Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Confiabilidade na Interpretação às Cegas do Desenho da Figura Humana

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v18n1-2p58-68

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Maria O. Gottsfritz1 & Irai C. B. Alves2

 

Resumo: O Desenho da Figura Humana (DFH) permite a projeção de aspectos ligados à auto-imagem, de impulsos e ansiedades. Foram investigadas as interpretações feitas “às cegas” por 32 psicólogos, com base na sua experiência profissional, dos dois desenhos do DFH feitos por uma criança de 9 anos. As interpretações foram classificadas e as suas freqüências calculadas para verificar o grau de concordância entre os juízes e com as conclusões obtidas pela examinadora da criança com base no psicodiagnóstico completo. Constatou-se que entre 106 interpretações diferentes obtidas, 10 apresentaram entre 50% e 70% de concordância entre os juízes, 21 apresentaram entre 25% e 49%. Em relação à avaliação da examinadora nove interpretações tiveram concordância com os juízes entre 50% e 70% e seis entre 25% e 49%. Deste modo, concluiu-se que é possível obter um grau adequado de concordância nas interpretações entre avaliadores, empregando a avaliação às cegas do DFH.

Palavras-chave: Desenho de Figuras Humanas; Precisão do teste; Técnicas projetivas; Avaliação psicológica

 

Abstract: The Human Figure Drawing (HFD) permits projection of aspects linked to self-image, impulses and anxieties. Blind interpretations made by 32 psychologists, based in his own experience, of HFD two drawings made by a 9 year child were investigated. Interpretations were classified and their frequencies calculated to verify the level of agreement among judges and also with the complete psychodiagnosis conclusions given by the children examiner. Among 106 different interpretations provided by the judges, 10 presented a rate of 50% to 70% of agreement, and 21 presented between 25% and 49%. The child examiner psychodiagnosis agreed with the judges’ between 50% and 70% in nine interpretations and in six between 25% and 49%. It was concluded that it was found an adequate level of agreement of interpretations among judges using a blind assessment of HFD.

Key words: Human Figures Drawing; Test Reliability; Projective techniques; Psychological assessment

 

1 Autônoma. Dei aula por dezesseis anos na UNISA, durante este período fiz meu mestrado e doutorado no departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade da USP em avaliação psicológica sob a orientação da professora doutora Iraí Bocatto Alves. Atuo em consultório particular na área clínica. E-mail: magot1@terra.com.br
2 IPUSP. Professora doutora do IPUSP, autora de vários manuais, entre eles do teste Palográfico, do teste de Maturidade Mental Colúmbia e orientadora de teses de doutorado e mestrado. E-mail: iraicba@usp.br

 

Literatura Citada

Alves, I.C.B. (1997). As técnicas projetivas no psicodiagnóstico e sua função na psicoterapia. Anais do I Encontro de Psicologia Clínica. (p. 9-13) São Paulo: Universidade Mackenzie.

Alves, I.C. B. (2004). Técnicas projetivas: Questões atuais na Psicologia. In: C. E. Vaz & R. L. Graeff (Org.). Técnicas projetivas: Produtividade em pesquisa. (pp. 361-366). Porto Alegre: SBRo.

Alves, I.C.B. (2006). Considerações sobre a validade e a precisão nas técnicas projetivas. In: A. P. P. Noronha; A. A. A. Santos & F. F. Sisto (Orgs), Facetas do fazer em avaliação psicológica. (pp. 173-196). São Paulo: Vetor.

Anastasi, A, (1977). Testes Psicológicos. (2ª ed. rev.; D. M. Leite, trad.). São Paulo, EPU.

Anastasi, A. & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Anzieu, D. (1978). Os métodos projetivos. (M. L. E. Silva, trad.; 5a ed.). Rio de Janeiro: Editora Campus.

Arteche, A.X. (2006). Indicadores emocionais do Desenho da Figura Humana: Construção e validação de uma escala infantil. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Arzeno, M.E.G. (1995). Psicodiagnóstico clínico: Novas contribuições. (B. A. Neves, trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Ballas, Y.G. (2005). O Desenho da Figura Humana em adolescentes portadores de Diabetes Mellitus em comparação com adolescentes sadios. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Beck, M. & Bart, L. (1970). Inter-rater and test-retest reliability of a proportionality measure for the D-A-P. Perceptual and Motor Skills, 30 (1), 89-90. http://dx.doi.org/10.2466/pms.1970.30.1.89

Bleger, J. (1987). Temas de Psicologia entrevista e grupos. (3ª ed.; R M. Moraes, trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Buck, J.N. (1991). O caso de R.: Antes e depois da terapia. In: E. Hammer. Aplicações clínicas dos desenhos projetivos. (pp. 207-229; E. Nick, trad.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cunha, J.A. & Nunes, M.L.D. (1996). Medidas projetivas. In: Pasquali, L. (org.). Teoria e método de medida em ciências do comportamento. (pp. 341-361). Instituto de Psicologia U.N.B., I.N.E.P.

Fensterseifer, L. & Werlang, B. S. G. (2008). Apontamentos sobre o status científico das técnicas projetivas. (pp.15-33). In: A. E. Villemor-Amaral & B. S. G. Werlang, Atualizações em métodos projetivos para avaliação psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Freitas, P.G. (2008). O Desenho da Figura Humana e o Desenho da Pessoa Doente na avaliação psicológica de crianças hospitalizadas. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo. http://dx.doi.org/10.11606/d.47.2008.tde-09062008-161059

Gottsfritz, M.O. (2007). O Desenho da Figura Humana e o Teste R-1 em adultos não alfabetizados. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Grassano, E. (1996). Indicadores psicopatológicos nas técnicas projetivas. (L.S.L.P.C. Tardivo, trad.). São Paulo: Casa do Psicólogo. (Original publicado em 1977).

Guilford, J.P. (1950). Fundamental statistics in Psychology and Education. (2nd ed.) New York: McGraw-Hill.

Hammer, E.F. (1991). Aplicações clínicas dos desenhos projetivos. (E. Nick, trad.). São Paulo: Casa do Psicólogo. (Original publicado em 1980).

Hammer, E.F. & Piotrowisky, Z.A. (1965). Hostility as a factor in the clinicians`s personality as it a fact this interpretation of projective drawings (HTP). In: Bernard I. Murstein, Handbook of projective techniques. (pp. 691-699). New York, London: Basic Books inc.

Hutz, C.S. & Bandeira, D.R. (1995). Avaliação psicológica com o Desenho da Figura Humana: Técnica ou intuição? Temas em Psicologia, 3, 35-41.

Hutz, C.S. & Bandeira, D.R. (2000). Desenho da Figura Humana. In: J.A. Cunha e col. Psicodiagnóstico-V. (5ª ed.; pp. 507-512). Porto Alegre: Artmed.

Kahill, S. (1984). Human figure drawing in adults: An update of the empirical evidence, 1967-1982. Canadian Psychology/ Psychologie Canadienne, 25 (4), 269-288. http://dx.doi.org/10.1037/h0080846

Koppitz, E.M. (1968). Psychological evaluation of children’s human figure drawings. New York: Grune & Stratton.

Laplanche, J. & Pontalis, J.B. (1992). Vocabulário da psicanálise. (P. Tamen, trad.; 2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Larrabure, S.A.L. (1987). Os testes de inteligência. In: Ancona-Lopes, M. (org). Avaliação da inteligência. (Vol. 1). São Paulo: E.P.U.

Macfarlane, J.W. & Tudenham, R.D. (1966). In: Anderson, H.H.Y. Anderson, G.L. Técnicas proyectivas del diagnostico psicológico. (2ª ed., pp. 54-87). Buenos Aires: Ediciones Rialp.

Machover, K. (1974). Proyección de la personalidad en el dibujo de la figura humana. Bogotá, Colômbia: Ediciones Cultural. (Original publicado em 1949).

Marques, S.L.; Pasian, S.R.; Franco, M.A.P.; Panosso, I.R.; Viana, A.B. & Oliveira, D.A. (2002). Fidedignidade do sistema Goodenough de avaliação cognitiva: Uma visão dentro do contexto atual. Estudos de Psicologia – Natal, 7 (1), 57-64. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2002000100007

Miller, C.K. & Chansky, M.M. (1972). Psychologists´s scoring of WISC protocols. Psychology in the Schools, 9, 144-152. http://dx.doi.org/10.1002/1520-6807(197204)9:2<144::AID-PITS2310090208>3.0.CO;2-D

Pasian, S.R.; Okino, E.T.K. & Saur, A.M. (2004). Padrões normativos do Desenho da Figura Humana em adultos. In: C. E. Vaz & R. L. Graeff (Org.), Técnicas projetivas: Produtividade em pesquisa. (pp. 59-66). Porto Alegre: SBRo.

Pasian, S.R. & Jacquemin, A. (1999). O auto-retrato em crianças institucionalizadas. Ribeirão Preto: Paidéia, 9, (17), 50-60. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-863x1999000200006

Rosa, H.R. & Alves, I.C.B. (2008). Precisão do Teste Goodenough-Harris em crianças. Avaliação Psicológica, 7 (2), 171-179.

Sante, A.B. (2008). Auto-imagem e características de personalidade na busca de cirurgia plástica estética. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. http://dx.doi.org/10.11606/d.59.2008.tde-22122008-165526

Saur, A.M. (2007). Imagem corporal: Auto-satisfação e representação psíquica em Desenhos da Figura Humana. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Schafer, R. (1967). Projective testing and psychoanalysis. New York: International Universities Press, Inc.

Scribner, C.M. & Handler, L. (1987). The interpreter’s personality in Draw-a-Person interpretation: A study of interpersonal style. Journal of Personality Assessment, 51 (1), 112-122. http://dx.doi.org/10.1207/s15327752jpa5101_10

Silva, M.C.V.M. (2008). Técnicas projetivas gráficas e o desenho infantil. In: In: A. E. Villemor-Amaral & B. S. G. Werlang, Atualizações em métodos projetivos para avaliação psicológica. (pp. 195-203). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Swensen, C.H. (1968). Empirical evaluations of human figure drawings: 1957-1966. Psychological Bulletin, 70 (1), 20-44. http://dx.doi.org/10.1037/h0026011

Van Kolck, O.L. (1966). Sobre a técnica do Desenho da Figura Humana na exploração da personalidade: Estudo de adolescentes de centros urbanos. Boletim 293, Psicologia Educacional 7, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. São Paulo.

Van Kolck, O.L. (1984). Testes projetivos gráficos no diagnóstico psicológico. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.

Villemor-Amaral, A.E. (2006). Desafios para a cientificidade das técnicas projetivas. In: A. P. P. Noronha; A. A. A. Santos & F. F. Sisto, (Orgs.), Facetas do fazer em avaliação psicológica. (pp.163-171). São Paulo: Vetor.

Wechsler, S.M. (2003). DFH III: O Desenho da Figura Humana: Avaliação do desenvolvimento cognitivo de crianças brasileiras. (3ª ed.). Campinas: LAMP/PUC.

Weiner, I.B. (1989). On competence and ethicality in psychodiagnostic assessment. Journal of Personality Assessment, 53, 4, 827-831. http://dx.doi.org/10.1207/s15327752jpa5304_18