Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aspectos Psíquicos de Pais e Mães de Crianças com Paralisia Cerebral Observados pela Análise de Desenhos-Estória

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v16n16p127-147

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PINFOR/index 

downloadpdf

Carolina de A. Agustinelli1 & Marília M. Vizzotto2

 

Resumo: O presente trabalho buscou descrever aspectos psicodinâmicos de dois pais e duas mães de crianças diagnosticadas com paralisia cerebral pela análise de suas produções na técnica de desenhos-estória. Para tanto, foram realizadas entrevistas e solicitado que cada participante desenhasse uma criança com deficiência e um pai ou uma mãe de uma criança deficiente. A análise dessas produções indicou que os participantes apresentaram repertório defensivo predominantemente regressivo diante da deficiência das crianças, especialmente de negação da paralisia cerebral e de seu sofrimento, e de identificação projetiva com o filho deficiente. O estudo concluiu que os participantes apresentaram estratégias defensivas primitivas para lidar com o sofrimento decorrente do diagnóstico de seus filhos, havendo dificuldade em aceitá-lo.

Palavras-chave: deficiência, paralisia cerebral, maternidade, paternidade

 

Abstract: This study sought to describe psychodynamic aspects of two fathers and two mothers of children diagnosed with cerebral palsy by analyzing their productions through the technique of story drawing. Therefore, interviews were conducted and each participant was asked to draw a disabled child and a father or mother of a disabled child. The analysis indicated that these participants showed a predominantly regressive defensive repertoire in face of the children’s disability, especially denial of cerebral palsy and their suffering and a projective identification with the disabled child. The study concluded that the participants used primitive defensive strategies to deal with the pain caused by the diagnosis of their children, having a hard time accepting it.

Key words: disability, cerebral palsy, motherhood, fatherhood

 

1 Psicóloga, mestre em Psicologia da Saúde pela Umesp e psicóloga hospitalar – Hospital do Servidor Público de São Paulo
2 Professora do Programa de Mestrado em Psicologia da Saúde – Umesp

 

Literatura Citada

AIELLO-VAISBERG, T. M. J. Investigação de representações sociais. In: TRINCA, W. (Org.) Formas de investigação clínica em psicologia: procedimento de desenhos de famílias com estórias. São Paulo: Vetor, 1997. p. 255-287.

AMARAL, L. A. Conhecendo a deficiência (em companhia de Hércules). São Paulo: Robe, 1995.

ASSUNÇÃO, K. R. Envolvimento de cuidadores no programa educacional de pessoas com autismo e deficiências severas: o que é e como medi-la. 2004. 96f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

BAVA, M. C. G. G. C. A história das famílias de crianças e jovens com paralisia cerebral: a dor que não sai no jornal. 2001. 188f. Dissertação (Doutorado em Enfermagem em Saúde Pública) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

BOSCOLO, C. C. A deficiência auditiva e a família: análise do discurso do sujeito coletivo. 2002. 115f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP.

BRITO, A. M. W. Interações e relações entre genitores-criança surda: um estudo de caso. 1997. 120f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Brasília, Brasília, DF.

BRUNHARA, F.; PETEAN, E. B. L. Mães e filhos especiais: reações, sentimentos e explicações à deficiência da criança. Paidéia, v. 9, n. 16, p. 31-40, jan.-jul. 1999. https://doi.org/10.1590/S0103-863X1999000100004

BUSCAGLIA, L. Os deficientes e seus pais: um desafio ao aconselhamento. 5. ed. Trad. Raquel Mendes. Rio de Janeiro: Record, 2006.

CASSARIN, S. Os vínculos familiares e a identidade da pessoa com síndrome. 2001. 197f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

CHACON, M. C. M. A interação social do deficiente mental: um processo que se inicia na / pela família. 1995. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

FARIA, M. C. C. O estranho no ninho: estudo da ferida narcísica dos pais de pessoas especiais deficientes mentais. 1997. 135f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

FRANCESCO, M. I. B. Família e trabalho: elo importante para a integração social do deficiente mental. 1999. 300f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

GÓES, F. A. B. Os pais e seu filho portador de necessidades especiais / deficiência mental: um encontro inesperado. 2004. 184f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Universidade Católica de Pernambuco.

KLEIN, M. Alguns mecanismos esquizóides (1946). In: KLEIN, M. Inveja e gratidão e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1991. p. 17-43. v. III.

KLEIN, M. Inveja e Gratidão (1957) In: KLEIN, M. Inveja e gratidão e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1991. p. 207-267. v. III.

MEIADO, A. C. O retrato da exclusão: um estudo de caso sobre a deficiência mental severa no ambiente familiar. 1998. 123f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

MURATA, M. F.; PETEAN, E. B. L. Paralisia cerebral: conhecimento das mães sobre o diagnóstico e o impacto deste na dinâmica familiar. Paidéia, v. 10, n. 19, p. 40-46, ago.-dez. 2000.

ODEH, M. M. Família e escola na socialização e formação da identidade da criança com deficiência: formas de resistência e estratégias de adaptação. 1995. 289f. Dissertação (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

RODRIGUERO, C. R. B. Desenvolvimento humano e aquisição da linguagem: uma investigação acerca da concepção da família sobre a criança surda. 2001. 222f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá.

TARDIVO, L. S. C. Análise e interpretação. In: TRINCA, W. (Org.). Formas de investigação clínica em psicologia: procedimento de desenhos de famílias com estórias. São Paulo: Vetor, 1997. p. 115-156.

TRINCA, W. Apresentação e aplicação. In: TRINCA, W. (Org.). Formas de investigação clínica em psicologia: procedimento de desenhos de famílias com estórias. São Paulo: Vetor, 1997. p. 11-34.

TRINCA, A. M. T. Ampliação e expansão. In: TRINCA, W. (Org.). Formas de investigação clínica em psicologia: procedimento de desenhos de famílias com estórias. São Paulo: Vetor, 1997. p. 35-65.

YANO, A. M. M. As práticas de educação em famílias de crianças com paralisia cerebral diplética espástica e com desenvolvimento típico pertencentes a camadas populares da cidade de Salvador. 2003. 267f. Dissertação (Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.