Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Vulnerabilidade ao Stresse em Profissionais de Emergência Médica Pré-Hospitalar

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v16n1p62-70

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Hugo J. F. Amaro1 & Saul N. Jesus2

 

Resumo: Os estudos efectuados com os profissionais de emergência médica pré-hospitalar em Portugal são ainda extremamente reduzidos, embora a problemática se encontre mais desenvolvida em países como os EUA, Canadá e Japão. Neste sentido, pelas características próprias desta profissão interessa compreender de forma mais aprofundada em que medida se encontram estes profissionais vulneráveis ao stresse, sendo este o objectivo principal deste estudo. A amostra foi constituída por 161 profissionais de emergência médica distribuídos pelo (Técnico de Ambulância de Emergências / Tripulante de Ambulância de Emergências), território nacional dos quais 42,2% possuem a categoria profissional de TAE/TAS ( 31,7% são Enfermeiros e 26,1% são médicos, tendo sido utilizada uma amostragem por clusters, seguida da técnica de amostragem aleatória. Os resultados indicam a existência de médias globais baixas de vulnerabilidade ao stresse. No que diz respeito às alterações do sono, verificou-se a existência de diferenças estatisticamente significativas nas dimensões “Perfeccionismo e intolerância à frustração”, “Condições de vida adversas”, “Dramatização da existência”, “Subjugação”, e “Deprivação de afectos e rejeição”, assim como para a totalidade do instrumento de medida do stresse. Os sujeitos de estudo que não praticam exercício físico apresentam valores médios de vulnerabilidade ao stresse mais elevados.

Palavras-chave: Stresse, Vulnerabilidade, Serviços médicos de emergência, Médicos, Enfermeiros

 

Abstract: Research with pre-hospital medical emergency professionals in Portugal is still extremely reduced, even though this matter is better developed in countries such as the USA, Canada and Japan. Therefore, the characteristics inherent to this profession produce the interest to comprehend more thoroughly the vulnerability of these professionals to stress, which was the main objective of the present study. The sample was constituted by 161 medical emergency professionals distributed throughout the national territory; 42,2% of them possess the professional category of TAE/TAS, 31,7% are nurses, and 26,1% are physicians. We used the clusters sampling method, followed by the aleatoric sampling technique. The results indicate the existence of low global averages in vulnerability to stress. “Perfectionism and intolerance to frustration”, “Adverse life conditions”, “Dramatization of existence”, and “Deprivation of affects and rejection”, as well as to the totality of the stress assessment instrument. The subjects of the study that did not practice exercises presented higher stress vulnerability average values.

Key words: stress; vulnerability; pre-hospital medical emergency; physicians; nurses.

 

1 Universidade de Algarve - E-mail: hjamaro@gmail.com
2 Universidade de Algarve - E-mail: snjesus@ualg.pt

 

Literatura Citada

Beaton, R. D. & Murphy, S. A. (1998). Sources of occupational stress among firefighter/EMTs and firefighter/paramedics and correlations with jobrelated outcomes. Department of Psychosocial Nursing, University of Washington, Seattle. Retirado a 22/03/2006 de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/

Bledsoe, B. E. et al. (1997). Paramedic Emergency Care. New Jersey: Brady Prentice Hall.

Christie, A. M. (1997). Balancing stress in work and at home. Emergency Medical Services, 52-55.

Costa, P. (1990). A História da Rede do SAMU-INEM Português. In: Documentação do INEM. Lisboa: Ministério da Saúde, 39-53.

Cydulka, R. K. et al. (1997). Stress Levels in EMS Personnel: a national Survey. Prehospital and Disaster Medicine,12, 136-140. http://dx.doi.org/10.1017/s1049023x00037420

Hill, M. M. & Hill, A. (2002)- Investigação por Questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

INEM (2000). Curso Básico de Socorrismo (TAT). Sintra: Escola Nacional de Bombeiros, 18-22.

Lazarus, R. S. (1993). Why we should think of stress as a subset of emotion. In C. D. Spielberg (coord.). Anxiety and Behavior. New York: Academic Press, 242-283.

Lazarus, R. S. (1999). Stress and Emotion: new synthesis. Springer Publishing Company.

Linton, J. C. et al. (1993). Helpning the helpners: the development of a critical incident stress management team throught university community cooperation. Charsleston: Annals of Emergency Medicine. http://dx.doi.org/10.1016/S0196-0644(05)81844-X

Mizuno, M. et al. (2005). A Human Resource Management Approach to Motivation and Job Stress in Paramedics. Japan: International Congress Series.

Naoki, O. (2005). Occupational Stress Among Japanese Emergency Medical Technicians: Hyogo prefecture. Prehospital and Disaster Medicine, 20, 115-121. http://dx.doi.org/10.1017/S1049023X00002296

O’Keefe, M. F. et al. (1998). Emergency Care. New Jersey: Brady Prentice Hall. Ogden, J. (2004). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, 119-155, 285-311.

Oliveira, A. (2003). Estudo da influência de alguns factores de stress em profissionais das viaturas médicas de emergência e reanimação. Revista de Investigação em Enfermagem, 8, 8-16.

Paúl, C. & Fonseca, A. (2001). Psicosociologia da Saúde. Lisboa: Climepsi editores, 59-75.

Silva, R.; Costa, P.; Gonçalves, T. (1987). Emergência Médica em Portugal: um longo caminho que conheceu já etapas decisivas. Revista do Instituto Nacional de Emergência Médica, Ano III (4), 2-11.

Ulrika, A. (2005). Ambulance Work: relationships between occupational demands, individual characteristics and health-related outcomes. Faculty of Medicine, Swedin. Retirado a 23/03/2008 de http://www.diva-portal.org/umu/abstract.xsql?dbid=478

Vaz Serra, A. (1999). O Stress na vida de todos os dias. Coimbra: Adriano Vaz Serra, 5-28, 117-437, 473-738.

Vaz Serra, A. (2000a). A vulnerabilidade ao stress. Psicologia Clínica, 21, (4), 261-278.

Vaz Serra, A. (2000b). Construção de uma escala para avaliar a vulnerabilidade ao stress. Psicologia Clínica, 21, (4), 279-308.