Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Folkcomunicação e Hibridização Cultural: Interação de Aportes para Pensar as Culturas Populares

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v22n34p145-159

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO 

downloadpdf

Mariana Mesquita1

 

Resumo: Entendendo o folclore não como tradições populares – cujo estudo ficaria limitado a “uma tentativa de conservação de manifestações culturais em extinção”, como bem aponta Benjamin (1999) – mas como cultura popular – um conceito que tem sido ampliado, abrindo-se mesmo “numa perspectiva de permanente produção imbricada com a cultura de massa” (Escosteguy, 1993) – procura-se, neste trabalho, tecer considerações acerca de possíveis interações entre as teorias da folkcomunicação e da hibridização cultural, dentro de uma perspectiva interdisciplinar e, ao nosso ver, fecunda.

Palavras-chave: Folclore, folkcomunicação, hibridização cultural, culturas populares.

 

Abstract: Understanding folklore not as popular traditions – which study would be limited to “an attempt of conservation of extinguishing cultural manifestations”, as well points out Benjamin (1999) – but as pop culture – a notion that has been magnified, wided even “in a perspective of permanent production imbricated with the mass culture” (Escosteguy, 1993) –, it is sought, in the present paper, the stitching of considerations on possible interactions between the theories of folkcommunication and cultural hybridization, in an interdisciplinary and, as we see, fruitful perspective.

Key words: Folklore, folkcommunication, cultural hybridization, pop cultures.

 

1 Jornalista e mestre em Comunicação Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. E.mail: marianamesquita@altavista.net.

 

Literatura Citada

BENJAMIN, Roberto. A nova abrangência da folkcomunicação. Cátedra Unesco. [Internet]. Disponível via WWW: <http://www.umesp.com.br/unesco/pcla/revista1/artigos3.htm> [29 maio 2000].

BENJAMIN, Roberto E. Câmara. Folkcomunicação e difusão de inovações. In: CALLOU, Ângelo Brás Fernandes (Org). Comunicação rural e o novo espaço agrário. São Paulo: Intercom, 1999. p. 135-149.

CANCLINI, Néstor García. Culturas hibridas y estrategias comunicacionales. Seminario fronteras culturales: identidad y comunicación en América Latina. Scotland: University of Stirling, 16-18 de outubro de 1996. [Mimeo].

CANCLINI, Néstor García. Culturas hibridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Sudamericana, 1995.

CANCLINI, Néstor García. Cultura transnacional y culturas populares: bases teorico-metodológicas para la investigación. In: CANCLINI, Néstor García, RONCAGLIOLO, Rafael (Orgs.). Cultura transnacional y culturas populares. Lima: Ipal, 1988.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: el espacio comunicacional como problema interdisciplinario. Telos, n.19, 1989.

ESCOSTEGUY, Ana C. Damboriarena. A pesquisa do popular na comunicação: uma análise metodológica. São Paulo, 1993. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – ECA-USP.

MARQUES DE MELO, José. Prefácio. In: BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980. p. VII-VIII.

MARQUES DE MELO, José. Luiz Beltrão: pioneiro dos estudos de folkcomunicação no Brasil. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. [Internet]. Disponível via WWW: <http://www.ubi.pt/~comum/melo-marques-LUIZ-BELTRAO.htm> [25 maio 2000].

MORAES, Dênis de. Notas sobre o imaginário social e hegemonia cultural. Gramsci e o Brasil. [Internet]. Disponível via WWW: <http://www.artnet.com.br/gramsci/arquiv44.htm> [17 mar 1999].

NASCIMENTO, Mariana C. Mesquita do. A discussão do popular e do massivo: características das culturas populares no capitalismo. In: João, Manoel, Maciel Salustiano: três gerações de artistas populares e sua comunicação com o massivo na perspectiva da reconversão cultural. Recife, 2000. Dissertação (Mestrado em Administração Rural e Comunicação Rural) – Universidade Federal Rural de Pernambuco. p.40-58.

SIMIONATTO, Ivete. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influência no serviço social. Florianópolis: Editora da UFSC; São Paulo: Cortez, 1995.