Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Resolução de Conflitos entre Gêneros: Como Meninas e Meninos Resolvem Conflitos Interpessoais

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8993/ml.v4n2p85-102

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/index 

downloadpdf

Adriana R. Braga1 & Vanessa A. G. Celente2

 

Resumo: Meninos e meninas, pré-adolescentes, apresentam diferenças significativas entre gêneros nos gostos, jogos, conversas e interesses, demonstrando uma mistura de amor e ódio nos comportamentos entre os sexos. O objetivo desta pesquisa foi verificar nesta faixa etária, se as meninas e meninos se colocam, e resolvem ou não de uma maneira semelhante hipotéticos conflitos interpessoais que eles enfrentam em situações comuns da vida cotidiana, como: jogos de grupo, recreação, vida em comunidade, situações de autoexposição, desrespeito, desejos em geral e injustiças. Foram utilizados como ferramentas de pesquisa, quatro hipotéticos conflitos morais aplicados por Vicentin (2009) em sua pesquisa de doutorado. O grupo focal foi composto por 54 alunos, entre os quais 27 meninas e 27 meninos, com idades entre 10 e 11 anos, pertencentes a uma escola pública na região metropolitana de Campinas. Com base nos resultados obtidos, observou-se que nos momentos em que a solução de conflitos é difícil, as meninas tendem a ser mais submissas e os meninos mais agressivos. No entanto, houve uma similaridade entre os sexos, quando os meninos ou meninas resolveram os conflitos de forma assertiva. As análises e estudos foram apoiados em autores e pesquisadores da área de Psicologia do Desenvolvimento Moral.

Palavras-chave: gênero; conflito interpessoal; puberdade; desenvolvimento moral

 

Abstract: Boys and girls, teens, show significant differences between genders in tastes, games, chats and concerns, demonstrating a mix of love and hate in the behaviors between sexes. The objective of this research was to verify in this age range, if girls and boys place themselves, and solve or not in a similar way hypothetical interpersonal conflicts which they face in common situations of everyday life, such as: group games, recreation, life community, situations of self-exposure, disrespect , overall desires and injustices. It were used, as research tools, four hypothetical moral conflicts applied by Vicentin (2009) in his PhD research. The focus group was composed by 54 students, among which 27 girls and 27 boys, aged between 10 and 11 years old belonging to a public school in the metropolitan region of Campinas. Based on the results obtained it was observed that in the moments when the solution of conflicts is difficult, girls tend to be more submissive and boys more aggressive. However, there was a similarity between the genders, when boys or girls can solve the conflicts in an assertive way. These analyses and studies are relied on authors and researchers of Psychology of Moral area.

Keywords: Gender; Interpersonal Conflict; Puberty; Moral Development

 

1 Professora da Universidade Federal de São Paulo – IFCL – Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano e Educação, Unicamp. Membro do GEPEM, Grupo de Pesquisas em Moralidade. E-mail: bragadri@uol.com.br
2 Professora e Especialista em: As relações interpessoais na escola e a construção da autonomia moral – UNIFRAN –SP. E-mail: vanessaghidotti@ig.com.br

 

Literatura Citada

DELUTY, R. H. Alternative thinking ability of aggressive, assertive, and submissive children. Cognitive Therapy and Research, 1979.

DELUTY, R. H. Children’s evaluation of aggressive, assertive, and submissive responses. Journal of Clinical Psychology, 1981.

GILLIGAN, C. Uma voz diferente: Psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta. São Paulo: Rosa dos Tempos, 1982.

LEME, M. I. S. Cognição, cultura e afetividade em solução de problemas: estrutura e função. 2006. Tese de livre-docência – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006a.

LEME, M. I. S. Resolução de conflitos interpessoais: interação entre cognição e afetividade na cultura. Psicologia Reflexão e Crítica: Porto Alegre, 2004.

MINAYO, M. C. D. S. (org.) GOMES, S. F. D. R. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes, 2007.

PIAGET, J. O juízo moral da criança. São Paulo: Summus,1932:1997

PIAGET, J. & GRECO, P. Aprendizagem e conhecimento. (Trad. equipe da livraria Freitas Bastos), Rio de Janeiro, RJ: Freitas Bastos, 1974.

SASTRE, G. V.; MORENO, M. Resolução de conflitos e aprendizagem emocional: gênero e transversalidade. Tradução Ana Venite Fuzato. São Paulo: Moderna, 2002.

TOGNETTA, L. R. P. Sentimentos e virtudes: um estudo sobre a generosidade ligado as representações de si. 2006. 320 p. Tese de doutorado. Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo, 2006.

TOGNETTA, L. R. P. A construção da solidariedade e a educação dos sentimentos na escola. Coleção Educação e Psicologia em Debate. São Paulo: Mercado de Letras, 2003.

VICENTIN, V. F. Condições de vida e estilos de resolução de conflito entre adolescentes. 2009. 223 p.. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Área de Concentração: Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

VICENTIN, V. F. E quando chega a adolescência: uma reflexão sobre o papel do educador na resolução de conflitos entre adolescentes. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista. Campinas. Mercado das Letras, FAPESP, 2000.

VINHA, T. P. Os conflitos interpessoais na relação educativa. 2003. Tese de doutorado. Faculdade de Educação. Unicamp, Campinas, 2003.

WARSWORTH, B. A inteligência afetiva da criança: Na Teoria Piagetiana. (Trad. Esméria Rovai), São Paulo, SP: Pioneira, 1996.