Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Prece como Elemento de Delimitação da Espacialidade Religiosa Afro-Brasileira Junto ao Meio Ambiente Natural

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v25n40p52-64

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Carlos J. S. Machado1 & Ramon F. F. Sobreira2

 

Resumo: O presente artigo – parte de uma pesquisa em curso no programa de Doutorado em Meio Ambiente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – tem por objetivo estabelecer uma relação entre prece e espacialidade religiosa afro-brasileira (que tem seu locus privilegiado junto ao meio ambiente natural) a partir de alguns conceitos básicos hauridos do pensamento de Marcel Mauss. A metodologia contemplou um estudo comparativo entre sistemas simbólicos religiosos greco-romanos (com base na obra clássica A Cidade Antiga, de Fustel de Coulanges) e afro-brasileiros. Apontaremos importantes semelhanças entre ambos os sistemas, para compreendermos como se distanciam, apenas no que tange à espacialidade. Nossa hipótese é de que as preces criam um sistema imagético que remete a uma determinada espacialidade, como apoio à eficácia do suplicante, o que definirá a necessidade dos rituais afro-brasileiros junto ao meio ambiente natural.

Palavras-chave: Práticas religiosas afro-brasileiras; construção social do meio ambiente; espacialidade religiosa.

 

Abstract: This paper – part of a research which one is being developed at the Environment Doctorate Program at Rio de Janeiro State University – aims to establish a close relation between prayers and the afro-Brazilian religions spatiality (which rituals are mostly done by or within the natural environment), taking as a start-point some basic concepts taken from Marcel Mauss’ work. The methodology has been built upon a comparative study between symbolic systems in ancient Greece and Rome (based on Fustel de Coulanges’, The Ancient City) and afro-Brazilian’s ones. We shall point out as both systems are similar, in order to understand as they differs only according to their spatiality. Our hypothesis is that prayers, as a support to the efficacy intended by the supplicant, are able to create imaginary systems which one leads to a certain spatiality, which will explain the need that afro-Brazilian rituals take place by the nature.

Key words: Afro-Brazilian religions practices; social construction of the environment; religious spatiality.

 

1 Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1985), mestrado em ciências da engenharia de produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e doutorado em Antropologia Social pela Université Paris V Sciences Sociales Sorbonne (1998). Atualmente, é Pesquisador em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)/Ministério da Saúde e Professor dos Programas de Pós-Graduação em Biodiversidade e Saúde (PPGBS-IOC) e Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS-ICICT) da Fiocruz e em Meio Ambiente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPG-MA/UERJ). E-mail: saldanhamachado@gmail.com .
2 Possui graduação em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1985) e em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1983). É mestre em Criminologia, pela Universidade Cândido Mendes (2002), especialista em Administração do Poder Judiciário pela Fundação Getúlio Vargas (2009) e doutorando em Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É professor universitário de disciplinas jurídicas no Centro Universitário Celso Lisboa e nas Faculdades Pestalozzi. E-mail: wowbetcha@terra.com.b

 

Literatura Citada

BARCELLOS, Mário Cesar. Os Orixás e o segredo da vida. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

BARROS, Marcelo (Org.). O candomblé bem explicado. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

BENISTES, José. Òrun Àiyé: o encontro de dois mundos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BUONFIGLIO, Mônica. Orixás. São Paulo: Oficina Cultural Esotérica, 1995.

COULANGES, Fustel de. A cidade antiga. São Paulo: Martin Claret, 2005.

MACHADO, Carlos José Saldanha. Tecnologia, meio ambiente e sociedade: uma introdução aos modelos teóricos. Rio de Janeiro: E-papers, 2004.

MAUSS, Marcel. La prière. Quebec: Université du Quebec, 2002. Disponível em: <http://classiques.uqac.ca/classiques/mauss_marcel/oeuvres_1/oeuvres_1_4/Mauss_la_priere.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2009.

OMOLUBÁ. Almas e Orixás na Umbanda. São Paulo: Cristális, 2002.

PEIRANO, Mariza G. S. A Análise antropológica dos rituais. Brasília, DF: UnB, 2000. Disponível em: <http://www.unb.br/ics/dan/Serie270empdf.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2009.

SANTANA, Ernesto. Orações umbandistas de todos os tempos. Rio de Janeiro: Pallas, 2004.

SARACENI, Rubens. Doutrina e teologia de Umbanda sagrada: a religião dos mistérios, um hino de amor à vida. São Paulo: Madras, 2007.

SOBREIRA, Ramon Fiori Fernandes; MACHADO, Carlos José Saldanha. Práticas religiosas afro-brasileiras, marco regulatório e uso do meio ambiente e do espaço urbano da cidade do Rio de Janeiro. Revista Visões Meio Ambiente, Macaé, n. 5, p. 71, 2008.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás: deuses iorubás na África e no Novo Mundo. Salvador: Corrupio, 2002.

VIEIRA, Cláudio Ribeiro. Manual Litúrgico da Umbanda. Rio de Janeiro: Lerfixa, 2003.