Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Populações Tradicionais da Amazônia Onde Começam e Terminam: Revisão e Abrangência Jurídica e Conceitual

DOI: http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.n1v1p58-76

http://boletimamazonicodegeografia.ufpa.br/index.php/revista 

downloadpdf

Samuel Ribeiro1

 

Resumo: A conceituação tradicional foi atribuída a grupos humanos que por conta de sua relação com a natureza, modo de vida e organização social distinta, foram assim designados de populações tradicionais e, muito embora o termo tenha procedência exógena, produto da academia ou das organizações globais face aos levantes de defesa ambiental nos anos 80, tal conceito acabou sendo absorvido pelos mais variados grupos humanos, firmando categoria e transformando-se em estandarte de luta em defesa de seus direitos, tradições e demandas frente à comunidade regional. Paralelamente, povos indígenas e remanescentes quilombolas são nesta categoria relacionados, o que obrigou-nos a uma análise jurídica para positivar a resolução. Nessa circunstância, a problemática que se ergue é quem são as populações tradicionais da Amazônia e que práticas e modo de vida possuem, observando o suporte jurídico do presente e a produção teórica conceitual, que permite por esse nome chamá-las.

Palavras-chave: reconhecimento; modo de vida; território; legislação.

 

Abstract: The traditional concept has been attributed to human groups because of their relationship with nature, mode of life and social organization distinct, were so designated traditional populations and although the concept considered exogenous coming from the university or global environmental advocacy organizations in the 80s, it was eventually absorbed by various human groups, firming category and turning into battle flag in defense of their rights traditions and demands ahead the regional community. Indigenous peoples and Maroons are sometimes related in this category, so we did an analysis on legislation to address this issue. In this circumstance the question is who are the traditional peoples of the Amazon and who practices and mode of life have, observing the juridical present support and theoretical conceptual production, which enables that they are called traditional.

Key words: concepts; mode of life, territory; legislation.

 

1 Graduando de Lic/Bach em Geografia na Universidade Federal do Pará. Bolsista no Programa de Educação Tutorial - PET Geografia. e-mail: ribeiro.samr@hotmail.com

 

Literatura Citada

ALLEGRETTI, M. H. Reservas extrativistas: parâmetros para uma política de desenvolvimento sustentável na Amazônia. In: ANDERSON, A. (et al.). O destino da floresta: reservas extrativistas e desenvolvimento sustentável na Amazônia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p. 17-47.

ALMEIDA, Mauro. Quem são os povos da floresta? Povos da Floresta. In: 59ª REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. Belém 07 de 2007. Cadernos SBPC 30. Belém, 2007. p. 48-51.

AMARANTE, B. C. Reconhecimento jurídico-normativo das populações tradicionais pelo Estado brasileiro: uma revisão. In: ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 1-9.

ARRUDA, Rinaldo. Populações Tradicionais e a proteção de recursos naturais em Unidades de Conservação. In: Ambiente & Sociedade, ano II, n 5, 1999.

BELÉE W. Cultura na vegetação da Amazônia brasileira. In: NEVES, V. A. Biologia e Ecologia humana na Amazônia. Belém: Museu Emílio Goeldi, p. 95-109. 1989.

BRASIL. Constituição Federal. Vade Mecum / obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto, Marcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Livia Céspedes – 11 ed. Atual. E ampl. – São Paulo: Saraiva, 2011. p. 80, 93.

BRASIL. DECRETO Nº 5.051, DE 19 DE ABRIL DE 2004. Promulga a Convenção no 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5051.htm> Acesso em 11 de agosto de 2013.

BRASIL. DECRETO Nº 6.040, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6040.htm> Acesso em 11 agosto de 2013.

BRASIL. LEI N o 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9985.htm> Acesso em 09/2013.

BRASIL. MENSAGEM Nº 967, DE 18 DE JULHO DE 2000. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-9985-18-julho-2000-359708-veto-15161-pl.html> Acesso em 09 de agosto de 2013.

CASTRO, Edna Maria Ramos de. Território, biodiversidade e saberes de populações tradicionais. In: Faces do trópico úmido. Conceitos e questões sobre desenvolvimento e meio ambiente. Belém: CEJUP, 1997. p. 221-242.

CUNHA, Manuela Carneiro da; ALMEIDA, Mauro Barbosa de (Orgs.). Enciclopédia da floresta - o Alto Juruá : práticas e conhecimentos das populações. São Paulo : Companhia das Letras, 2002. 736 p.

DIEGUES, Antonio Carlos S. Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito moderno da natureza intocada. In: VIEIRA, P. F.; MAIMON, D. (Org.) As ciências sociais e a questão ambiental: rumo à interdisciplinaridade. Belém: APED/NAEA/UFPA, 1993, p.219-249.

DIEGUES, Antonio Carlos S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Editora HUCITEC, 1994.

DIEGUES, Antonio Carlos S. Mito moderno da natureza intocada. São Paulo: UCITEC/NUPAUB-SEC/USP, 1996.

DIEGUES, Antonio Carlos S. O mito do paraíso desabitado nas florestas tropicais brasileiras. In: CASTRO, Edna & PINTON, Florence (orgs). Faces do trópico úmido: conceitos e questões sobre desenvolvimento e meio ambiente. Belém: CEJUP, UFPA-NAEA, 1997.

DIEGUES, Antonio Carlos S. Populações tradicionais e conservação ambiental. In: Revista Sociedade e Etnoconhecimento, p. 185-193, 1999.

DIEGUES, Antonio Carlos S. Populações tradicionais e biodiversidade na Amazônia: levantamento bibliográfico georreferenciado. In: CAPOBIANCO, João Paulo Ribeiro et al. Biodiversidade na Amazônia brasileira: avaliação e ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo, Estação Liberdade: Instituto Socioambiental, 2001.

DIEGUES, Antonio Carlos S. Aspectos sociais e culturais do uso dos recursos florestais da mata atlântica. In: Simões, L. L.; Lino, C. F. (Orgs.). Sustentável Mata Atlântica. São Paulo: Editora SENAC, 2002, p.135-158.

GOMEZ-POMPA, A. & KAUS, A. Traditional management of tropical forests in México. In: ANDERSON, A.B. (ed.). Alternatives to deforestation: steps toward sustainable use of the Amazon rain forest. Pp. 45-64. New York, Columbia University Press, 1990.

LÉNA, Philippe. As políticas de desenvolvimento sustentável para a Amazônia: problemas e contradições. In: ESTERCI, Neide; LIMA, Débora; LÉNA, Philppe. Rede Amazônia: diversidade sociocultural e políticas ambientais, v. 1, n. 1. Rio de Janeiro, 2002.

LENCIONE, Sandra. Algumas observações sobre a construção de conceitos e os conceitos de cidade e urbano. In: SAQUET, Marcos A.; SUZUKI, Júlio C.; MARAFON, Glaucio J. Territorialidades e Diversidades nos campos e nas cidades latino-americanas e francesas. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

McKEAN, Margaret & OSTROM, Elinor. Regime de propriedade comum em florestas: somente uma relíquia do passado? In: DIEGUES, A.C & MOREIRA, A. C. C. (Org.), Espaços e Recursos Naturais de Uso Comum. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP, p. 79-96, 2001.

SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território: sobre espaço e poder. Autonomia e desenvolvimento. In CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, p.77-116. MORAES, A. C. R. (Org.). Ratzel. São Paulo-SP: Ed. Ática, 1990. (Col. Grandes Cientistas Sociais.)

REDFORD, K. H. A floresta vazia. In: VALADARES-PADUA, C.; BODMER, R. E. (Org.). Manejo e conservação de vida silvestre no Brasil. São Paulo: MCT-CNPq, 1997, p. 1-22.

SANTOS, MILTON. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006, p. 16.

SIMONIAN, L. T. L.; GLASER, M. Extractive Reserves and the question of sustainability: recent experience in north of Brazil. In: Workshop Brasil/Alemanha. Desenvolvimento Sustentável na Amazônia. Hamburgo: Universidade de Hamburgo, 2000. p. 03-25.

SILVA, J. B. da: População Tradicional da Amazônia Brasileira: conceituação, dilema atual e o papel da educação do campo. In: I ENCONTRO DE PESQUISAS E PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA PARAÍBA. 6 de 2011. Anais. João Pessoa, 2011. p. 1-15. Disponível em < http://www.ieppecpb2011.xpg.com.br/conteudo/GTs/GT%20-%2008/11.pdf> Acesso em 13 de setembro de 2013.

VIANNA, L. P. De invisíveis a protagonistas: populações tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Annablume; FADESP, 2008.