Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Inovação em Serviços de Transporte Público

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v8n15p65-86

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Rafael M. Lübeck1, Milton L. Wittmann2, Luciana F. Battistella3, Angélica S. Richter4 & Marcia S. Silva5

 

Resumo: O presente artigo é resultado de uma pesquisa sobre melhorias decorrentes da implantação do sistema de bilhetagem eletrônica em duas cidades e na região metropolitana do Estado do Rio Grande do Sul. Esta pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de verificar se são percebidas como inovação em serviços as melhorias decorrentes da implantação do sistema de bilhetagem eletrônica. Inicialmente, foi construído um referencial teórico que possibilitou descrever características de inovação em serviços, que nortearam a busca por informações e dados, e deram suporte para a comparação do sistema de bilhetagem e os construtos caracterizadores das inovações em serviços. A partir da definição dos casos, foram construídos os instrumentos de coleta de dados que resultaram em informações de natureza qualitativa via entrevistas com gestores das empresas e associações e acesso a documentos, que foram analisados com a aplicação da análise de conteúdo. Realizou- -se uma comparação dos benefícios obtidos com o sistema de bilhetagem e excertos de autores reconhecidos na área de inovação como forma de demonstrar as características inovadoras destes benefícios, considerando-se ao final que a bilhetagem, além das melhorias que proporciona à gestão de operações de passagens e empresas, consiste em um meio para se alcançar a inovação e não uma inovação per si.

Palavras-chave: inovação em serviços; bilhetagem eletrônica; transporte público urbano.

 

Abstract: This article describes a research on improvements resulting from the implementation of electronic ticketing system in two cities and a metropolitan region of Rio Grande do Sul. This research was developed in order to determine whether they are perceived as innovation in the service improvements resulting from the implementation of electronic ticketing system. Initially, we built a theoretical framework that enabled describe characteristics of innovation in services, which guided the search for information and data, and provided support for the comparison of the ticketing system and characterizing constructs of service innovation. From the definition of cases, the instruments were built to collect data that resulted in qualitative information through interviews with managers of companies and associations and access to documents, which were analyzed with the application of content analysis. Benefits obtained with the ticketing system were compared to excerpts from renowned authors in the field of innovation, in order to demonstrate the innovative features of such benefits. Finally, comparison allowed inferring that electronic ticketing, in addition to providing improvements in the management of ticket operations and the business as a whole, also comprises a means to achieve innovation rather than being an innovation per si.

Key words: innovation in services; electronic ticketing; urban public transport

 

1 Faculdades Senac-RS/PPGA-UFSM. E-mail: rafael.lubeck@gmail.com
2 PPGA/UFSM. E-mail: wittmann@profwittmann.com
3 PPGA/UFSM. E-mail: luttibattistella@gmail.com
4 UFSM. E-mail: angelica.keca@gmail.com
5 PPGA/UFSM. E-mail: mssrs@terra.com.br

 

Literatura Citada

AMATO NETO, J. Redes virtuais de pesquisa e inovação em serviços. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (orgs.). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 303-321, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 1977.

BARRAS, R. Towards a theory of innovation in services. Research Policy, North-Holland, n. 15, p. 161-173, 1986.

BAUER, M. W. e GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002.

BERNARDES, R.; ANDREASSI, T. Apresentação. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, Tales (orgs.). Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2007.

BESSANT, J.; LAMMING, R.; NOKE, H. e PHILLIPS, W. P. Managing innovation beyond the steady state. Technovation. Vol.25, n. 12, p. 1.366-1.376, 2005.

BYKFALVY, A. Innovation, entrepreneurship and outsourcing: essays on the use of knowledge in business environments. Girona: Programme Innovación empresarial – Department of business Administration and Product Design. University of Girona, 2007.

CAMACHO, J. A. e RODRIGUEZ, M. How innovative are services? an empirical analysis for Spain. In: The Service Industries Journal. Vol. 25, n. 2, 2005.

CHESBROUGH, H. e KARDON, A. Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries, R & D Management (36:3), jun., p. 229-236, 2006.

COOPER, D. R. e SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

COOPER, R. The open field. Human relations. Vol. 29, n. 11, p. 999-1.017, 1976.

COSTA, J. C.; LUBECK, R. M.; JUNIOR-LADEIRA, W. Gestão da inovação em serviços e relacionamento estratégico no transporte público. In: RECADM. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 7, p. 9-16-9, 2008.

DASCHS, B.; EBERRSBERGER, B. e LÖÖF, H. The innovative performance of foreign-owned enterprises in small openeconomies. In: Journal of Technology Transfer. Vol. 33, n. 4; p. 393-407, 2008.

DAVENPORT, T. H. Process Innovation: Reengineering Work through Information Technology. Harvard Business School Press, Cambridge, 1992.

De JONG, Jeroen P. J.; VERMEULEN, Patrick A. M. Organizing successful new service development: a literature review. Management Decision, v. 41, n. 9, 2003.

DETRAN-RS (Departamento Estadual de Trânsito – Rio Grande do Sul). Estatísticas de Trânsito do Rio Grande do Sul, 2011.

DJELLAL, F. e GALLOUJ, F. Innovation and employment effects in services: a review of the literature and an agenda forresearch. In: The Service Industries Journal. Vol. 27, n. 3, p. 193-202, 2007.

FRANCIS, D.; BESSANT, J. Targeting innovation and implications for capability development. Technovation. Amsterdam, v. 25, n. 3; p. 171. 2005.

GALLOUJ, F.; WEINSTEIN, O. Innovation in services. Research Policy, North-Holland, n. 26, p. 537-586, 1997.

GALLOUJ, F.; SANSON, K. Economia da inovação: um balanço dos debates recentes. In: BERNARDES, R. e ANDREASSI, T. Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 03-27, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa – tipos fundamentais. In: Revistas de Administração de Empresas, São Paulo. Vol. 35, n. 3, jul./set., p. 10-25, 1995.

HAIR, et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAMDANI, D. Serviços, criação de conhecimento e inovação. In: BERNARDES, Roberto e ANDREASSI, T. Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 29-56, 2007.

HAUKNES, J. Services in innovation – innovation in services – Síntesis report. In: Services in innovation, innovation in services. http://www.step.no/si4s, arquivo PDF, acessado em 15/11/2009, 1998.

HIPP, C. Service peculiarities and the specific role of technology in service innovation management. In: International Journal of Services Technology and Management. Vol. 9, n. 2; 2008.

IBGE (Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Contagem da População, 2011.

JACOBY, R. e RODRIGUEZ, D. Innovation, Growth, and Getting to Where You Want to Go. In: Design Management Review. Vol. 18, n. 1, 2007.

KEUPP, M. M.; GASSMANN, O. Determinantes and archetype users of open innovation. R&D Management 39, 4, p. 331-341. 2009.

KLEIJNEN, M.; RUYTER, K.; ANDREASSEN, T. W. Image congruence and the adoption of service innovations. Journal of Service Research. Vol. 7, n. 4; p. 343- 360, 2005.

LUBECK, R. M.; WITTMANN, M. L.; JUNIOR-LADEIRA, W. Rede interorganizacional: inovação em serviços a partir da implantação da bilhetagem eletrônica em empresas de transporte público da região metropolitana de Porto Alegre. Revista Redes (Santa Cruz do Sul), v. 14, n. 3, p. 1-25, 2009.

MAGNUSSON, P. R. Benefits of involving users in service innovation. In: European Journal of Innovation Management. Vol. 6, n. 4, p. 228-239, 2003.

MANUAL DE OSLO. Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento: Departamento Estatístico da Comunidade Europeia, 2004.

MORAES, R. Análise de conteúdo. In: Revista Educação, Porto Alegre, n. 37, p. 7-32, 1999.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas. 2005.

RICHARDSON, R. J. (Cood.). Pesquisa social: métodos e técnicas. 4a. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1942.

SIMMIE, J.; STRAMBACH, S. The contribution of KIBS to innovation in cities: an evolutionary and institutional perspective. In: Journal of Knowledge Management. Vol. 10, n. 5, p. 26-37, 2006.

SIMÕES, S. P. Significado e possibilidades da análise de conteúdo. In: Tecnologia educacional, v. 20, n. 102/103, set./dez., 1991. p. 54-57.

SMITH, R. The evolution of innovation. In: Research Technology Management. Vol. 51, n. 3, p. 51-55, 2008.

SUNDBO, J.; GALLOUJ, F. Innovation in services, Oslo, Noruega, Recuperado em 15 de novembro de 2009, de http://www.step.no/old/Projectarea/si4s/index.htm, 1998.

TARAFDAR, M; GORDON, S. R. Systems competencies on process innovation: A resource-based view. The Journal of Strategic Information Systems. Vol. 16, n. 4, p. 353-392, 2007.

TETHER, B. Do Services innovate (differently)? insights from the european innobarometer Survey. In: Industry and Innovation. Vol. 12, n. 2; 2005.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.