Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estudo Retrospectivo da População Atendida em Um Serviço de Atenção à Saúde Auditiva na Alta Complexidade no Ano de 2010: Achados Audiológicos e Caracterização da Adaptação do Aparelho de Amplificação Sonora Individual

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2238-1945/pcnb.v2n3p13-26

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/bio/index 

downloadpdf

Carolina F. Carmo1 & Karla C. C. Sogari2

 

Resumo: O presente estudo objetivou identificar o perfil audiológico e as características de adaptação do Aparelho de Amplificação Sonora Individual da população atendida em um Serviço de Atenção a Saúde Auditiva na Alta Complexidade da cidade de Belo Horizonte (MG). Tratou-se de um estudo descritivo, retrospectivo, de abordagem quantitativa realizado a partir de dados secundários obtidos da base de dados digital do Serviço. Foram levantados dados dos registros de pacientes atendidos no período de março a dezembro de 2010. As variáveis para o estudo foram: gênero, idade, tipo e grau da perda auditiva, adaptação monoaural ou binaural, tipo e classe de tecnologia do Aparelho de Amplificação Sonora Individual. Resultados: Dos 601 indivíduos atendidos, 56,4% eram do gênero feminino. A faixa etária predominante, 54,1% foi de indivíduos com idade igual ou superior a 61 anos. O tipo de perda auditiva prevalente foi a neurossensorial 91,1%. Quanto ao grau da perda auditiva, o predominante foi o moderado 56,2% na orelha dire ta e 72% na esquerda. O tipo de adaptação mais realizada foi a binaural 84%. Quanto ao tipo de aparelho, observou-se prevalência 73% do retroauricular. A classe tecnológica mais indicada, segundo a Portaria MS/GM n º 587 foi a do tipo B. Conclusão: O estudo possibilitou identificar o perfil audiológico e as características de adaptação do Aparelho de Amplificação Sonora Individual da população atendida no Serviço.

Palavras-chave: Audição; Linguagem; Perda auditiva; Auxiliares de audição; Presbiacusia

 

Abstract: This study aimed to identify the audiological profile and adaptation characteristics of hearing aids Individual population seen at the Health Care Services Hearing on the high complexity of the city of Belo Horizonte (MG). This was a descriptive, retrospective study, carried out a quantitative approach based on secondary data obtained from a digital database of Service. The data were collected from records of patients treated between March-December 2010. The variables for the study were: gender, age, type and degree of hearing loss, monaural or binaural adaptation, type and class of technology hearing aids individual. Results: Of the 601 patients seen, 56.4% were female. The age distribution, was 54.1% of persons aged less than 61 years. The prevalent type of hearing loss was sensorineural 91.1%. The degree of hearing loss, the predominant was 56.2% in the moderate right ear and 72%% on the left. The type of adaptation was the most performed binaural 84%. Regarding the type of device, there was 73% prevalence of the retroauricular. The class most suitable technology, according to Decree MS / GM No. 587 was type B. Conclusion: The study identified the audiological profile and adaptation characteristics of hearing aids Single of the population served the Service.

Key words: Hearing; Language, Hearing loss; Hearing Aids; Presbycusis

 

1 Fonoaudióloga, Mestre em Ciências da Saúde - Saúde da Criança e do Adolescente; Docente do Curso de Graduação em Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix – Belo Horizonte, Minas Gerais. e-mail para correspondência: fonocarl@ig.com.br
2 Acadêmica do Curso de Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.

 

Literatura Citada

AMADO, B.C.T; ALMEIDA, E. O C; BERNI, P. S. Prevalência de indicadores de risco para surdez em neonatos em uma maternidade paulista. Rev. Cefac, Campinas, SP, v.11, Supl1, p.18-23, 2009. https://doi.org/10.1590/S1516-18462009005000020

ARAKAWA A. M et al.. Análise de diferentes estudos epidemiológicos em audiologia realizados no Brasil. Rev. Cefac. Bauru, SP, v.13, n.1, p. 152-158, 2011.

BALEN, S. A et al.. Caracterização da Audição de Crianças em um Estudo de Base Populacional no Município de Itajaí / SC. Arq. Int. Otorrinolaringol. São Paulo, SP, v.13, n.4, p. 372-380, 2009.

CAMPOS C.A.H, RUSSO I.C.P, ALMEIDA, K. Indicação, seleção e adaptação de próteses auditivas. Princípios gerais. In: Almeida K, Iorio MCM. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo, Lovise, p. 35-54, 2003.

CAPORALI, S. A. C, SILVA, J.A. Reconhecimento de fala no ruído em jovens e idosos com perda auditiva. Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 70, n.4, p. 525-532, 2004. https://doi.org/10.1590/S0034-72992004000400014

CUDAHY E, LEVIT T.H. Digital hearing aids: a historical perspective. In: Sandlin Re. ed. Understanding digitally programmable hearing aids. Boston: Allyn and Bacon, p.1-13, 1994.

DANIELI F, CASTIQUINI E.A.T, ZAMBONATTO T.C.F, BEVILACQUA M.C. Avaliação do nível de satisfação de usuários de aparelhos de amplificação sonora individuais dispensados pelo Sistema Único de Saúde. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol., Bauru, SP, vol. 16, n. 2., p. 152-159, 2011.

DAVIS H, SILVERMAN S.R. Auditory test hearing aids. In: Davis H, Silvermann. Hearing and deafness. New York: Holt Rinehart and Winston, 1970.

DIMATOS O.C, IKINO C.M.Y, PHILIPPI P.A, DIMATOS S.C, BIRCK M.S, FREITAS P.F. Perfil dos Pacientes do Programa de Saúde Auditiva do Estado de Santa Catarina Atendidos no HU-UFSC. Arq. Int. Otorrinolaringol. São Paulo, v. 15, n. 1, p. 59-66, 2011.

DOMINGOS P.B. Caracterização do perfil audiológico e epidemiológico da população atendida em um programa de saúde auditiva. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. 2010.

ESTEVÃO R.S.C.M. Análise do perfil audiológico de idosos usuários dos serviços públicos de atenção à saúde auditiva (média complexidade) na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia, Universidade Veiga de Almeida Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. 2008. 

FREIBERGER C.M, TONN K. Avaliação do grau de satisfação entre os usuários de amplificação de tecnologia analógica e digital. Rev. Bras. Otorrinolaringol. Paraná, PR, vol. 71, n. 5, p. 650-657, 2005.

GATTO C.I, TOCHETTO T.M. Deficiência Auditiva Infantil: Implicações e Soluções. Rev. Cefac, São Paulo, v.9, n.1, p. 110-115, 2007. https://doi.org/10.1590/s1516-18462007000100014

GRECO M.C, RUSSO I.C.P. Achados audiológicos de indivíduos idosos atendidos em uma clínica particular de São Paulo-SP. Rev Acta ORL.São Paulo, v.24, n.4, p. 245-254, 2006.

HILÚ M.R.P.B, ZEIGELBOIM B.S. O conhecimento, a valorização da triagem auditiva neonatal e a intervenção precoce da perda auditiva. Rev Cefac. São Paulo, v.9, n.4, p. 563-570, 2007.

ISAAC M.L, MANFREDI A.K.S. Diagnóstico precoce da surdez na infância. Rev Medicina. Ribeirão Preto, SP, vol. 38, n. 3/4, p. 235-244, 2005.

LIMA M.C.M.P, BARBARINI G.C.O, GAGLIARDO H.G.R.G, ARNAIS M.A.O, GONÇALVES V.M.G. Observação do desenvolvimento de linguagem e função auditiva e visual em lactentes. Rev. de Saúde Pública. Campinas, SP, vol. 38, n. 1, p. 106-112, 2004.

MAGNI C, ARMENTANO J.N, MOREIRA P.S, WINTER E.W. Investigação do grau de satisfação entre usuários de amplificação monoaural e binaural. Distúrbios da Comunicação. Paraná, PR, vol. 17, n. 3, p. 323-332, 2005.

MARQUES A.C.O, KOZLOWSKI L, MARQUES J.M. Reabilitação auditiva no idoso. Rev. Bras. Otorrinolaringol. Paraná, PR, vol. 70, n. 6, p. 806-811, 2004.

MATAS C.G, IORIO M.C.M. Indicação, Seleção e Adaptação de Próteses Auditivas: Princípios Gerais. In: Almeida K, Iorio M.C.M. Próteses auditivas: fundamentos teóricos e aplicações clínicas. 2. ed. São Paulo: Lovise, p. 35-54, 2003.

MATTOS L.C, VERAS R.P. A prevalência da perda auditiva em uma população de idosos da cidade do Rio de Janeiro: um estudo seccional. Rev. Bras. Otorrinolaringol. Rio de Janeiro, RJ, vol. 73, n. 5, p. 654-659, 2007.

MENESES C, MARIO M.P, MARCHORI L.L.M, MELO J.L, FREITAS E.R.F.S. Prevalência de perda auditiva e fatores associados na população idosa de londrina, paraná: estudo preliminar. Rev. Cefac. São Paulo, SP, vol. 12, n.3, 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção À Saúde. Portaria SAS/MS 587 de 7 de outubro de 2004 - Determina a organização e a implantação de Redes Estaduais de Atenção à Saúde Auditiva. Brasília, DF, 2004. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção À Saúde. Portaria N° 2.073. Institui a Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Ministério da Saúde, Gabinete Ministerial, Brasília, DF, 2004. 

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção À Saúde. Normas para o atendimento em saúde auditiva. Anexo I. Brasília, DF, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. O SUS de A à Z: Garantindo Saúde nos municípios. Série F. Comunicação e Educação em Saúde. Brasília, DF, 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção À Saúde. Portaria MS/GM n º 587, de 07 de outubro de 2004. Diretrizes para o fornecimento de Aparelhos de Amplificação Sonora Individual (AASI). Anexo IV. Brasília, DF, 2004.

MONTEIRO C.F.S, CALDAS J.M.S, LEÃO N.C.M.A.A, SOARES M.R. Suspeita da perda auditiva por familiares. Rev. Cefac. São Paulo, SP, vol. 11, n. 3, p. 486-493, 2009.

MORETTIN, M. Avaliação dos benefícios e satisfação dos usuários de Aparelho de Amplificação Sonora Individual nos serviços de audiologia do SUS. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

MOURA L.O.S.M; IORIO M.C.M; AZEVEDO M.F. A eficácia da adaptação de prótese auditiva na redução ou eliminação do zumbido. Rev. Bras. Otorrinolaringol, v.70, n.5, p. 624-631, 2004. https://doi.org/10.1590/S0034-72992004000500008

NORTHERN JL; DOWNS M.P. Audição na infância. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. CIF. São Paulo: EDUSP, 2003.

PERRELA A.C.M; BARREIRO F.C.A.B. Avaliação da função auditiva central em idosos e suas contribuições para a adaptação de próteses auditivas. Distúrbios da Comunicação, v.17, n.3, p. 333-346, 2005.

PICOLINII M.M; BLASCA W.W; CAMPOS K; MONDELLI M.F.C.G. Adaptação aberta: avaliação da satisfação dos usuários de um centro de alta complexidade. Rev. Cefac, v.13, n.4, p. 676-684, 2011. https://doi.org/10.1590/S1516-18462010005000122

PINTO P.C.L; SANCHEZ T.G; TOMITA S. Avaliação da relação entre severidade do zumbido e perda auditiva, sexo e idade do paciente. Braz. J. Otorhinolaryngol, v. 76, n.1, p.18-24, 2010. https://doi.org/10.1590/s1808-86942010000100004

ROSA M.R.D; DANTE G; RIBAS A. Programa de Orientação a Usuários de Prótese Auditiva e Questionários de Auto-avaliação: Importantes Instrumentos para uma Adaptação Auditiva Efetiva. Arq. Int. Otorrinolaringl, São Paulo, v.10, n.3, p. 220-227, 2006.

ROSALINO C.M.V; ROZENFELD S. Triagem auditiva em idosos: comparação entre auto-relato e audiometria. Rev. Bras. Otorrinolaringol, v.71, n.2, p. 193-200, 2005. https://doi.org/10.1590/S0034-72992005000200013

ROSALINO C.M.V. Perda auditiva e tontura em idosos: medicamentos e outros fatores associados. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz: Rio de Janeiro. 2005.

RUSCHEL C.V; CARVALHO C.R; GUARINELLO A.C. A eficiência de um programa de reabilitação audiológica em idosos com presbiacusia e seus familiares. Rev. Soc. Bras Fonoaudiol, v. 12, n.2, p.92-98, 2007. https://doi.org/10.1590/S1516-80342007000200005

SCHIRMER C.R; FONTOURA D.R; NUNES M.L. Distúrbios da aquisição da linguagem e da aprendizagem. Jornal de Pediatria, v.80, Supl 2, p.95-103, 2004. https://doi.org/10.2223/1173

SILMAN S; SILVERMAN C. Auditory diagnosis principles and applications. San Diego: Singular, p.51-52, 1999.

SILVA B.S.R; SOUZA G.B; RUSSO I.C.P; SILVA J.A.P.R. Caracterização das Queixas, Tipo de Perda Auditiva e Tratamento de Indivíduos Idosos Atendidos em uma Clínica Particular de Belém – PA. Arq. Int. Otorrinolaringol. São Paulo, v.11, n.4, p. 387-395, 2007.

SOUSA M.G.C; RUSSO I.C.P. Audição e percepção da perda auditiva em idosos. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol, v.14, n.2, p. 241-246, 2009. https://doi.org/10.1590/S1516-80342009000200016

TANAKA M.R.T; ARAÚJO V.M; FERREIRA V.J.A. Déficits de audição em idosos dificultariam a comunicação? Rev Cefac, v.4, p.203-205, 2002.

TEIXEIRA A.R; FREITAS C.L.R; MILLÃO L.F; GONÇALVES A.K; JUNIOR B.B; SANTOS AMPV et al.. Relação entre a Queixa e a Presença de Perda Auditiva entre Idosos. Arq. Int. Otorrinolaringol, v.13, n.1, p.78-82, 2009.

UCHIDA Y; NAKASHIMA T; ANDO F; NIINO N & SHIMOKATA H. Prevalence of self-perceived auditory problems and their relation to audiometric thresholds in a middle-aged to elderly population. Acta Otolaryngol, v.123, n.5, p.618-626, 2003. https://doi.org/10.1080/00016480310001448

VERAS RP; MATTOS LC. Audiologia do envelhecimento: revisão da literatura e perspectivas atuais. Rev. Bras. Otorrinolaringol, v.73, n.1, p.128-134, 2007. https://doi.org/10.1590/S0034-72992007000100021

VIEIRA A.B.C; MACEDO L.R; GONÇALVES D.U. O diagnóstico da perda auditiva na infância. Rev. Pediatria, v.29, n.1, p. 43-49, 2007.

ZANDAVALLI M.B; CHRISTMANN L.S; GARCEZ VRC. Rotina de procedimentos utilizados na seleção e adaptação de aparelhos de amplificação sonora individual em centros auditivos na cidade de Porto Alegre, Brasil – RS. Rev. Cefac, v.11, Supl1, p. 106-115, 2009. https://doi.org/10.1590/S1516-18462009005000012