Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Política e Cidadania: Práticas Sociais Possíveis

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v2n2p41-59

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Marilene de M. Vieira1

 

Resumo: O que se observa na sociedade brasileira, que vive uma democracia representativa, é o exercício do político, como poder explícito, e não a política, na acepção grega, em que se interrogam num movimento interminável do pensamento reflexivo as representações e normas da tribo, e até a própria noção de verdade. Essa dicotomia foi rompida na Grécia Antiga, quando da criação da política, o que implicou a absorção do político – poder explícito – pela política. A estrutura e o exercício do poder explícito tornaram-se objeto de deliberação e decisões coletivas do corpo político e a discussão da instituição efetivou-se radical e ilimitada. A política constitui, portanto, uma atividade coletiva, refletida e deliberada cujo objeto e finalidade é a instituição da sociedade. Ao contrário do poder explícito, cuja finalidade é a preservação do sócio-histórico, é uma atividade instituinte, uma atividade de criação dos seres humanos.

Palavras-chave: política, político, socialização, cidadania, educação

 

Abstract: What is found in Brazilian society, living a representative democracy, is the exercise of politics as an explicit means of power – not politics in its Greek sense, in which there is an endless questioning of the reflective thought, the representations and norms of the tribe, and even the notion of truth itself. This dichotomy was broken in Ancient Greece, when there was the creation of politics, which brought about the absorption of the political sense – explicit power – into politics. The structure and the exercise of explicit power have become object of deliberation and collective decisions of the political body and the discussion of the institution has become radically and limitlessly effective. Politics constitute, therefore, a collective activity, reflected and deliberate, whose object and finality is the institution of society. Contrary to the explicit power, whose finality is the socio-historical preservation, it is an instituting activity which creates human beings.

Keywords: Politics; Political; Socialization; Education; Citizenship.

 

1 Pedagoga, doutoranda em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora de Filosofia da Educação na Universidade Federal de Viçosa (UFV). E-mail: mmvieira@ufv.br

 

Literatura Citada

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto I. 2ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto 2: os domínios do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto 3: o mundo fragmentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto IV: a ascensão da insignificância. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CASTORIADIS, Cornelius. Feito e a ser feito: as encruzilhadas do labirinto V. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

CHAUI, Marilena. Ética e universidade. IN: Ciência Hoje. v. 18, nº. 102, p. 39-42, agosto/1994.

FARIA, Jandira Nunes de. Do individuo privatizado ao sujeito ético: breve passagem da educação pelo pensamento de Cornelius Castoriadis. Santa Catarina: Faculdade de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, 2000. (dissertação de mestrado).

MACIEL, Mirtes Mirian Amorin. Socialismo e Autonomia: Castoriadis e a Instituição Imaginária da Sociedade. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 1987. (tese de doutorado).