Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Processo de Coping em Funcionários de Uma Instituição Financeira que Vivenciaram Uma Operação de Aquisição

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v8n16p1-27

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Mirian L. Rodrigues1, Maria I. Sachuk2 & André L. Silva3

 

Resumo: Neste artigo, teve-se por objetivo compreender o processo de coping nos funcionários que vivenciaram, no ano de 2000, a operação de aquisição da instituição pública onde trabalhavam, por uma instituição privada, para que assim, conseguissem permanecer trabalhando na instituição adquirente. A pesquisa é qualitativa, descritiva, corte temporal seccional com perspectiva longitudinal. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, e interpretados à luz da técnica de análise de conteúdo. Concluiu-se que os funcionários lançaram mão de fatores de proteção internos (coping) para lidar com os impactos gerados no ambiente de trabalho. Este processo se deu em face da reinterpretação realizada pelos funcionários quanto à situação adversa vivenciada, de modo que assim, eles conseguiram flexibilizar seus comportamentos e ações para lidar com os fatores de risco que lhes gerou a condição de vulnerabilidade frente à situação de risco. Concluiu-se que houve indícios de processo de coping nos funcionários que vivenciaram a operação de aquisição e, então, eles superaram as adversidades do novo ambiente de trabalho conseguindo permanecer desenvolvendo suas atividades de trabalho na instituição adquirente. Assim, percebeu-se com a pesquisa que o conceito de coping da psicologia contribui sobremaneira para o entendimento do comportamento humano nas organizações.

Palavras-chave: aquisições, coping, fatores de proteção, organizações, relações de trabalho

 

Abstract: coping in staff who lived in the year 2000, the acquisition of a public institution where they worked for a private institution, so that, managed to stay working in the acquiring institution. The research is qualitative, descriptive, temporal cut sectional with a longitudinal perspective. Data were collected through interviews, and interpreted in the light of the technique of content analysis. It was concluded that the employees have made use of internal protection factors (coping) to deal with the impacts in the workplace. This process was carried out in the face of reinterpretation by employees as to the adverse circumstances experienced, so they came away with their behavior and actions flexibility to deal with the risk factors that led to the condition of their vulnerability to risk. It was concluded that there was evidence of the process of coping in staff who have experienced the acquisition and then they overcame the hardships of getting new work environment to develop their activities remain on the job buyer. Thus, it was realized through research that the concept of psychological coping on way contributes to the understanding of human behavior in organizations.

Key words: acquisitions, coping, protection factors, organizations, labor relations.

 

1 UNIFIL - Centro Universitário Filadélfia. Mestre em Administração pelo PPA (UEM/UEL - 2009). Professora do Centro Universitário Filadélfia (UniFil).
2 UEM - Universidade Estadual de Maringá. Doutora em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV- -EAESP). Professora associada da Universidade Estadual de Maringá (UEM).
3 FGV-EAESP - Esc. de Adm. de Emp. de SP da Fund. Get. Vargas. Doutorando em Administração de Empresas pela FGV-EAESP. Mestre em Administração pelo PPA (UEM/UEL) - Universidade Estadual de Londrina. Pesquisador inscrito no grupo de estudo organizacionais.

 

Literatura Citada

ANTONIAZZI, ADRIANE SCOMAZZON. Desenvolvimento de instrumentos para a aplicação de coping em adolescentes brasileiros. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1999.

ANTONIAZZI, ADRIANE SCOMAZZON; DELL’AGLIO, DÉBORA DALBOSCO; BANDEIRA, DENISE RUSCHEL. O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia. Natal, v. 3, n. 2, p. 273-294, jul./dez. 1998.

BARLACH, LISETE. O que é resiliência humana? Uma contribuição para a construção do conceito. 2005. 108 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.

BARLACH, LISETE; LIMONGI, ANA CRISTINA; MALVEZZI, SIGMAR. O conceito de resiliência aplicado ao trabalho nas organizações. Interamerican Journal of Psychology, vol. 42, n. 001, p. 101-112, 2008.

BARLACH, L.; MALVEZZI, S. Human resilience: what is it? A conceptual review. Saarbrucken, Deutschland: VDM Verlag, 2010.

BEUTLER, LARRY F.; MOOS, RUDOLF H.; LANE, GEOFFREY. Coping, Treatment Planning, and Treatment Outcome: Discussion. Journal of Clinical Psychology, vol. 56, n. 10, p. 1.151- 1.167, 2003.

BOUCHARD, GENEVIÈVE; GUILLEMETTE, ANNIE; LANDRY-LÉGER, NICOLE. Situacional and Dispositional Coping: An Examination of their Relation to Personality, Cognitive Appraisals, and Psychological Distress. European Journal of Personality, vol. 18, p. 221-238, 2004.

CANGUSSU, EWERTON TAVEIRA. A resiliência nos empreendedores egressos do Banco do Brasil. 2008. 113 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá (PPA – UEL/UEM). Londrina, 2008.

DELL’AGLIO, DÉBORA D.; HUTZ, CLÁUDIO S. Estratégias de coping e estilo atribucional de crianças em eventos estressantes. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 1, p. 5-13, 2002.

FOLKMAN, S.; LAZARUS, R. S. An analysis of coping in a middle-aged community sample. Journal of Health and Social Behavior. v. 21, p. 219-239, 1980.

GALLENDE, EMILIANO. Subjetividad y resiliencia: del azar y la complejidad. In: MELILLO, ALDO; OJEDA, E. N. S.; RODRIGUEZ, D. (org.). Resiliencia y subjetividad: los ciclos de La vida. Buenos Aires: Paidós, 2004.

PERLIN, LEONARD I.; SCHOOLER, CARMI. The Structure of Coping. Journal of Health and Social Behavior, vol. 19, n. 1, p. 2-21, mar. 1978.

TAVARES, JOSÉ; YUNES, MARIA A. M.; SZYMANSKI, HELOÍSA; PEREIRA, ANABELA M. S.; RALHA-SIMÕES, HELENA; CASTRO, MARIA A. C. D. de. Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

TRIVIÑOS, AUGUSTO N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

YUNES, MARIA A. M.; SZYMANSKI, HELOISA. Resiliência: noção, conceitos afins e con siderações críticas. In: TAVARES (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001, p. 13-43.