Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Qualidade de Vida no Contexto Migratório: Um Estudo com Imigrantes Africanos Residentes em João Pessoa - PB, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v17n2p116-122

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Lúcia M. S. Barreto1, Maria P. L. Coutinho2 & Cristiane G. Ribeiro2

 

Resumo: A qualidade de vida estudada nesta investigação abrange um conceito polissêmico, que reflete significados e conhecimentos, experiências e valores individuais e coletivos, em diferentes épocas, espaços e histórias. Este conceito ratifica o da Organização Mundial de Saúde (OMS) que o preconiza como a percepção do indivíduo quanto a seu posicionamento no contexto cultural e nos sistemas de valores no qual se insere, utilizando seus objetivos, expectativas, preocupações, padrões, como referência. Nesse sentido é mister estudar este fenômeno no contexto da migração, pois em geral, os imigrantes são obrigados a enfrentar situações de isolamento, incompreensão, nova cultura, novos hábitos e muitas vezes a hostilidade, insegurança e a indiferença da população. Esta investigação objetivou estudar a qualidade de vida dos migrantes africanos residentes em João Pessoa-PB. Brasil. Utilizou-se como instrumento a escala de mensuração da qualidade de vida WHOQOL-bref. Participaram da pesquisa 102 imigrantes africanos com idades entre 18 e 35 anos, a maioria do sexo masculino (53,8%), solteiros (78,8%) e estudantes (82,7%). Os resultados apontaram, no domínio geral, um nível alto no que tange aos quatro domínios (X= 3,87 DP=0,66). A avaliação foi mais alta nos domínios psicológico e físico (X = 4, l4 e DP = 0,48; X = 3,87 e DP = 0,45), respectivamente. Verificou-se que, apesar das dificuldades encontradas no processo migratório, os resultados demonstraram bons níveis de qualidade de vida.

Palavras-chave: Imigração Africana. Qualidade de vida.

 

Abstract: The quality of life studied in this investigation covers a polissemic concept, that reflects meanings and knowledge, experiences and values, both individual and collective, in different times, places and histories. This concept ratifies the World Health Organization’s (WHO) which advocates it as the individual perception of his/her place in the cultural context and in the system of values in which he/she is inserted, using their objectives, expectations, concerns, patterns, as a reference. In this sense it is important to study the phenomenon in the migration context, for, in general, migrants are forced to face isolation, incomprehension, new culture and habits, and many times hostile and insecure situations and indifference from the population. This investigation aimed at studying the Quality of Life of African immigrants living in João Pessoa, PB, Brazil. The instrument used to assess the quality of life was the WHOQOL-bref scale. A total of 102 African immigrants participated in the study, with ages raging from 18 to 35 years, most of them male (53,8%), single (78,8%), and students (82,7%). Results show a high level in the general domain concerning the four domains (X= 3,87 DP=0,66). The evaluation was higher in the psychological and physical domains (X = 4, l4 and DP = 0,48; X = 3,87 and DP = 0,45), respectively. We discovered that, despite the difficulties encountered in the migratory process, the results show good quality of life levels

Key words: African immigration. Quality of life.

 

1 UFPB, João Pessoa - E-mail: luciasantosbarreto@uol.com.br
2 UFPB, João Pessoa

 

Literatura Citada

Assumpção, L. O. T.; Morais, P. Pedro.; Fontoura. H. (2002). Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias. U. Católica de Brasília. Revista Digital, 52 (8). Recuperado em 20 maio, 2007, de http://www.efdeportes.com/efd52/saude1.htm

BBC Brasil (2006), relatório da ONU. Disponível em http://www.onu-brasil.org.br/obrasilnaonu.php

Buarque, C. (1993). Qualidade de vida: a modernização da utopia. Revista Lua Nova, n. 31, 157-165. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451993000300008

Calman, K. C. (1984). Quality of life in cancer patients an hypothesis. Journal of Medical Ethics. n. 10, 124-127. http://dx.doi.org/10.1136/jme.10.3.124

Castles, S., & Miller, M.J. (2003). The Age of Migration: International Population Movements in the Modern World. Palgrave: Macmillan.

Coutinho, M.P.L, Franken, I., & Ramos, N. (2007). Migração e qualidade de vida, o pensamento social de brasileiros imigrantes. In E. C. Krutzen & S. B. Vieira (Orgs.). Psicologia Social, Clínica e Saúde Mental (pp. 160-179). João Pessoa: Ed. Universitária – UFPB.

Diener, E. e Lucas, R. E. (1999). Personality and Subjective well-being. Em D. hneman, E. DIENER e N. Schwarz (Eds), Wellbeing The foundations of hedonic psychology (pp. 13-229). New York: Russell Sage Foundation.

Fleck, M. P.; Leal, O. F.; Louzada, S.; Xavier, M.; Cachamovich, E. Vieira, G. (1998). Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Revista Brasileira de Psiquiatria, 21, 21-8.

Hogo, G. (1998). Migrações internacionais não-documentadas. Uma tendência global crescente. Travessia, ano 11 (n. 30, jan-abr) pp.5-12.

Loyola, L. (1999,). Aqui se vive melhor. Veja, abril, 7, 100-103.

Minayo, M. C. S. (2002). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco.

Ministério da Justiça (2006) Agência de Noticiais. Disponível em: http://www.mj.gov.br/noticias/2006/julho/seminario.htm

Moreira, M. M. da S. (2000). Trabalho, qualidade de vida e envelhecimento. Dissertação de Mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública.

Naime, J. (2006). O perfil da migração africana. Puc Minas – Conjuntura Internacional. Recuperado em 19 julho, 2008, de http://www.pucminas.br

Paim, J.S. (1986). Saúde, crises e reformas. Salvador: Centro Editorial Didático da UFBA.

Perotti, A.(1997). Apologia do Intercultural. Lisboa: ME/SCPEM Petrus, M. R. (2001). Emigrar de Angola e imigrar no Brasil: jovens imigrantes angolanos no Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, IPPUR, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Pivetta, M. (1995, setembro). O preço da fama. Veja, 28 (37)

Ramos, N.(2004). Psicologia Clínica e da Saúde. Lisboa, Universidade Aberta. Ramos, N. (Org.). (2008), Saúde, Migração, Interculturalidade: perspectiva teórica e práticas. João Pessoa: Editora Universitária/ UFPB.

Santos, S. R.; Santos, I. Beserra C.; Fernandes Mª, das G, M.; Henriques, Mª E. R. M. (2002). Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da Escala de Flanagan: Revista Latino-Americana de Enfermagem, 10 (nº 6, novembro/dezembro). Ribeirão Preto.SP – Brasil