Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Implantação e o Crescimento do Islã no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v26n43p106-135

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Lidice M. P. Ribeiro1

 

Resumo: Este artigo pretende, por meio de uma retrospectiva histórica da implantação do islamismo no Brasil, juntamente com algumas de suas práticas e crenças, compreender seu crescimento numérico no País. Para tanto, dividiram-se os períodos de implantação no Brasil em três fases: islamismo de escravidão, islamismo de imigração e islamismo de conversão. Nas três fases são discutidas as características da recepção da mensagem pelos não islâmicos, observando se ocorreu uma adesão à nova religião ou uma conversão, tendo em vista que o ato de adesão compreende qualquer forma de participação em um movimento religioso, sem alteração sistemática do estilo de vida (cf. MOSSIÈRE, 2007, p. 9), ao contrário da conversão, que envolve uma mudança no sistema de valores e visão do mundo, “mudança que implica uma consciência de que uma grande mudança envolve que o antigo estava errado e o novo é o certo” (NOCK, 1933, p. 6-7).

Palavras-chave: Islamismo, reversão, islã, conversão, adesão.

 

Abstract: This article attempts to understand the numerical growth of Islam in Brazil through a historical review of its introduction and some of its practices and beliefs. For this purpose, we divide the introduction of Islam in Brazil in three phases: slavery, immigration, and conversion. We discuss how non-Muslims receive the Islamic message in each phase, making a distinction between association (the participation in a religious movement without lifestyle changes) (MOSSIÈRE, 2007, p. 9) and conversion (a change of worldview and value systems with an awareness that the old ways were wrong, and the new one is right) (NOCK, 1933, p. 6-7).

Key words: Islam, reversal, Islam, association, conversion

 

1 Doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo, docente do Programa de Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie

 

Literatura Citada

AL MUSSLEH, A.; AL MUSSLEH, S. A. O que todo muçulmano não pode desconhecer. Sem editora, 2010.

AL-MADINAH AL-MUNAUARAH. Alcorão português: tradução do sentido do nobre Alcorão para a língua portuguesa. Medina: Complexo de Impressão do Rei Fahd, s.d. ARANTES, J. T. O nascimento do islã. Revista Religiões, São Paulo: Abril, v. 2, p. 13-15, ago. 2003.

ASEFF, L. Considerações sobre a imigração libanesa na fronteira do sul do Brasil e no Uruguai. In: FARAH, P. D. (Org.). Presença árabe na América do Sul. São Paulo: BibliASPA, 2010.

ATTANTÁWI, A. Apresentação geral da religião do islã. São Paulo: Orgrafic, s/d.

BAALBAKI, E. H. A minoria islâmica brasileira. São Bernardo do Campo: Edição Revista Arrissala (A Missão), separata, s/d.

BASTIDE, R. As religiões africanas no Brasil. São Paulo: Pioneira/USP, 1971. v. 1 e 2.

BRANDÃO, T. Folguedo natalinos. Maceió: Museu Theo Brandão/UFAL, 2003.

BRUM, E. O islã cresce na periferia das cidades do Brasil. Revista Época, São Paulo, 30 jan. 2009. Disponível em: <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,ERT25342-15228-25342-3934,00.html>. Acesso em: 03 mai. 2011.

CANARD, M. D. In: VV.AA. The Encyclopaedia of Islam, v. II. Leiden: E.J. Brill, 2000.

CARDOSO, R. O novo retrato da fé no Brasil. Revista ISTOÉ, a. 35, n. 2180, p. 58-64, 24 ago. 2011.

CASTELNAU, F. Renseignement sur l`Afrique Central et sur une nation d’hommes à qujeu qui s`y trouverait: d`après le rapport de nègres du Soudan, esclaves à Bahia. Paris: P. Bertrand Librairie-Editeur, 1851.

DANTAS, B. G. Vovô, nagô e papai branco: usos e abusos da África no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DO RIO, J. As religiões do Rio. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006. Dois pesos e duas medidas. Revista Ultimato, Viçosa, a. XLV, n. 334, p. 16, jan.-fev. 2012.

DUARTE, A. Catalogo Ilustrado da coleção Perseverança. Maceió: IHGAL, 1974.

DUARTE, A. Negros muçulmanos nas Alagoas: os malês. Maceió: Caetés, 1958.

ETIENNE, I. B. La Secte musulmane dês malés du Bresil et ler revolt em 1835, Anthropos, vol. IV, fasc. 1, p. 409-412, jan.-feb. 1909.

FARAH, P. D. Árabes e descendentes no Brasil: das primeiras presenças no país à renovação cultural na América do Sul. In: FARAH, P. D. (Org.). Presença árabe na América do Sul. São Paulo: BibliASPA, 2010.

FARAH, P. D. E. Deleite do estrangeiro em tudo o que é espantoso e maravilhoso: estudo de um relato de viagem baghdali. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2007. (Tradução, notas, prefácio, texto analítico e transposição do manuscrito).

FERREIRA, F. C. B. Redes islâmicas em São Paulo: nascidos muçulmanos e revertidos. Revista Litteris, n. 3, p. 1-27, nov. 2009.

FREYRE, G. Casa-grande e senzala. 20. ed. Rio de Janeiro: Jose Olympio, 1980.

FURTADO, J. Os brasileiros convertidos ao islã. Revista IstoÉ, n. 1978, 26 set. 2007, Disponível em: <http://www.istoe.com.br/reportagens/3302_OS+BRASILEIROS+CONVERTIDOS+AO+ISLA>. Acesso em: 24 nov. 2011.

GLAZIER, S. D. (Ed.). The anthropology of religious conversion. Lanham: Midrowman and Littlefield, 2003.

HAMA, L. Sob os véus do islamismo. Revista Religiões, São Paulo, Abril, v. 6, p. 34-39, fev. 2004.

HERVIEU-LÉGER, D. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

IBRAHIM, I. A. Um breve guia ilustrado para compreender o islã. Londres: Darussalam Publishers, 2008.

MACHADO, B. O islam em perspectiva. In: SILVA, E. M. (Org.). Religião e sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010. p. 73-91.

MARQUES, V. L. M. Conversão ao islam: o olhar brasileiro, a construção de novas identidades e o retorno à tradição. 2000. 181 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2000.

MARQUES, V. L. M. Convertidos ao islã: brasileiros e portugueses. Revista Horizonte, Belo Horizonte, v. 8, n. 17, p. 125-145, abr.-jun. 2010.

MENDONÇA, A. G.; VELASQUES FILHO, P. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 2002.

MONTENEGRO, S. Discursos e contradiscursos: o olhar da mídia sobre o islã no Brasil. Mana, Rio de Janeiro: Museu nacional, v. 8, n. 1, p. 63-91, 2002.

MORAES FILHO, M. Festas e tradições populares no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Livreiros Editores, 1901. (Revisão e notas de Luís da Câmara Cascudo, Rio de Janeiro, 1946).

MOREIRA, F. Árabes no Brasil: um retrato de mascates e fé. O Globo Online, 17 ago. 2006. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2006/08/17/285309299.asp>. Acesso em: 3 mai. 2011.

MOSSIÈRE, G. A conversão religiosa: abordagens epistemológicas e a polissemia de um conceito. Working Paper, Depositado na Biblioteca Nacional do Canadá, Quebec, Montreal, 2007.

NOCK, A. D. Conversion: the old and the new in religion from Alexander of Hippo, London: Oxford University, 1933.

OSMAN, S. A. Caminhos da imigração árabe em São Paulo: história oral de vida familiar. Dissertação (Mestrado em História) - Departamento de História, FFLCH/USP, 1998.

OUALALOU, L. Islamismo cresce na periferia como instrumento para largar coisas ruins. 23 jan. 2010. Disponível em: <http://www.entrelinhasweb.com.br/clientes/opera/reportagensespeciaisver.php?idConteudo=2660>. Acesso em: 24 nov. 2011.

PINTO, P. G. H. R. Ritual, etnicidade e identidade religiosa nas comunidades muçulmanas no Brasil. Revista USP, São Paulo, n.. 67, p. 228-250, set.-nov. 2005.

PRANDI, R. Religião, biografia e conversão: escolhas religiosas e mudanças da religião. Tempo e Presença, a. 22, n. 320, p. 34-42, mar.-abr. 2000.

RAMOS, A. Introdução à antropologia brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1951. v. 1.

RAVELLI, J. Sem extremismo. Diário do Grande ABC, 15 ago. 2010. Disponível em: <http://www.dgabc.com.br/News/5825914/sem-extremismo.aspx>. Acesso em: 24 nov. 2011.

REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

RIBEIRO, L. M. P. O negro islâmico no Brasil escravocrata. Revista USP, São Paulo, no. 91, p. 139-152, set.-out.-nov. 2011.

SANTOS, D. J. S. Islã e oralidade: uma etnografia dos sermões do iman na Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro. In: SIMPOSIO DA ABHR, 12., 31 mai.-03 jun. 2011, Juiz de Fora, MG, Anais… Juiz de Fora, 2011.

SOARES, M. C.; MELLO, P. L. O resto perdeu-se? História e folklore: o caso dos muçulmanos em Alagoas. In: BARROS, R. R. A; CAVALCANTI, B. C.; FERNANDES, C. S. (Orgs.). Kulé kulé: visibilidades negras. Maceió: Edufal, 2006. p. 14-25.

TOMASSI, B. C. T. Assalamu aleikum favela: a performance islâmica no movimento hip-hop das periferias do ABCD e de São Paulo. 2011. 125 p. Dissertação (Mestrado em Artes) - Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

TOMASSI, B.; BARBOSA FERREIRA, F. C. Dos primeiros aos últimos poetas: a intersecção hip-hop – islã. Revista de Antropologia Social dos Alunos do PPGAS-UFSCar, v. 3, n. 2, p. 30-50, jul-dez. 2011.

VALENTE, W. Influências islâmicas nos grupos de culto afro-brasileiro de Pernambuco. Recife: Boletim do Instituto de Pesquisas Sociais Joaquim Nabuco, s/d.

VALENTE, W. Sincretismo religioso afro-brasileiro. Brasília: Brasiliana, 1976. v. 280. (Coleção Brasiliana).

VERGER, P. Flux et reflux de la traite des nègres entre le golfe de Bénin et Bahia de Todos os Santos. Paris: Mouton, 1968.

WALI, I. A. Conhecimento de Deus. Revista Religiões, Abril, São Paulo, v. 2, p. 66, ago 2003.