Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aprendizagem e Interação Social no Bilingüismo: Revisão de Literatura

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/1983-7631/rt.v1n1p32-45

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/tec 

downloadpdf

Maria E. S. Lemos1 & Claudiana G. Teixeira2

 

Resumo: Pesquisar a contribuição do bilingüismo no desenvolvimento da comunicação e da linguagem humana é interesse para a Fonoaudiologia, por ser uma necessidade atual de expansão das habilidades comunicativas. Objetivos: Esta pesquisa buscou entender as diversas variáveis presentes nos processos de aprendizagem, com enfoque no bilingüismo, e refletir sobre a organização cognitiva da criança com deficiência auditiva e os ganhos que poderão ocorrer a partir de sua inserção precoce no bilingüismo. Realizou-se então uma revisão de literatura sobre este tema, a qual incluiu publicações dos últimos 10 anos. Discussão: As informações encontradas neste estudo apontam que as crianças surdas e ouvintes expostas a duas línguas terão maior facilidade em lidar com regras e manipular a gramática de cada uma dessas línguas. Sabe-se que há capacidade de um maior número de estímulos para a aprendizagem por meio do bilingüismo e que ele promove ao ser humano uma vida mais saudável, rica e feliz, pois expande sua visão, seus contatos e possibilidades de exploração do mundo. Comentários Finais: O bilingüismo traz grandes benefícios, um maior número de estímulos às crianças a ele expostas, no entanto, ainda há poucas pesquisas sobre o assunto e pouca abordagem do tema pela Fonoaudiologia.

Palavras-chave: bilinguismo; aquisição da linguagem; inteligências múltiplas, deficiência auditiva; aprendizagem; interação social.

 

Resumen: Investigar la contribución del bilinguismo em el desarollo de la comunicación y de la lenguaje humana és importante para la Fonoaudiologia ya que és una necessidad actual de expansión de las habilidades comunicativas. Objetivos: En esta pesquisa se há buscado comprender las diversas variables de los procesos de aprendizaje, con enfoque en el bilingüismo y los reflejos sobre la organización cognitiva del niño portador de deficiencia auditiva, bién como los ganos que podrán ocurrir desde su introducción precoz en el bilingüismo. Así que, se ha realizado una revisión de la literatura sobre este tema, incluyendo publicaciones de los diez últimos anõs. Discusión: Datos encontrados en este estudo demostran que los niños sordos y oyentes expostos a dos lenguas tendrán mayor facilidad para trabajar con reglas y manipular la gramática de cada una de esas lenguas. Sabese que hay facultad para mas estímulos para la aprendizaje por medio del bilingüismo y que él promove al ser humano una vida mas saludable, rica y feliz, pues expande su visión, sus contactos y posibilidades de exploración del mundo. Consideraciones Finales: El bilingüismo trae grandes benefícios, mayores estímulos para los niños a él expostos, y sin embargo, hay pocas pesquisas sobre el asunto y casi nada del tema és abordado por la Fonoaudiologia.

Palabras clave: bilingüismo; adquisición de linguaje; inteligencias múltiplas; deficiencia auditiva; aprendizaje; interacción social

 

1 Psicóloga, Mestre e Doutoranda em Saúde da Criança e do Adolescente pela Faculdade de Medicina da UFMG, Docente do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix
2 Fonoaudióloga Graduada pelo Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

 

Literatura Citada

BAKER C. A parent’s and teacher’s guide ti bilingualism. 2nd Edition. Clevedon, England: Multilingual Matters. 2000.

BEZERRA ICRM. Aquisição de segunda língua de uma perspectiva lingüística a uma perspectiva social. Soletras, São Gonçalo – RJ, v. 05/06, p. 31-52, 2003.

BRITTO ATBO. Livro de Fonoaudiologia./Organizadora Ana Teresa Brandão de Oliveira e Britto - São José dos Campos: Pulso, 2005.

CAMPBELL L, CAMPBELL B, DICKINSON D. Ensino e aprendizagem por meio das inteligências múltiplas; inteligências múltiplas na sala de aula. 2.ed. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

CARNEIRO LLF. Surdez: perdas e ganhos. Ciências & Cognição; Ano 02, Vol.06, p. 142-144, nov/2005.

CASTRO STR. Pesquisas em Lingüística Aplicada: Novas contribuições. Taubaté/SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003.

CAVALHEIRO E. Aquisição da Língua Estrangeira: Um estudo empírico sobre estratégias de comunicação. Dissertação De Mestrado Em Estudos Lingüísticos. Curitiba, 2004.

CHAVEIRO N, Barbosa MA - A surdez, o surdo e seu discurso. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 06, n. 02, p.166-171, 2004.

CONCEIÇÃO MP. Experiências de aprendizagem: reflexões sobre o ensino de língua estrangeira no contexto escolar brasileiro. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada. V.6, n.2, 2006.

CUMMINS J. Language, power, and pedagogy. Bilingual children in the crossfire. Clevedon, England: Multilingual Matters, 2000.

FERNANDES E. Linguagem e Surdez. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FERREIRA, LP. Tratado de Fonoaudiologia./ Organizadora Leslie Picolotto Ferreira. São Paulo: Roca, 2004.

GARDNER H. Estruturas da mente; a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Medicas, 1994.

JESUS SC. Surdez, Linguagem e Aprendizagem. FOCVM Magazine, Focvm Magazine, 20 abr, 2006.

JESUS SC. Cultura e Educação. V congresso de Letras UNEC- CD-Rom, 2005.

JORGE TC. Avaliação do processamento auditivo em pré-escolares. – Campinas : PUC-Campinas, 2006.

LACERDA CBF. A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: Trabalhando com sujeitos surdos. Cadernos Cedes, nº 50, Abril, 2000.

LEFFA VJ. Transdisciplinaridade no ensino de línguas: a perspectiva das Teorias da Complexidade. Revista brasileira de lingüística aplicada, v. 6, p. 27-49, 2006.

LIMA MSC. Algumas considerações sobre o Ensino de Português para Surdos na Escola Inclusiva. Revista Letra Magna – Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura - Ano 03- n.05 – 2006.

LOPES JSM. Ensino Bilíngüe. Revista Presença Pedagógica. V.6 n.35 p 73 a 77. Set/Out – São Paulo, 2000.

MEIRELLES V, SPINILLO AG. Uma análise da coesão textual e da estrutura narrativa em textos escritos por adolescentes surdos. Estudos da psicologia, janeiro-abril, volume 9, número 001. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2004.

MELLO HAB. Examinando a relação L1-L2 na pedagogia de ensino de ESL. Revista Brasileira de Lingüística Aplicada, v. 5, n.1, 2005.

MENDONÇA PVCF, FLEITH DS. Relação entre criatividade, inteligência e autoconceito em alunos monolíngues e bilíngües. Psicologia Escolar Educacional, vol.9, no.1, p.37-46, jun. 2005.

ONODA RM, PEREIRA LD, GUILHERME Arnaldo. Reconhecimento de padrão temporal e escuta dicótica em descendentes de japoneses, falantes e não-falantes da língua japonesa. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2006.

PÉRISSÉ PM, GARBOGGINI I, VIEIRA W. Língua estrangeira: quando e como começar?. Revista Presença Pedagógica N. 45 – Maio/Junho de 2002.

ROCCA PDA. O desempenho de falantes bilíngües: evidências advindas da investigação do VOT de oclusivas surdas do inglês e do português. D.E.L.T.A., 19: 2, (303-328), PUC-SP 2003.

SCHIRMER. CR, FONTOURA DR, NUNES ML. Distúrbios da aquisição da linguagem e da aprendizagem. Jornal de Pediatria – Vol. 80, nº 2, 2004.

SENADO FEDERAL. Língua Brasileira de Sinais “Uma Conquista Histórica”. Senado Federal Secretaria Especial de Editoração e Publicações. Brasília, OS: nº 03747/2006.

SUNDERS G. Bilingual children: From birth to teens. England: Multilingual Matters, 1988.

VIGOTSKII LS, LURIA AR, LEONTIEV AN. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução Maria da Penha Villalobos. – São Paulo: Ícone, 2001.

YOSHIMURA RM et al. Habilidades comunicativas receptivas em criança com bilingüismo português-japonês e paralisia cerebral: relato de caso. Rev. brasileira educação especial. Marília, v. 12, n. 3, 2006.