Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Flash Mob, Reconhecimento Mútuo e Responsabilidade pelo Outro: Pressupostos Filosóficos e Éticos para Uma Disciplina Jurídica das Manifestações Sociais a partir do Ambiente Virtual

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1094/rcd.v11n11p102-118

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/RFD/index 

downloadpdf

Wanderley A. da C. Lima1 & Ricardo Rossetti2

 

Resumo: As novas tecnologias de comunicação favoreceram a criação de novas formas de integração, de compartilhamento de valores, sentimentos, ideais e sentidos da realidade, constituindo uma nova identidade do sujeito: a de um sujeito on-line. Essas formas nem sempre são devidamente previstas pelo Ordenamento Jurídico vigente, de modo a constituir uma disciplina suficiente para regular a prática comunicacional de maneira virtuosa. A própria orientação tradicional da dimensão espaço-temporal da comunicação fora substituída por uma nova orientação: a de uma condição metatemporal do sujeito que, agora, consegue estabelecer relações dialógicas capazes de enredar um grande número de pessoas num rápido movimento de manifestação de consenso através da flash mob. Com essa nova compreensão da realidade dos processos comunicacionais, urge uma noção de responsabilidade capaz de dar conta da intenção ética dos sujeitos on-line que passam a se manifestar silenciosa e enfaticamente como elemento de uma nova identidade ética do sujeito responsável pelo outro. Trata-se de uma perspectiva que visa ultrapassar os limites lógico-positivos da norma jurídica, e de toda uma tradição dogmática da teoria da responsabilidade jurídica, com vista a despertar no sujeito uma reflexão ética a partir de uma filosofia do direito das relações sociais.

Palavras-chave: redes sociais; flash mob; consenso; intenção ética; responsabilidade jurídica ambiental.

 

Abstract: The new communications technologies have brought recent forms of integration, share os values, feelings, idealism and sense of reality, all together making a new category for persons identified as: people on-line. Even the traditional space-time dimension of convergence has been replaced by new guidelines: a metatemporal condition of the individuum, who now is able to establish dialogical relations among a broader number of peoples in a fast movement called flash mob. To understand these new communications tools like flash mob one has to think of the urgent need of a special kind of responsibility, which should keep the pace and get coversant with ethical principles directed to the on-line dwellers. Flash mob as silent manifestations to carries through the search for new ethicals landmarks concerning on- -line travellers. This perspective aiming to go beyond the logical assessment of the legal norm is related to an extensive dogmatic tradition, which is based on legal responsibility focused to grant to the individual a deeper reflection settled on those ethical juridical philosophical principles that rules society relations.

Key Words: social networks; flash mob; convergence; ethical references; environmental and legal responsibility.

 

1 Doutor em Direito Comparado pela Universidade de Munster, Professor da Universidade Nove de Julho (Uninove) e da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). E-mail: pilgrimoz49@gmail.com
2 Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Professor da Universidade Paulista (Unip) e da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). E-mail: epitofilos@uol.com.br

 

Literatura Citada

CANETTI, Elias. Masse und Macht. Frankfurt: Fischer, 1998.

CANTO-SPERBER, Monique. Dicionário de ética e filosofia moral. Tradução de Ana Maria Ribeiro-Althoff et al. São Leopoldo: Editora da Unisinos, 2003. v. 2.

COIMBRA, José de Ávila Aguiar. O outro lado do meio ambiente. 2. ed. Campinas: Millennium, 2002.

EDITORIAL. The Local Germany’s News in English, 28 jul. 2009. Disponível em: <http://www.thelocal.de>. Acesso em: 20 mar. 2012.

FRANCO, Augusto de. A origem das redes sociais é a sociedade humana: Entrevista feita por Gazetaonline, 11 jan. 2012.

GRIBBIN, John. In search of Schrödinger’s Cat: Quantum physics and reality. London: Corgi Books, 1993.

HARD, Michael; JAMISON, Andrew. Hubris and Hybrids: A Cultural History of Technology and Science. New York: Routledge, 2005.

LÉVINAS, Emmanuel. Humanismo do outro homem. Tradução de Pergentino S. Pivatto et al. Petrópolis: Vozes, 1993.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

RAHE, Michael. Rahe Blog. 24 de janeiro de 2009. Disponível em: <http://blog.michael-rahe.de/>.Acesso em: 20 mar. 2012.

RICOEUR, Paul. Teoria da interpretação: discurso e excesso de significação. Lisboa: Edições 70, 1996.

SANTAMARIA GONZALEZ, Fernando. Ferramentas da WEB para a Aprendizagem Colaborativa: Webblogs, Redes Sociais, Web 2.0. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/21015722/Artigo-2005-Ferramentas-Web-para-aprendizagem-colaborativa-Fernando-Santamaria-GONZALEZ>. Acesso em: 20 mar. 2012.

SPERBER, Manès. Sieben Fragen zur Gewalt: Leben in dieser Zeit. München: Deutscher Taschenbuch-Verlag, 1983.

TADEU, Tomaz. Antropologia do ciborgue, as vertigens do pós-humano: Nós, ciborgues – o corpo elétrico e a dissolução do humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TORBEN, Bob; Fred WOLF. Espaço-Tempo e Além: rumo a uma explicação do inexplicável. 2. ed. Tradução de Hernani Gonçalves e Newton Eichenberg. São Paulo: Cultrix, 1982.

XINHUA,Han Chuanhao. People’s Daily Online. 3 de janeiro de 2012. Disponível em: <http://english.peopledaily.com.cn/102774/7695868.html>. Acesso em: 20 mar. 2012.