Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Territorialidades, Paisagem e Modo No Baixo Rio Meruú (Igarapé-Miri Pará)

DOI: http://dx.doi.org/10.17553/2359-0831/ihgp.n1v1p55-75

http://www.ihgp.net.br/revista/index.php/revista 

downloadpdf

Rosemildo S. Lima1 & Christian N. Silva2

 

Resumo: O espaço amazônico em sua complexidade se apresenta de forma multifacetado, tanto em seus aspectos naturais, quanto nas sociedades que fazem desse espaço os seus locais de vivência cotidiana e de produção material e imaterial de suas existências. Assim no espaço amazônico as comunidades locais, como os ribeirinhos, com suas marcas inconfundíveis nas paisagens amazônicas e com suas múltiplas territorialidades, desenvolvem diferentes estratégias de sobrevivência e tais estratégias estão ligadas diretamente aos seus modos de vida. Este breve esforço, de pensar o espaço amazônico sob o prisma de sua complexidade, tem por objetivo discutir, a partir de revisão bibliográfica, observação empírica e entrevistas focalizadas, a constituição da paisagem, das territorialidades e do modo de vida da comunidade ribeirinha do baixo rio Meruú, em Igarapé-Miri, no estado do Pará. Essa comunidade possui modo de vida e desenvolve estratégias de sobrevivência intimamente ligados à safra e a entressafra do açaí. Neste sentido, pensamos a comunidade a partir da constituição de uma paisagem peculiar, dinâmica e dotada de significados, e também a partir de múltiplas territorialidades, que relacionadas com a paisagem local confere uma identidade e uma produção, tanto material como imaterial, do espaço que em muito estão ligadas as suas estratégias de sobrevivência e que se relaciona à produção e comercialização do açaí.

Palavras-chave: Territorialidade, Paisagem, Estratégia de Sobrevivência, Açaí.

 

Resumen: La complejidad del espacio amazónico presenta múltiples facetas, tanto en sus aspectos naturales como en las sociedades que hacen de este espacio sus lugares de vida cotidiana y de la producción material e inmaterial de su existencia. Así que en las comunidades amazónicas espaciales locales, como la de ribera, con sus inconfundibles marcas de paisajes amazónicos y sus múltiples territorios, desarrollar diferentes estrategias de afrontamiento y estas estrategias están vinculadas directamente a sus estilos de vida. Este breve esfuerzo por pensar la región amazónica a través del prisma de su complejidad, tiene como objetivo discutir, de revisión de la literatura, la observación empírica y entrevistas focalizadas, la constitución del paisaje, la territorialidad y el modo de vida de la comunidad ribereña de baja River Meruú en Igarapé-Miri, en el estado de Pará. Dicha comunidad tiene forma de vida y el desarrollo de estrategias de supervivencia estrechamente vinculados a los cultivos y cultivo intercalado de acai. En este sentido, pensamos que la comunidad de la formación de un paisaje peculiar, talentoso y dinámico de significados, y también de múltiples territorios y que se referían a la topografía local da una identidad y de la producción, tanto materiales como espacio inmaterial que están vinculadas a sus estrategias de supervivencia y que se relaciona con la producción y comercialización de açaí.

Palabras Clave: Territorialidad, Paisaje, Estrategia de Supervivencia, Açaí

 

1 Geógrafo. Mestrando do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Pará. (PPGEO-UFPA). e-mail: santoslima28@hotmail.com
2 Geógrafo, Doutor em Ecologia Aquática e Pesca. Professor da Faculdade de Geografia e Cartografia da Universidade Federal do Pará (FGC/UFPA). Professor e Vice-coordenador do Programa de Pósgraduação em Geografia (PPGEO/UFPA). Coordenador do Laboratório de Análise da Informação Geográfica (LAIG/FGC/UFPA). Pesquisador do GAPTA/UFPA. e-mail: cnunes@ufpa.br

 

Literatura Citada

BECKER, Bertha K. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

CASTRO, I. E. Imaginário político e território: natureza, regionalismo e representação. In: CASTRO, I. E; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. 4ª edição. Rio de janeiro : Bertrand Brasil, 2010.

CLAVAL, P. “A VOLTA DO CULTURAL” NA GEOGRAFIA. Mercator - Revista de Geografia da UFC, ano 01, número 01, 2002.

CLAVAL, P. As abordagens da Geografia Cultural. In: CASTRO, I. E; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. 4ª edição. Rio de janeiro : Bertrand Brasil, 2010.

CRUZ, N. N. D. Modos de Vida e Territorialidades nos Assentamentos de Reforma Agrária. R. RA´E GA, Editora UFPR. Curitiba, n. 16, p. 93-100, 2008.

DE PAULA, F.C. Sobre a dimensão vivida do território: tendências e a contribuição da fenomenologia. GeoTextos, vol. 7, n. 1, jul. 2011. F. Paula. 105-126.

GOTTMANN. J. A Evolução do Conceito de Território. Boletim Campineiro de Geografia, v.2, n. 3, 2012. Tradução Isabela Fajardo e Luciano Duarte. Revisão Fabrício Gallo.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização. São Paulo: Contexto, 2006.

HAESBAERT, R.; PEREIRA, S. N.; RIBEIRO, G. (org.). Vidal, Vidais: textos de geografia humana, regional e política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

HEIDRICH, A. L. . Sobre nexos entre espaço, paisagem e território em um contexto cultural. In: Angelo Serpa. (Org.). Espaços Culturais: Vivências, imaginações e representações. 1ed. Salvador: EdUFBA, 2008, v. 1, p. 293-311.

HOMMA, A. K. O; NOGUEIRA, O. L; MENEZES, A. J. E. A; CARVALHO, J. E. U; NICOLI, C. M. L; MATOS, G, B. Açaí: novos desafios e tendências. AMAZÔNIA: Ciência & Desenvolvimento. n.2,v. 1, 2006.

MARCOS A. S.; Briskievicz, M. Territorialidade e Identidade: Um patrimônio no desenvolvimento territorial. Caderno Prudentino de Geografia, nº31, vol.1, 2009.

MAXIMIANO, L. A. Considerações sobre o Conceito de Paisagem. R. RA´E GA, Curitiba, n. 8, p. 83-91, 2004. Editora UFPR.

MOTA, G. Entre a comunidade e o lugar: aportes teóricos para um debate. In: TEISSERENC, P.; ROCHA, G. de M.; MAGALHÃES, S. B.; GUERRA, G. A. D. (Orgs.). Coletividades Locais e Desenvolvimnto Territorial na Amazônia. Belém: NUMA/UFPA, 2008.

POLLICE, F. O Papel Da Identidade Territorial nos Processos de Desenvolvimento Local. Tradução: Andrea Galhardi de Oliveira, Renato Crioni, Bernadete Aparecida Caprioglio de Castro Oliveira. Espaço e Cultura, UERJ, RJ, N. 27, P. 7-23, JAN./JUN. DE 2010.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.