Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Cultura da Margem: Referências Ancestrais na Produção Cultural para a Cidadania

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0934/aum.v16n16p67-77

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/AUM/index 

downloadpdf

Cristina Schmidt1 & Felipe Fernandes2

 

Resumo: As margens culturais são compostas por uma diversidade de grupos que compõem suas histórias com expressões diversas. Resistindo, “ressignificando” e insurgindo, eles criam canais de comunicação próprios para transferirem seu ideário. Nas mensagens encontram-se referências ancestrais que aproximam e fortalecem os grupos e atualizam os processos. Isso ocorre por uma questão de identificação cultural, mas também para um posicionamento social de pertencimento e autonomia. A conquista da cidadania perpassa os diferentes níveis de estruturação social, e é perceptível como os meios culturais da margem levam o grupo da sobrevivência em comunidade para o centro da história. Esse artigo traz algumas considerações sobre como as novas gerações implantam esses processos e, pouco a pouco, criam seus próprios matizes nas produções culturais e como as raízes históricas dão sentido às suas necessidades e aos impasses culturais do momento presente. Por meio de uma observação de manifestações de samba em São Paulo foi possível visualizar como essa dinâmica possibilita o caminho de grupos marginalizados para o centro da produção cultural no compasso da cidadania.

Palavras-chave: Folkcomunicação – cultura da margem – produção cultural – cidadania.

 

Abstract: The cultural borders are composed of a plurality of groups that create their histories with several expressions. By resisting, “resignifying” and rebelling, they create their own communication channels to transfer their ideas. In their messages one finds ancestral references that approximate and strengthen the groups and update the processes. This is due to a cultural identification, but also to a social positioning that involves belonging and autonomy. The achievement of citizenship permeates the social structure’s different levels, and it is noticeable how marginal cultural resources lead the group from a place of survival within the community to the center of history. This paper reflects on how new generations deploy these processes and, little by little, create their own nuances in cultural productions and how historical roots give meaning to their needs and to the cultural impasses of the present moment. Through an observation of samba manifestations in Sao Paulo it was possible to see how this dynamics enables the movement of marginalized groups move to the center of cultural production in the rhythm of citizenship.

Key words: Folk communication – marginal culture – cultural production – citizenship

 

1 Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Coordenadora do GT de Folkcomunicação da Intercom. Pesquisadora e membro do Conselho Deliberativo da Rede Folkom. Professora e pesquisadora do Programa de Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes/SP, onde também é membro do Comitê Interno de Pesquisa no Programa de Iniciação Científica Pibic CNPq/UMC.
2 Jornalista, formado no curso de Comunicação Social UMC em 2010. Fez Pibic com pesquisa bibliográfica e de campo contemplada no item 3 deste texto.

 

Literatura Citada

BARBALHO, A.; FUSER, B.; COGO, D. (Orgs.). Comunicação e cidadania. Questões contemporâneas. Fortaleza: EDR, 2011.

BELTRÃO, L. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

BELTRÃO, L. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.

CANCLINI, N. G. (Coord.). Culturas da Ibero-América: diagnósticos e propostas para o seu desenvolvimento. São Paulo: Moderna, 2003.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2003.

CASCUDO, L. da C. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro/Ministério da Educação e Cultura, 1962.

CORREA, J. C. Comunicação e cidadania: os media e a fragmentação do espaço público nas sociedades generalistas. Lisboa: Horizonte, 2004.

DOMINGUES, A.; CUÍCA, O. da. Batuqueiros da Pauliceia. São Paulo: Barcarolla, 2009.

DOWING, J. D. H. Mídia radical: rebeldia na comunicação e movimentos sociais. São Paulo: Senac, 2002.

GOLDMANN, L. Dialética e cultura. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

IANNI, O. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

MELO, J. M. de. Mídia e cultura popular. São Paulo: Paulus, 2008.

MUNIZ, A. Almanaque do samba. São Paulo: Jorge Zahar, 2006.

OLIVEIRA FILHO, A. de. Pioneiros do samba. São Paulo: Mis, 2002.

SABINO, D. Reduto do samba. São Paulo: Reduto do Samba, 2002.

SCHMIDT, C. (Org.). Folkcomunicação na arena global. São Paulo: Ductor, 2006.

SCHMIDT, C. Folkmídia: da resistência à coexistência. In: MARQUES DE MELO, J.; GOBBI, M. C.; SATLER, L. (Eds.). Mídia cidadã: utopia brasileira. São Bernardo do Campo: Umesp, 2006.

TRIGUEIRO, Osvaldo Meira. Folkcomunicação. In: MARQUES DE MELO, J.; GOBBI, M. C.; SATLER, L. (Eds.). Mídia cidadã: utopia brasileira. São Bernardo do Campo: Umesp, 2006.