Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral e Propaganda Partidária Gratuita: Do Surgimento à Personalização na Televisão Brasileira

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0934/aum.v17n17p63-76

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/AUM/index 

downloadpdf

Lucas L. Peths1

 

Resumo: O presente trabalho busca analisar a criação e a evolução da Propaganda Partidária Gratuita e do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral na televisão brasileira, bem como definir a relação de ambos com o conceito de personalização da política, termo que faz referência a um maior destaque às personagens políticas, em detrimento do partido. Neste contexto, também é considerada a evolução tecnológica da televisão, principalmente durante a Ditadura Militar, que acabou por impulsionar a evolução e profissionalização destes dois espaços de diálogo democrático.

Palavras-chave: comunicação; personalização; propaganda eleitoral

 

1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFJF. E-mail: lucaslpeths@gmail.com

 

Literatura Citada

ALBUQUERQUE, Afonso de. Aqui você vê a realidade na tevê: a propaganda política na televisão. Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1999.

ALDÉ, Alessandra. A construção da política: cidadão comum, mídia e atitude política. Rio de Janeiro, IUPERJ, 2001.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1946. Rio de Janeiro, 1946.

BRASIL. Lei nº 9.096. Brasília, 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9096.htm. Acesso em 10/04/2012.

BRASIL. Lei n° 12.034, 2006. Disponivel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034.htm. Acesso em 01/09/2013.

CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e Cidadãos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1999.

DATAFOLHA. Pesquisa de intenção de voto em São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/62827-maioria-em-sp-aprova-horario-eleitoral.shtml. Acesso em 01/09/2013.

GLOBO. Apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://oglobo.globo.com/brasil/apoio-editorial-ao-golpe-de-64-foi-um-erro-9771604. Acesso em 01/09/2013.

GOMES, Wilson. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

GROHMANN, Rafael do Nascimento. A personalização da política e os personagens televisivos: um estudo do Horário Eleitoral Gratuito na disputa pela prefeitura de Juiz de Fora em 2008. Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2009.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2009). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2009/tabelas_pdf/brasil_7_2.pdf. Acessado em 31/08/2013.

LEAL, Paulo Roberto Figueira. A nova ambiência eleitoral e seus impactos na comunicação política. Lumina, Juiz de Fora, p. 66-67, jul-dez 2002.

LEAL, Paulo Roberto Figueira. Identidades políticas e personagens televisivos. Rio de Janeiro: Editora Corifeu, 2007.

LIMA, Fernando Barbosa; PRIOLLI, Gabriel; MACHADO, Arlindo. Televisão e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

LOPES, Luís Carlos. A TV aberta brasileira: economia política, cultura e comunicação. UNIrevista, Rio de Janeiro, v.1, n°3, jul-2006.

MARTINS, Simone Teixeira. A construção da notícia: sobre a influência da TV – e do telejornalismo – no Brasil. In: XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2009/resumos/R14-0528-1.pdf. Acesso em 03/09/2013.

MCCOMBS, Maxwell. A Teoria da Agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, Ed. Vozes, 2. ed, 2009.

PETHS, Lucas Lisboa. A personalização como ferramenta de promoção na Propaganda Partidária Gratuita do PMDB em 2012. In: Anais do 10° Encontro Regional de Comunicação, Produtora: Juiz de Fora, 2012, 15p.

PORCELLO, Flávio. Mídia e poder: o que esconde o brilho luminoso da tela da TV? Famecos, Porto Alegre, Revista FAMECOS n° 31, p. 79-84, dez-2006.

PRIOLLI, Gabriel. A tela pequena no Brasil grande: anos 50: o patrocinador faz o show. In: LIMA, Fernando Barbosa; PRIOLLI, Gabriel; MACHADO, Arlindo. Televisão e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

RAMOS, Roberto José. Rede Globo e a Ditadura Militar: atualização histórica e ideologia. Revista de Humanidades, Porto Alegre, v.20 n.2, p.143-148, 2005.

RESENDE, Ana Cláudia de Freitas. Meios de comunicação de massa: uma arma do governo militar brasileiro. In: IV ENECULT-Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador/BA, 2008. Publicado em meio eletrônico.

SCHWARTZENBERG, Roger-Gerárd. O estado espetáculo. São Paulo: Círculo do Livro, 1977.

TENÓRIO, Gilliard Gomes. Propaganda Partidária Gratuita: seus dilemas e implicações sobre os partidos políticos e a comunicação política brasileira. In: XI Encontro dos Grupos de Pesquisas em Comunicação, Recife, 2011. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2011/resumos/R6-1712-1.pdf. Acesso em 03/09/2013