Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Brincar da Criança de Cinco Anos na Escola

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v10n10p109-129

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PINFOR/index 

downloadpdf

Adriana D. Martins1, Renata L. André1 & Vera B. Oliveira2

 

Resumo: Esta pesquisa verifica as diversas modalidades de brincar da criança de cinco anos em ambiente escolar e analisa seus aspectos cognitivos e afetivo-relacionais. Baseia-se em leitura piagetiana conjugada à winnicottiana. Enfoca a faixa de cinco anos de idade, período Intuitivo Pré-Operatório, levando em conta as diferenças individuais. Desenvolve-se em escola particular de cidade de grande porte. Inicialmente, faz caracterização do ambiente lúdico, segundo Inventário Cumulativo de Estimulação Ambiental (ICEA) de Pérez-Ramos; Pérez-Ramos. Realiza a seguir dez observações lúdicas, na Brinquedoteca e no Parque. Quanto ao ICEA, os dados revelam excelente espaço físico, mas aproveitamento pobre do mesmo assim como formação deficitária da Brinquedista. Quanto às brincadeiras observadas, registra-se o predomínio da Brincadeira Simbólica coletiva, com forte conteúdo imaginário e temática centrado na família e nas disputas, como em desenhos animados (combate corporal), com grande movimentação física e já com a presença de regras. Os jogos de regras também são observados, evidenciando contudo a necessidade de esclarecimento para sua utilização adequada. Constata o pouco tempo reservado ao lúdico na escola, a grande necessidade e prazer da criança em brincar, assim como sua contribuição para seu desenvolvimento integrado e construção de sua autonomia e socialização.

Palavras-chave: criança; brincar; ambiente escolar; brincadeira simbólica; jogo de regras; brinquedoteca

 

Abstract: This research addresses the multiple modalities of play of five-year-old children at school environment, analysing its cognitive and affective-relational aspects. It is based on a piagetian approach, joint with a winnicottian one. It focuses on the age of five, at the Intuitive Pre-Operational Period and it considers the individual differences. It is developed on a private school of a great-sized city. Initially, it characterises the ludic environment according to Cumulative Environmental Stimulation Inventory (CESI) of Pérez-Ramos; Pérez-Ramos. Follows the performing of ten ludic observations, at the Toy Libary and the Playground. As to the CESI, data reveals that the available area is excellent but misused; the Toy Librarian’s formation is also lacking. Regarding the observed games, a predominance of collective Symbolic Play is registered, with strong imaginary content and theme centred on the family and competitions; there is still much physical activity and rules are featured already. The rule games are also observed, albeit demonstrating need of clarification for correct use of the games. The research verifies the little time school reserves for the ludic, how much children need to play and the great pleasure taken in it, as well as its contribution to the integrated development of children and the construction of their self-sufficiency and socialisation.

Key words: child; play; school; symbolic play; social play; toy library

 

1 Graduandas em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo
2 Mestre, Doutora e Livre Docente pela Universidade de São Paulo. Professora do Curso de Graduação em Psicologia e do Mestrado em Psicologia da Saúde da Universidade Metodista de São Paulo. Orientadora do presente estudo. Email: dri_dm@hotmail.com e relinsdre@hotmail.com

 

Literatura Citada

AYUB, A.S.R.K. Brincar, brinquedo e jogo: a influência do lúdico no processo de ensino e aprendizagem. 2001. 78 f. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização em educação infantil). Faculdade de Educação e Letras, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2001.

CHÂTEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.

ELKONIN, D.B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GIOVANETTI, C. C. A importância do jogo no desenvolvimento humano. 1999. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização em educação infantil). Faculdade de Educação e Letras, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo 1999.

KAAMII, C; DE VRIES, R. Jogos em grupo na educação infantil: implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória Cultural, 1991.

LEBOVICI, S; DIATKINE, R. Significado e função do brinquedo na criança. Porto Alegre: Artmed, 1985.

MACEDO, L. Os jogos e sua importância na escola. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 93, p. 5-10, mai. 1995.

MACEDO, L., PETTY, P. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MELLO, C.O.; SPERB, T.M. A interação social na brincadeira de faz de conta: uma análise da dimensão metacomunicativa. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 98, p. 119-130, 1997.

OLIVEIRA, V.B. Aprendizagem e desenvolvimento neuropsicológico via jogo de regras. In: CAPOVILLA, F. C; VALLE, L. E. L. R. (Orgs.). Temas multidisciplinares de neuropsicologia e aprendizagem. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2004, p 127-159.

OLIVEIRA, V.B. O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. In: OLIVEIRA, V.B.; BOSSA, N.A. (Orgs.). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

OLIVEIRA, V.B. O símbolo e o brinquedo: a representação da vida. Rio de Janeiro: Vozes, 1992.

PACHECO, E. D. Infância, cotidiano e imaginário no terceiro milênio: dos folguedos infantis à diversão digitalizada. In: ______. Televisão, criança, imaginário e educação. São Paulo: Papirus, p 29-37, 1998.

PALANGANA, I. C. Desenvolvimento e aprendizagem em Piaget e Vygotsky: a relevância do social .São Paulo: Plexus, 1994.

PAPALIA, D. E; OLDS, S. W. Desenvolvimento humano. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PÉREZ-RAMOS, A. M. Q; PÉREZ-RAMOS, J. Estimulação precoce: programas e currículos. 3. ed. Brasília: Corde, 1996.

PIAGET, J. A formação do símbolo. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A Psicologia da criança. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

WAJSKOP, G. F. O brincar na educação infantil. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 92, p. 62-69, 1995.

WINNICOTT, D.W. A criança e o seu mundo. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

ZENETTI, S. C. P. 2002. A importância do brincar no desenvolvimento humano de 4 a 6 anos. 52 f. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização psicopedagogia). Faculdade de Psicologia e Fonoaudiologia, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2002.