Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Conflito pelo Uso do Território nos Campos Marajoaras - Pará: Entre o Uso Monopolista e o Uso Coletivo do Território

DOI: http://dx.doi.org/10.17553/2359-0831/ihgp.n1v1p76-87

http://www.ihgp.net.br/revista/index.php/revista 

downloadpdf

Benedito E. V. Cruz1 & Ana R. F. Silva2

 

Resumo: A mesorregião do Marajó tem passado nos últimos anos, por visíveis transformações socioespaciais, sobretudo, pela implantação da cultura do arroz em grande escala, implicando em conflitos entre distintos sujeitos sociais pelo uso da terra. Mesmo podendo apresentar potencial de investimento para a economia local, essa atividade impulsiona negativamente processos como a concentração fundiária, mudanças no consumo, perdas de identidade e da biodiversidade. A pesquisa está em andamento e tem como objetivo analisar a intensificação da disputa pelo uso do território na Ilha do Marajó, ora agravado pela implantação da rizicultura no município de Cachoeira do Arari. Teve como metodologia levantamentos bibliográfico, documental e trabalho de campo.

Palavras-chave: Rizicultura; uso do território; conflito

 

Abstract: The Marajó region has passed in recent years by visible socio-spatial transformations, especially the rice implementation on a large scale, resulting in conflicts between different social subjects for land use. Although with a potential investment to the local economy, this activity promotes negatively processes such as land concentration, changes in consumption, identity and biodiversity loss. The research is ongoing and aims to analyze the struggle intensification for land use on Ilha de Marajó, now exacerbated by the rice farming implementation in Cachoeira do Arari county. The methodology used bibliographic, documental and field works.

Keywords: Rice production; land use; conflict

 

1 Professor Assistente do Curso de Geografia da Universidade do Estado do Pará. Atualmente Coordena o Núcleo de Extensão e Desenvolvimento Territorial – NEDET-Marajó, projeto financiado pelo CNPQMDA. e-mail: bvalente7@yahoo.com.br
2 Geógrafa, Mestre em Geografia pela UFPA, atua no NEDET-Marajó como Assessora de Gestão Social.

 

Literatura Citada

ACEVEDO MARIN, Rosa. “Terra Gurupá” e direitos territoriais de quilombolas do rio gurupá e arari. Anpuh – xxv simpósio nacional de história – fortaleza, 2009. 

ACEVEDO MARIN, R.; RODRIGUES, E. T.; ARAÚJO, M. A. T. Quilombolas do rio Gurupá e a judicialização da violência. In: ALMEIDA. A. W.B. de (Orgs.). [et al]. Cadernos de debates Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos – Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia / UEA Edições, 2010.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. de; SILVEIRA, M. L. (Orgs.). Território: globalização e fragmentação. Anpur/Hucitec: São Paulo, 1996.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro, Record, 2001.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções sobre território. São Paulo: Expressão, Popular, 2007.

SPOSITO, E. S. Geografia e Filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: UNESP, 2004.

STEDILE, João Pedro (org.). A Questão Agrária no Brasil. O debate tradicional 1500 - 1960. Expressão popular. São Paulo, 2005.

IDESP. Indicadores de qualidade ambiental dos municípios da região de integração do Marajó. Secretaria de Estado de Gestão. Belém, 2013.

IDESP. Estatística Municipal: Cachoeira do Ararí. Governo do Estado do Pará. Belém, 2013. Disponível em: <http://www.idesp.pa.gov.br/EstatisticaMunicipal/pdf/CachoeiraArari.pdf>. Acesso: 25/04/2014.

PARÁ, Ministério Público. Procuradoria Geral de Justiça. Cachoeira do Arari: MPE e MPF recomendam titulação de quilombolas e licenciamento ambiental. Disponível em: http://www.mppa.mp.br/index.php?action=Menu.interna&id=2782&class=N. Acesso em 29 de junho de 2014.