relações públicas: função política. São Paulo: Summus, 1995.

TEIXEIRA, Ana Cláudia C. Pensando as organizações não-governamentais no Brasil a partir da teoria da ação comunciativa de Jürgen Habermas. Temáticas. Campinas, v. 4, n.8, p.167-183, jul./dez. 1996.

TORO, Bernardo. Mobilização social e democracia: a construção da América Latina. In: MONTORO, T. (Org.). Comunicação e mobilização social. V. 1. Brasília: EdUnB, 1996a, p.68-74.

TORO, Bernardo. Mobilização social: uma teoria para a universalização da cidadania. In: MONTORO, T. (Org.). Comunicação e mobilização social. V. 1. Brasília: EdUnB, 1996b, p.26-40.

TORO, Bernardo. Mobilização social: um modo de construir a democracia e a participação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, 1996c.

WEBER, Max. Fundamentos da sociologia. 2a. ed. Porto: Res, 1983.