Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Perversidade Social que Engendrou a Exclusão Escolar Gerou o Analfabeto

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v1n2p67-75

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Maria S. S. Graciani1

 

Resumo: Este texto trata dos analfabetos do mundo, coletivos pobres, excluídos, marginalizados que experimentam a insuportável ordem injusta, imoral das relações de produção, da apropriação da Terra, do espaço e da riqueza; daí que um de seus traços mais significativos e marcantes é a afirmação do ser humano e de suas necessidades e direitos, como prioritários em contraposição a uma moralidade ou imoralidade das regras do mercado, da produção e da exploração. Possuem outra racionalidade, outros modelos societários e outras orientações culturais conflitantes com as normas e os valores estabelecidos. Conforme analisa Arroyo (2003), explicitam uma luta permanente, reprimida e silenciada pelo controle dos padrões socioculturais: a ética, o conhecimento, a memória, as normas e os significados.

Palavras-chave: exclusão social, analfabetismo, exploração, pedagogia freiriana.

 

Abstract: This paper approaches the illiterate people of the world, the poor, outcast collectives, marginalized people who experience the unbearable, unfair, and immoral order of production relations, the appropriation of the Earth, of space and richness. Thus, one of its most characteristic and marking features is the affirmation of the priority of the human being and its needs and rights in opposition to a morality or immorality of the rules of market, production and exploitation. They have another rationality, other societal models and other cultural orientations conflicting with the established norms and values. According to Arroyo’s analysis (2003), they explicit a permanent struggle, repressed and silenced by the control of social-cultural patterns: ethics, knowledge, memory, norms, and meanings.

Keywords: Social exclusion – Illiteracy – Exploitation – Freirian pedagogy.

 

1 Professora Titular da PUC-SP, Coordenadora do Curso de Pedagogia e do Núcleo de Trabalhos Comunitários da PUC-SP – 2008.

 

Literatura Citada

ARROYO, Miguel. Pedagogia em movimento: o que temos que aprender com os movimentos sociais. Currículo sem fronteiras, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, 2003.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Método Paulo Freire? 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BUZZI, A. R. A Identidade humana: modos de realização. Petrópolis: Vozes, 2002.

CACEMIRO, Z. F. de J. Trabalho, Alfabetização e Inclusão Social: trajetória de migrantes inseridos na comunidade do Areião – Guarujá-SP, 2008. Dissertação de Mestrado em Educação – Unisantos.

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

GADOTTI, Moacir. MOVA: herdeiro da educação popular. Porto Alegre: Secretaria da Educação, 2000.

GENTILLE, Pablo. (Org.) Pedagogia e exclusão. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOHN, M. G. Educação não formal e cultura política. São Paulo: Cortez, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 22. ed. Porto Alegre: Mediação, 2004.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MANACORDA, M.A. Marx e a Pedagogia Moderna. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1991.

MARX, K. Ideologia Alemã. 2. ed. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

PAULO FREIRE. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

PAULO FREIRE. Teoria e Prática: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979a.

PAULO FREIRE. Extensão e Comunicação? 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979b.

SEVERINO, A.J. Educação, Sujeito e História. São Paulo: Olho d’Água, 2001.