Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Herança Ockhamista – Uma Via de Leitura para Entender a Reforma Protestante

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n3p185-202

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Fábio F. Oliveira1

 

Resumo: O presente artigo tem como perspectiva percorrer os caminhos da formação do pensamento ockhamista levando em consideração o movimento que a cultura literária árabe proporcionou na Idade Média. Nesta via, entendemos que as disparidades que aparecem neste artigo adentram, não apenas na construção do conhecimento e estrutura eclesiástica, como também em uma proposta para o surgimento do protestantismo. É Guilherme de Ockham, um dos principais doadores para Reforma Protestante que, doando a parcimônia, contribui de forma significativa para o papel dos futuros reformadores. Não poderíamos conceber a Reforma Protestante sem entender os passos deste franciscano.

Palavras-chave: Nominalismo. Reforma Protestante. Ockham e aristotelismo

 

Abstract: The prospect of this article is to follow the pathways of the creation of the ockhamistic thought considering the movement the Arabic literary culture produced in the Middle Ages. In this sense, we understand that the disparities that appear in this paper enter not only in the construction of the knowledge and ecclesiastical structure but also in a proposal for the emergence of Protestantism. William of Ockham is a major contributor to the Protestant Reformation, since thrift contributes significantly to the future role of reformers. We could not conceive the Protestant Reformation without understanding this Franciscan priest’s steps.

Key words: Nominalism. Protestant Reformation. Ockham and Aristotelianism

 

1 Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR atelc_off@hotmail.com

 

Literatura Citada 

AQUINO, T. de. Textos da suma teológica. In: AQUINO, T. de. Obras incompletas. São Paulo: Abril, 1973.

AQUINO, T. de. Suma teológica, Tradução de Alexandre Corrêa. Caxias do Sul: Livraria Sulina, 1980. v. 1.

BERTRAND, A. N. El protestantismo. Buenos Aires: La Aurora, 1936.

BRÉHIER, E. La filosofía en la Edad Media. México: Hispano Americana, 1959.

BOFF, L. Inquisição: um espírito que continua a existir. In: EYMERICH, N.; PEÑA, F. de La. Orgs.). Manual dos inquisidores. Tradução de Maria José Lopes da Silva. Brasília: Edunb, 1993.

CHAUÍ, M. Introdução à história da filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

D’AUBIGNÉ, J. H. M. História da reforma: do décimo sexto século. São Paulo: Mercúrio/ Presbiteriana, 1951. v. 1.

DE BONI, L. A. Apresentação: pensamento político de Lutero. In: DE BONI, L. A. (Org.). Clássicos do pensamento político: escritos seletos de Martinho Lutero, Tomás Müntzer e João Calvino. Petrópolis: Vozes, 2000.

DE BONI, L. A. Filosofia medieval: textos. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.

DE LIBERA, A. A filosofia medieval. São Paulo: Jorge Zahar, 1990.

DE LIBERA, A. Pensar na idade média. São Paulo: Editora 34, 1999.

DICKENS, A. G. A Reforma na Europa do século XVI. Lisboa: Verbo, 1971.

ESTÊVÃO, J. C. A Crítica de Ockham à teologia como ciência. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, série 3, v. 7, n. 2, p. 99-120, jul.-dez. 1997.

FRANCA, L. A igreja, a reforma e a civilização. Rio de Janeiro: Agir, 1958.

GILSON, E. A filosofia na idade média. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

INÁCIO, I. C.; DE LUCA, T. R. O pensamento medieval. São Paulo: Ática, 1988.

LUTERO, M. Sobre a liberdade cristã. In: DE BONE, L. A. (Org.). Escritos seletos de Martinho Lutero, Tomás Müntzer e João Calvino. Tradução de Ilson Kayser et al. Petrópolis: Vozes, 2000a. p. 45-80.

LUTERO, M. Da autoridade secular: até que lhe deve obediência. In: DE BONE, L. A. (Org.). Escritos seletos de Martinho Lutero, Tomás Müntzer e João Calvino. Tradução de Ilson Kayser et al. Petrópolis: Vozes, 2000b. p. 81-123.

KOYRÉ, A. Aristotelismo e platonismo na filosofia da Idade Média. In: KOYRÈ, A. Estudos de história do pensamento científico. 2ª Ed. Tradução Marcio Ramalho. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

LEITE JUNIOR. P. A Crítica de Ockham à Distinção Formal e à Natura Communis de Scotus. STUDIUM –Revista de Filosofia. Recife: Instituto Salesiano de Filosofia, Ano 6, N. 11, 2003, p. 59 – 80.

LUZURIAGA, L. História da educação e da pedagogia. 10ª Ed. Tradução Luiz Damasceno Penna e J. B. Damasceno Penna. São Paulo: Editora Nacional, 1978.

MAINARDINI, M. O defensor da paz. In: DE BONI, L. A. (Org.). Filosofia medieval: textos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

MORA, J. F. Dicionário de filosofia. São Paulo: Loyola, 2001.

OCKHAM, G. de. Suma de toda lógica. DE BONI, L. A. (Org.). Filosofia medieval: textos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

OCKHAM, G. de. Quodlibeta Septem, I, Q. 13 – Problemas Epistemológicos. Tradução de Carlos Lopes de Mattos. Os Pensadores. São Paulo: Editora Abril, 1973, p. 339 – 359.

OLIVEIRA, F. F. Mo(vi)mento árabe: A Falsafa, Tomás de Aquino e Guilherme de Ockham. Heranças medievais da reforma protestante. Revista Edifica: Teologia, Filosofia e Educação. Perspectivas Educacionais, Piracicaba, v. 1, n. 2, p. 89-128, 2013.

PASSOS, J. A. M. B. Poder régio e papal na Idade Média. 1972. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo. São Paulo.

PERIN, C. S. B. A Educação no Século XIV: Guilherme de Ockham. 2005. Dissertação (Área de Concentração: Fundamentos da Educação, da Universidade Estadual de Maringá, como um dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Educação). Paraná: Maringá. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/dissertacoes/2005-Conceicao_Perin.pdf. Consultado dia 05/04/2013.

RODRIGUEZ, R. V. O empirismo inglês. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, s.d. Disponível em: <http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/EI.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2010.

ROPS, D. Igreja do renascimento e da reforma: uma revolução religiosa. A reforma protestante. Tradução de Manuel Pinheiro. Porto: Tavares Martins, 1962.

SCIACCA, M. F. História da filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1969. v. 2.

SENARCLENS, J. Herdeiros da reforma. Tradução de A. Sapsezian. São Paulo: Aste, 1970.

STROHL, H. O pensamento da reforma. São Paulo: Aste, 1963.

VALENTIN, I. F. A reforma protestante e a educação. Revista de Educação do Cogeime, São Paulo, n. 37, jul.-dez. 2010, n. 37, p. 59-70. Disponível em: <https://www.redemetodista.edu.br/revistas/revistas-cogeime/index.php/COGEIME/article/view/66>. Acesso em: 20 mar. 2014.

VIER, R. Guilherme de Ockham: filósofo e teólogo franciscano. In: GARCIA, A. (Org.). Estudos de filosofia medieval: a obra de Raimundo Vier. Rio de Janeiro: Petrópolis, 1997.

ZILES, U. Teoria do conhecimento. Porto Alegre: Edipucrs, 2000.

ZWEIG, S. Uma consciência contra violência. Rio de Janeiro: Guanabara, 1938.