Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Reprodução Social e Permanência no Campo - Um Estudo no Assentamento João Batista II, Castanhal – Pará

DOI: http://dx.doi.org/10.17551/2358-1778/geoamazonia.n1v2p134-147

http://www.geoamazonia.net/index.php/revista 

downloadpdf

José A. Guilherme Junior1 & João S. Nahum2

 

Resumo: Neste estudo, objetivamos analisar alguns elementos que condicionam a reprodução social e a permanência dos camponeses no projeto de assentamento João Batista II. Para tanto, discutiremos algumas variáveis, sendo elas: as condições de produção, a comercialização e a organização político-social. A reprodução camponesa e a permanência na área do assentamento estão condicionadas a capacidade de equacionar e gerir os conflitos internos entre as associações, bem como, superar as limitações em termos de produção agropecuária e de comercialização. Na condução de nossa pesquisa, utilizamos uma revisão bibliográfica sobre a temática e a leitura das relações que se estabelecem no território do assentamento, evidenciando as variáveis mencionadas. Ainda como parte da pesquisa, realizamos entrevistas semi-estruturadas, e trabalhos de campo no local, no período de janeiro a julho de 2011.

Palavras-chave: Camponês, Assentamentos rurais, território, produção, comercialização

 

Abstract: In this study, we aimed at analyzingsome factors affecting social reproduction and permanence of the peasants in the settlement project João Batista II. Therefore, we will discuss some variables, namely: the conditions of production, marketing and political social organization. The peasant reproduction and permanence in the area of the settlement are conditioned to equate capacity and manage internal conflicts amongassociations, as well as overcome the limitations in terms of agricultural production and marketing. In conducting our research, we used a literature review on the subject and the reading of the relations stablished in the in the settlementterritory, showing the variables mentioned. As part of the research, we conducted semi-structured interviews and field work at the site in the period January-July 2011.

Keywords: Peasant, Rural settlements, territory, production, marketing

 

1 PPGEO, Universidade Federal do Pará, UFPA. e-mail: jaguilhermejr@gmail.com
2 Prof. Dr. Faculdade de Geografia e Cartografia – FGC/UFPA. e-mail: joaonahum@ufpa.br

 

Literatura Citada

ARAÚJO, Soraya Maria M. Formas de organização da produção apoiadas pelo MST: Assentamento João Batista II, Castanhal, Pará. Belém, 2005. (Dissertação).

BEM, Anderson; Almeida, Rosimeire Aparecida. A reprodução camponesa na contra mão da formalidade do capital. Campo-território: revista de geografia agrária, v. 6, n. 11, p. 113- 130, fev., 2011.

CAMPOS, Índio. Fronteira e campesinato no tropico úmido. Revista NAEA. 1996.

CARDOSO, Antônio. Plano de Desenvolvimento do Projeto de Assentamento João Batista II- Castanhal/PA. Belém: INCRA/FADESP/UFPA, 2001.

DEITOS, Nestor. A organização coletiva dos assentados. In: Caderno de cooperativa Agricola nº 5. São Paulo: MST/UNB/ITERPA, 2004.

FABRINI, J. E. Os camponeses e suas diferentes práticas coletivas, Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, ano 3, n. 4. p. 05-26, nov. 2008.

FERNANDES, B. Mançano. Entrando nos territórios de território. In: PAULINO, E. Tomas; FABRINI, J. Edmilson (Org). Campesinato e territórios em disputa. São Paulo: Ed. Expressão Popular, 2008. P. 273-301.

FERNANDES, B. Mançano. Questão agrária, pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001.

HEBETTE, Jean; Moreira, Edma Silva. Situação social das áreas rurais Amazônicas. In: Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinto na Amazônia. Vol. IV. 2004.

HEBETTE, Jean; Abelém Auriléia. Assentamentos da reforma agrária na fronteira Amazônica. In: Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinto na Amazônia. Vol. II. 2004.

MOREIRA, Emilia; TARGINO, Ivan. De território de exploração a território de esperança: organização agrária e resistência camponesa no semi-árido paraibano. Ano 10, n. 10 p. 72 – 93, 2007.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e Reforma Agrária. 2001.

PAULINO, Eliane Tomiasi; ALMEIDA, Rosemeire Aparecida. Terra e território: a questão camponesa no capitalismo. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo. 1980.

SANTOS, Milton. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 11ª Ed. Rio de Janeiro. Record, 2007.

SAQUET, M. O Dinheiro e o território – em “Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3ª Ed. Rio de Janeiro. Lamparina. 2008.

SAQUET, M. Aurélio. Abordagens e concepções de território. 2ª Ed. São Paulo: Expressão popular, 2010, PP. 120-138.

SAQUET, M. Campo-Território: considerações teórico-metodológicas, Campo-território – Revista de Geografia Agrária, n.1, v. 1, p. 60-81 fev. 2006.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações, o velho e o novo em uma discussão marxista. In: Revista Nera, Ano 08, n. 07; Julho/dezembro de 2005.

WANDERLEY, M. de N. B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: XX Encontro da ANPOCS. GT 17. Processos sociais agrários. Caxambú, MG. Outubro, 21p., 1996.