Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mercado e Discurso Religioso na Modernidade Líquida

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v23n37p205-216

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Eduardo G. M. Paegle1 & Eduardo M. A. Maranhão Filho2

 

Resumo: A forma de apropriação do “mercado dos bens de salvação (conforme Bourdieu)” visa, através de diferentes mídias, utilizar os conteúdos religiosos para conquistar o envolvimento e a adesão emocional de fiéis. Isso se associa à mercantilização do sagrado e a utilização de linguagens contemporâneas, bem como sua inserção num mercado de bens simbólicos. Entendemos também que as representações do discurso religioso inserido na modernidade fluida (segundo conceituação de Bauman) se desenvolvem por caminhos particulares, associando autoritarismo e polissemia.

Palavras-chave: discurso religioso; mercado religioso; polissemia; modernidade líquida

 

Abstract: The form of ownership of the “market for goods of salvation (as Bourdieu)” aims, through different media, using the religious content to conquer the emotional involvement and participation of the faithful. This is which combines the commercialization of the sacred and the use of contemporary language, and its place in a market of symbolic goods. We also believe that the representations of religious discourse inserted into fluid modernity (second conceptualization of Bauman) is developed by private roads, linking authoritarianism and polissemy.

Key words: religious discourse; religious market; polissemy; liquid modernity

 

1 Bacharel, licenciado e mestre em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente Doutorando do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas pela mesma universidade. Pesquisa sobre o culto como espetáculo entre os evangélicos brasileiros.
2 Bacharel e licenciado em História pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente mestrando em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), na área de concentração História do Tempo Presente. Bolsista PROMOP/UDESC. Pesquisa sobre espetáculo, mídia e consumo no neopentecostalismo.

 

Literatura Citada

ALVES, Rubem. Protestantismo e repressão. São Paulo: Ática, 1979.

AMARAL, Leila. “Deus é pop: sobre a radicalidade do trânsito religioso na cultura popular de consumo”. In: GIL, Benedito M.; SIEPIERSKI, Paulo D. (organizadores). Religião no Brasil: enfoques, dinâmicas e abordagens. São Paulo: Paulinas, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERGER, Peter. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulus, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, Pierre. A economia das Trocas Lingüísticas (o que falar quer dizer). São Paulo: EDUSP, 1996.

LYOTARD, Jean-François. A Condição Pós-Moderna. São Paulo: José Olympo, 1979.

MONTES, Maria Lúcia. “As figuras do sagrado entre o público e o privado”. In SCHWARCZ, Lílian M. História da Vida Privada no Brasil. v. 4. São Paulo: Editora Schwarcz, 2000.

ORLANDI, Eny Pulcinelli. “O Discurso Religioso” In: A Linguagem e seu Funcionamento. As Formas do Discurso. Campinas, SP: Pontes, 1987.

PAEGLE, Eduardo Guilherme de Moura. A religião fast food. Diário Catarinense. Florianópolis, 02 de fevereiro de 2008. Caderno de Cultura. p.4.