Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Alfabetizando na Quinta Série: A Luta Cotidiana Contra a Estrutura da Escola Pública Paulista

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v4n1p37-52

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

José L. F. Nunes1

 

Resumo: O artigo tem como referência a pesquisa realizada por ocasião da apresentação da dissertação para o programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, intitulada As reformas da educação pública paulista dos anos 90: o discurso oficial e a ação prática do governo estadual para implementar a política do Banco Mundial1. A contextualização teórica do estudo consiste na análise das práticas neoliberais dos anos 1990, mas o artigo trata, exclusivamente, da discussão do trabalho realizado em uma escola estadual do Município de Diadema.

Palavras-chave: Políticas educacionais; organização da escola; anos 1990

 

Abstract: This paper refers to a research made for a dissertation for the Postgraduate Studies in Education, at the Catholic University of Sao Paulo, titled Reforms in the public education of Sao Paulo in the nineties: the State Government’s official discourse and practical actions to implement the World Bank’s policy. The study’s theoretical contextualization consists in the analysis of the neoliberal practices in the nineties, but the paper deals exclusively with the work performed in a state school in the city of Diadema.

Keywords: Educational policies; School organization; The nineties.

 

1 Mestre e Doutor pelo em Educação/ Currículo, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP FACSP - jlfnunes@bol.com.br Supervisor Escolar da Prefeitura de São Paulo Professor da Faculdade São Paulo - FACSP

 

Literatura Citada

ADRIÃO, T. M. de F. Autonomia monitorada como eixo de mudança: padrões de gestão no ensino público paulista (1995-1998). Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Ampliação do período de alfabetização nas séries iniciais: o ciclo básico em São Paulo: algumas considerações. Idéias, São Paulo. Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1992.

AZANHA, José Mário Pires. Planos e Políticas de Educação no Brasil: Alguns pontos para reflexão. Leituras, Estrutura e Funcionamento da Educação Básica, São Paulo, Pioneira, 1999.

AZEVEDO, José Clóvis de. Ensino por ciclos: a democratização do conhecimento na Rede Municipal de Porto Alegre. Pátio, Porto Alegre, Editora Artmed, 1997.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2000/2001. Luta contra a Pobreza. Panorama Geral. Washington, D. C., 2001.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 1999/2000. No limiar do século XXI. Washington, D. C., jan. 2000.

BANCO MUNDIAL. El Banco Mundial. Conocimiento y recurso al servicio del desarrollo Washington, D. C.,1999.

BID (1993), Reforma social y pobreza: hacia uma agenda integrada de desarrollo. Trabajos Del Foro sobre Reforma Social y Pobreza. Washington; Nova Iorque: BID/ PNUD.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá. MITRULIS, Eleny. Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país. São Paulo, Estudos Avançados, USP, 2001.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá. MITRULIS, Eleny. Os ciclos escolares: elementos de uma trajetória. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 108, p. 27-48, 1999.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e educação popular: a teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. São Paulo: Ática, 1982.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei 9394/96. Brasília, MEC, 1999.

BRASIL. Lei 8.069, de 13/7/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. São Paulo, Editora Saraiva, 2002.

BRASIL. Lei 9.4246, de 24/12/1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no artigo 60, parágrafo 2º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e dá outras providências. Brasília, MEC, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Plano Decenal de Educação para Todos (1993-2003). Brasília, MEC, 1994.

CORAGGIO, José Luís. In: O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. TOMMASI, Lívia de et. Al. São Paulo: Cortez, 1996.

DURAN, M. C. G. Ciclo básico em São Paulo: memórias da educação nos anos 1980. São Paulo: Xamã, 2003.

FÓRUM DE DEBATES. Progressão Continuada: Compromisso com a aprendizagem. Anais 2002. São Paulo, Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação. São Paulo: Unesp, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREITAS, Luiz Carlos. Ciclos, Seriação e Avaliação; Confronto de lógicas. São Paulo, Editora Moderna, 2003.

FREITAS, Luiz Carlos. A progressão continuada e a “democratização” do ensino. In: Villas Boas, B. M. F. (Org.) Avaliação: políticas e práticas. Campinas: Papirus. 2002.

FREITAS, Luiz Carlos. A avaliação e a as reformas dos anos 90: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educação e Sociedade, No. 86, p. 133-170. 2004.

NEUBAUER, R. Quem tem medo da progressão continuada? Ou melhor, a quem interessa o sistema de reprovação e exclusão social? Formação Continuada Gestores de Educação: Módulo II – gestão pedagógica. Texto 1. Secretaria de Estado da Educação. São Paulo. 2000.

NOVOA, Antônio et.al. Profissão professor. Porto, Porto Editora, 1998.

RIBEIRO, Sérgio Costa. A Pedagogia da repetência. Revista Estudos Avançados, V. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Decreto nº 40.473, de 21 de novembro de 1995. Institui sobre o Programa de Reorganização das Escolas da rede pública estadual e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado, 22/11/1995, Seção I, São Paulo.

RIBEIRO, Sérgio Costa. Secretaria de Estado da Educação. Educação paulista: corrigindo rumos. Mudar para melhor: uma escola para a criança, outra para o adolescente – conheça mais. São Paulo: SEE, 1995.

RIBEIRO, Sérgio Costa. Lei Complementar nº 836, de 30 de dezembro de 1997. Institui Plano de Carreira, Vencimentos e Salários para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação e dá outras providências correlatas. Diário Oficial do Estado, Seção I, 31/12/1997.

RIBEIRO, Sérgio Costa. Secretaria de Estado da Educação. Educação paulista: corrigindo rumos. O que já mudou na escola pública paulista? São Paulo: SEE, 1997.

STEINVASCHER, A. A implantação da progressão continuada no Estado de São Paulo: um caminho para a democratização do ensino? 2003. Dissertação (Mestrado)- Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

VIRIATO Edaguimar Orquizas. Política Educacional do Estado de São Paulo (1995-1998): Desconstrução da Escola Pública. São Paulo. 2001. Tese de Doutorado. PUC.

WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

WINKLER, Donald R., GERSBERG, Alec Ian, (2000). Los efectos de la descentralización del sistema educacional sobre la calidad de la educación en América Latina. Documento de trabajo, Santiago de Chile, PREAL, nº 17, abr. 2000. Disponível em: <http://www.preal.cl>.

ZAIDAN, Samira. Ciclos no Ensino Fundamental: um projeto de inclusão? Belo Horizonte, Presença Pedagógica, 1999.