Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Saúde Feminina: Considerações sobre Psicodiagnóstico Interventivo na Obesidade

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v17n2p92-100

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Fernanda K. T. Mishima1 & Valéria Barbieri2

 

Resumo: Considerada uma doença grave com consequências físicas e psíquicas, a obesidade incide no mundo todo. Apesar do aspecto emocional, é mais estudada em sua vertente biológica e genética. Como alternativa, muitos obesos buscam a cirurgia bariátrica, subestimando seus riscos e consequências. Diante do aumento dessa conduta, especialmente entre mulheres, destaca-se a necessidade de prevenção e tratamento envolvendo o aspecto emocional. Este estudo apresenta uma forma de tratamento psicoterápico para mulheres obesas, através do Psicodiagnóstico Interventivo (PI), com o objetivo de evitar o procedimento cirúrgico e suas possíveis consequências. Apresenta-se um estudo de caso com uma obesa grau I (IMC = 32 kg/m²), 37 anos de idade, que já tentou emagrecer através de dietas e exercícios físicos. Fez-se entrevista inicial, Teste do Desenho da Figura Humana (DFH) e Teste de Apercepção Temática (TAT), interpretados pelo método da livre inspeção, segundo referencial psicanalítico winnicottiano. Notou-se a presença de sentimentos de desvalorização e inutilidade na função de mulher e mãe, dificuldade nas relações interpessoais e restrição na expressão do self. Ao final, a paciente conseguiu integrar os afetos (especialmente da própria sexualidade) com confiança e perdeu peso. Comprovou-se a importância dos aspectos emocionais nessa doença e esta outra forma de tratamento.

Palavras-chave: Obesidade. Psicodiagnóstico interventivo. Mulheres. Técnicas projetivas

 

Abstract: Considered a serious illness with physical and psychic consequences, obesity affects the whole world. Despite its emotional aspect it is more researched in its biological e genetic dimension. As a way out, many obese people opt for bariatric surgery, underestimating its risks and consequences. Given the increment of this option, especially among women, it is important to consider the need for prevention and treatment in relation to its emotional aspect. This study discusses a form of psychotherapeutic treatment for obese women through Interventive Psychodiagnostic (IP), with the objective of preventing the surgical procedure and its possible sequels. It is presented a case study of a 37 years old obese grade 1 (BMI, i.e., Body Mass Index, of 37 kg/m2) woman, that already tried to loose weight through dieting and physical exercises. There was an initial interview. The Human Figure Drawing (HFDT) and the Thematic Apperception (TAT) tests were applied and interpreted by the free inspection method, according to the winnicottian psychoanalytic frame of reference. It was observed the presence of devaluation and uselessness feelings in her acting as woman and mother, difficulties in her interpersonal relationships and restriction in the expression of her self. Finally the patient was able to integrate tenderness (especially those related to her own sexuality) and trust, loosing weight in this way. The importance of the emotional aspects of this illness and a new of treating it was then proved.

Key words: Obesity. Interventive psychodiagnostic. Women. Projective techniques.

 

1 E-mail: fktmishima@ffclrp.usp.br
2 E-mail: valeriab@ffclrp.usp.br

 

Literatura Citada

Ades, L., & Kerbauy, R. R. (2002). Obesidade: Realidades e Indagações. Psicologia USP, 13(1), 197-216. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642002000100010

Barbieri, V. (2002). A família e o Psicodiagnóstico como recursos terapêuticos no tratamento dos transtornos de conduta infantis. Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo: São Paulo.

Bergeret, J. (1998). A personalidade normal e patológica. (M. E. V. Flores, Trad.). 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1996)

Bernardi, F., Cichelero, C., & Vitolo, M. R. (2005). Comportamento de restrição alimentar e obesidade. Revista de Nutrição, 18(1), 85-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732005000100008

Buck, J. N. (2003). H-T-P: manual e guia de interpretação. (R. C. Tardivo, Trad.). São Paulo: Vetor.

Busse, S. R. (2004). Anorexia, bulimia e obesidade. São Paulo: Manole. CONSENSO LATINO AMERICANO. (1998). Rio de Janeiro. Acesso 14 abr 2004. De http://www.abeso.com.br.htm.

Coutinho, W. (1999). Consenso Latino-Americano de obesidade. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 43(1), 21-67. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27301999000100003

Coutinho, W. F., & Benchimol, A. K. (2002). Obesidade mórbida e afecções associadas. In A. B. GARRIDO JÚNIOR, A. B. (Org.). Cirurgia da obesidade. (pp. 13-17). Rio de Janeiro: Atheneu.

Cunha, J. A. (Orgs.) (2000). Psicodiagnóstico V. Porto Alegre: Artes Médicas.

Duchesne, M., Appolinario, J, C., & Range, B. P. (2007). Evidências sobre a terapia cognitivo-comportamental no tratamento de obesos com transtorno da compulsão alimentar periódica. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 29(1), 80-92. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082007000100015

Epstein, L. H., Valoski, A., Wing, R. R., & McCurley, J. (1994). Ten-year outcomes of behavioral family-based treatment of childhood obesity. Health Psychology, 13, 373-383. http://dx.doi.org/10.1037/0278-6133.13.5.373

Fisberg, M. (2005). Primeiras palavras: uma introdução ao problema do peso excessivo. In M. FISBERG (Org.). Atualização em obesidade na infância e adolescência. (pp. 1-10). São Paulo: Editora Atheneu.

Grundy, S. M. (1998). Multifactorial causation of obesity: implications for prevention. American Journal Clinical Nutrition, 67(Suppl), 563S-572S.

Halpern, Z. S. C., Rodrigues, M. B., & Costa, R. F. da. (2004). Determinantes fisiológicos do controle do peso e apetite. Revista de Psiquiatria Clínica, 31(4), 150-153. http://dx.doi.org/10.1590/s0101-60832004000400002

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). (2005). Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003. Análise da Disponibilidade Domiciliar de Alimentos e Estado Nutricional no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.

Kiess, W., Galler, A., Reich, A., Müller, G., Kapellen, T., Deutscher, J., Raile, K., & Kratzsch, J. (2001). Clinical aspects of obesity in childhood and adolescence. Obesity Reviews, 2, 29-36. http://dx.doi.org/10.1046/j.1467-789x.2001.00017.x

Loli, M. S. A. (2000). Obesidade como sintoma: uma leitura psicanalítica. São Paulo: Vetor.

Mishima, F. K. T. (2007). Investigação das características psicodinâmicas de crianças obesas e de seus pais. Dissertação (Mestrado em Psicologia) apresentada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto: São Paulo.

Monteiro, P. O. A., & Victora, C. G. (2005). Rapid growth in infancy and childhood and obesity in later life – a systematic review. Obesity Reviews, 6, 143-154. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-789X.2005.00183.x

Morval, M. V. G. (1982). Le TAT et les fonctions du moi – propêdeutique à l’usage du psychologue clinicien. 2ª. ed. Canadá: Les presses de l’Université de Montréal.

Nunes, M. A., Appolinario, J. C., Galvão, A. L., & Coutinho, W. (2006). Transtornos Alimentares e Obesidade. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302007000200017

Nunes, M. M. A., Figueiroa, J. N., & Alves, J. G. B. (2007). Excesso de peso, atividade física e hábitos alimentares entre adolescentes de diferentes classes econômicas em Campina Grande (PB). Revista da Associação Médica Brasileira, 53(2), 130-134.

Ocampo, M. L. S., Arzeno, M. E. G., & Piccolo, E. G. (2001). O processo Psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. (M. Felzenswalb, Trad.). 10ª. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Paulo, M. S. L. L. de. (2006). Psicodiagnóstico Interventivo em pacientes adultos com depressão. Boletim de Psicologia, LVI(125), 153-170.

Reiterer, E. E., Sudi, K. M., & Mayer, A. (1999). Changes in leptin, insulin and body composition in obese children during a weight reduction program. Journal Pediatric Endocrinology Metabolism, 12, 853-862. http://dx.doi.org/10.1515/jpem.1999.12.6.853

Sothern, M. S., Loftin, J. M., Udall, J. N., Suskind, R. M., Ewing, T. L., Tang, S. C., & Blcker, U. (1999). Inclusion of resistance exercise in a multidisciplinary outpatient treatment program for preadolescent obese children. Southern Medical Journal, 92, 585-592. http://dx.doi.org/10.1097/00007611-199906000-00007

Trinca, W. (1984). Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: EPU.

Trinca, W. (1997). Formas de investigação clínica em Psicologia: Procedimento de Desenhos-Estórias e Procedimentos de Desenhos de família com Estórias. São Paulo: Vetor.

Vaisberg, T. M. J. A. (1999). Encontro com a loucura: transicionalidade e ensino de psicopatologia. Tese de Livre Docência. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo: São Paulo.

Votruba, S. B., Horvitz, M. A., & Shoeller, D. A. (2000). The role of exercise in the treatment of obesity. Nutrition, 16, 179-188. http://dx.doi.org/10.1016/S0899-9007(99)00264-6

Winnicott, D. W. (1984). Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. (J. M. X. Cunha, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1961).