Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aprimoramento Acadêmico e Aportes com o Mercado Cultural Pautam os 14 Anos de Folkcomunicação na Intercom

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0934/aum.v16n16p31-46

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/AUM/index 

downloadpdf

Cristina Schmidt1 & Bianca G. Freitas2

 

Resumo: A Rede Folkcom de Estudos e Pesquisas em Folkcomunicação vem se destacando no campo da comunicação como grupo inovador, consagrado pelo Prêmio Luiz Beltrão no ano de 2011. Pesquisadores dessa Rede estão inseridos no contexto das mídias digitais e da economia voltada para o mercado cultural, que exige manifestações/produtos suficientemente ágeis para atuarem nos meios com diferenciais; uma manifestação cultural mediada pelas possibilidades de negócios da indústria da cultura. Originalmente, a folkcomunicação foi proposta para o estudo dos processos comunicacionais populares marginalizados – a maneira como fazem a transmissão de ideias e valores, seus canais, suas mensagens, seus interlocutores; da mesma forma, estudam as apropriações desses pela mídia massiva e também identificam suas lideranças e avaliam a recepção. Trabalhos mais recentes nessa área ampliam essas visões e mostram de que maneira as comunicações expressas pelas culturas populares protagonizam as indústrias culturais alimentando-as com pautas jornalísticas, temas para produtos audiovisuais, como novelas, filmes, shows artísticos e musicais, ou ainda subsidiando campanhas publicitárias, políticas e diferentes produtos do universo do lazer e do entretenimento. Esse panorama ficou mais evidente no Brasil nas últimas três décadas, o que se configura, inclusive, em termos de políticas públicas voltadas para a produção cultural. Essas ocorrências geram aspectos contundentes nas manifestações culturais nos diferentes segmentos sociais, e a folkcomunicação propõe-se a compreendê-las. Por isso, este artigo objetiva apresentar as teorias e metodologias que subsidiam a interpretação e a exegese dos fenômenos da produção cultural, determinados pelos fluxos midiáticos, ou por eles intermediados, permitindo uma visão mais detalhada dos caminhos percorridos pelas pesquisas em folkcomunicação. Como corpora para a análise, foram aferidos os trabalhos apresentados nos últimos dez anos no Grupo de Pesquisa em Folkcom da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), um dos principais fóruns de debate e construção teórica e metodológica em comunicação, e onde há participação expressiva dos pesquisadores da Rede Folkcom. Esse grupo abre seus olhares investigativos para a compreensão da diversidade cultural em suas produções com diferentes estaturas, vinculações técnicas, étnicas, estéticas e institucionais, e suas pesquisas adquirem maior importância quando realizam trabalhos empíricos e permitem o acompanhamento direto da manifestação cultural. A vivência do pesquisador no ambiente em que ocorre a manifestação popular permite um registro científico testemunhal e demanda uma análise interdisciplinar. Novos caminhos têm sido delimitados para os estudos da folkcomunicação, situação que vem agregando pesquisadores ligados ao universo acadêmico e, da mesma forma, profissionais que atuam no mercado cultural. Reflexões sobre a indústria da cultura à luz da folkcomunicação têm orientado as práticas acadêmicas e contribuído para o desenvolvimento cultural e humano em suas manifestações.

Palavras-chave: Folkcomunicação – teorias da comunicação – diversidade cultural – mercado cultural

 

Abstract: The Folkcom Network of Studies and Research in folk communication has stood out in the field of communication as an innovative group, consecrated by the Luis Beltrão Award in 2011. Researchers from this Network are placed in the context of digital media and economy oriented towards the cultural market, which requires expressions and products that are agile enough to perform in the media with advantages; a cultural manifestation mediated by the cultural industry’s business possibilities. Folk communication was originally proposed for the study of marginalized popular communication processes: how they convey ideas and values , their channels, their messages, and their actors. Likewise, it studies their appropriations by the mass media, identify their leaders, and assess the reception. More recent works in this area extend these views and show how communications expressed by the popular culture feature in the cultural industries feeding them with news agendas, themes for audiovisual products – such as soap operas, films, art and music shows – or subsidizing advertising and political campaigns, and different products of the world of leisure and entertainment. This panorama became most evident in Brazil over the past three decades, producing public policies oriented to the cultural production. These events generate compelling aspects in cultural events in different social segments, and it is folk communication’s aim to understand them. Therefore, this paper presents the theories and methodologies that support the interpretation and exegesis of the phenomena of cultural production, determined by media streams or intermediated by them, allowing a more detailed view of the routes taken by research in folk communication. As assessment basis, this work made use of papers presented over the last ten years to the Folkcom Research Group from the Brazilian Society of Interdisciplinary Studies in Communication (Intercom), one of the main forums for debate and theoretical and methodological developments in communication, and a space that aggregates a significant number of researchers from the Folkcom Network. This group opens its investigative eyes to the understanding of cultural diversity in their productions with different statures, technical, ethnic, aesthetic and institutional linkages. It studies become more important when conducting empirical studies and allowing direct monitoring of cultural manifestations. The researcher’s experience in the environment in which the popular manifestation occurs allows a testimonial and a scientific record and demands an interdisciplinary analysis. New paths have been defined for the study of folk communication, a situation that has been attracting researchers linked to the academic world and also professionals working in the cultural market. Reflections on the cultural industry in the light of folk communication have guided academic practices and contributed to the cultural and human development in its manifestations.

Key words: Folk communication – communication theories – cultural diversity – cultural market

 

1 Jornalista, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Coordenadora do GT de Folkcomunicação da Intercom. Pesquisadora e membro do Conselho Deliberativo da Rede Folkcom. Professora do Centro de Pós-Graduação e Extensão da Universidade de Mogi das Cruzes/SP, onde também é membro do Comitê Interno de Pesquisa no Programa de Iniciação Científica Pibic CNPq/UMC, e pesquisadora do Grupo de Políticas Públicas (Gruppu).
2 Jornalista e mestre em Comunicação e Cultura Midiática pela Universidade Paulista (Unip). É professora, desde 2000, no Curso de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, da Fatea (Faculdades Integradas Teresa D’Ávila), em Lorena. Também atua no mercado, na área de comunicação empresarial.

 

Literatura Citada

ANUÁRIO UNESCO/UMESP DE COMUNICAÇÃO REGIONAL n. 5. São Bernardo do Campo: Umesp, 1997.

BELTRÃO, L. Comunicação e folclore: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação e expressão de idéias. São Paulo: Melhoramentos, 1971.

BELTRÃO, L. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

BELTRÃO, L. Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do Campo: Umesp, 2004.

BENJAMIN, R. Folkcomunicação na sociedade contemporânea. Porto Alegre: Comissão Gaúcha de Folclore, 2004.

FREITAS, B. Folkcomunicação no cenário global e local. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO – INTERCOM, 32., 2009, Curitiba. Anais… São Paulo: Intercom, 2009. (Trabalho apresentado no DT 6 - GP Folkcomunicação).

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

COMUNICAÇÃO & SOCIEDADE. n. 1. São Bernardo do Campo: Umesp, jul. 1979.

D’ALMEIDA, A. Folkmídia. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE FOLKCOMUNICAÇÃO, 6., 2003, São João da Barra. Anais… Campos de Goytacazes: Faculdade de Filosofia de Campos, 2003.

DUARTE, F. Global e local no mundo contemporâneo: integração e conflito em escala global. São Paulo: Moderna, 1998.

HALL, S. A Identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

IANNI, O. A sociedade global. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

IANNI, O. A era do globalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

LUYTEN, J. Folkmídia. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE FOLKCOMUNICAÇÃO, 6., 2003, São João da Barra. Anais… Campos de Goytacazes: Faculdade de Filosofia de Campos, 2003.

MARQUES DE MELO, J. (org.). Mídia e Folclore. Maringá, Faculdades Maringá, 2001.

MARQUES DE MELO, J.; KUNSCH, W. L. (Orgs.). De Belém a Bagé: imagens midiáticas do Natal brasileiro. São Bernardo do Campo: Umesp, 1998.

MARQUES DE MELO, J.; GOBBI, M. C.; SATHLER, L. (Orgs.). Mídia cidadã, utopia brasileira. São Bernardo do Campo: Umesp, 2006.

MARTÍN-BARBERO, J. Globalização comunicacional e transformação cultural. In: MORAES, D. de. (Org.). Por uma outra comunicação. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MARTÍN-BARBERO, J.; REY, G. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac, 2001.

MEDINA, C. A. de. Comunicação regional e cultura popular. In: MORAES, D. (Org.). A dialética das mídias globais. Campo Grande: Letra Livre, 1997.

ORTIZ, R. Mundialização e cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

SCHMIDT, C. O comunicador folk e as festas de uma só. Anuário Unesco-Umesp de Comunicação Regional, v. 5, n. 5. São Bernardo do Campo, 2001.

SCHMIDT, C. Metodologias da Folkcomunicação: uma avaliação da VI Conferência. CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DA COMUNICAÇÃO, 26., 2003, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: Intercom, 2003.

SCHMIDT, C. Folkcomunicação na arena global: avanços teóricos e metodológicos. São Paulo: Ductor, 2006a.

SCHMIDT, C. A reprodutibilidade digital da folkcomunicação: a construção de novas linguagens ou o fim do popular. CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE FOLKCOMUNICAÇÃO, 9., 2006, São Bernardo do Campo. Anais… São Bernardo do Campo: Umesp, 2006b.

SCHMIDT, C. Folkcomunicação. III Interdisciplinas Emergentes. In: MARQUES DE MELO, J. (Org.). O campo da comunicação no Brasil. São Paulo: Vozes, 2008.